Hora de refazermos

Por Gilberto Silva

 

“Os filósofos se limitaram a interpretar o mundo de várias maneiras; a questão é transformá-lo” – Marx

 

Gilberto da Silva é jornalista e sociólogo, editor da revista Partes

Destroçados pela avassaladora avalanche de informações, contrainformações e completamente recheados com vivas à nova ordem mundial dita bela e una, nós -pobres mortais, nascidos em um país de natureza colonial e de herança escravista, nos entregamos (melhor seria: entregaram-nos) de corpo e alma às ditas maravilhas do neoliberalismo.

Fomos proibidos de pensar a utopia socialista. O capital patenteou nossas vidas. Não só manda na ordem econômica, como nos domina por inteiro penetrando em nossas almas e fazendo nossa consciência.

Criaram o paradigma da modernidade, onde tudo que é passado é velho, retrógrado e careta. As novas lutas não podem ascender mudanças na estrutura do poder, das relações de produção. As lutas podem existir desde que fiquem restritas a seu segmento (gênero, raça, etc e tal…). Tudo pode, desde que não avance para além do espaço doméstico.

Precisamos de uma oportunidade para refazermo-nos. Recriar nossa vontade de mudança, nosso espírito de transformação que seja síntese do ecológico, feminista, do antirracista, que desencarne as diferenças, as opressões e as exclusões do “globalitarismo”. A queda do “socialismo real” finalizou uma luta econômica, na qual os Estados Unidos da América aparecem como os vencedores e com ela a falsa declaração do fim das ideologias e com a expansão do modelo neoliberal, que trouxe desemprego e promove uma acumulação e movimentação de capital jamais visto na história da humanidade.

Presos ao luxo e aos restos dos lixos da modernidade do capital, presos ao poder da ideologia dominante (e aí daquela voz contrária!), esmagadora, com seu arsenal político-cultural sempre à disposição para a defesa da sua ordem. O mercado é o espetáculo e a imagem da vitória de uma única via, a única que nos apregoam como verdadeira e democrática. Seremos ainda cidadão? Mas, se não somos, podemos ficar tranquilos já há a “empresa-cidadã”. Seremos cidadão-empresa?

“Por quanto tempo ainda aqueles que estão acordados vão fazer de conta que estão dormindo?”, questionou apropriadamente Viviane Forrester em O Horror Econômico.

Somos humilhados por sermos utópicos, por acreditar na mudança, ridicularizados ao extremo e posto de lado na sociedade. Devemos renunciar aos nossos princípios e resignadamente aceitar os novos paradigmas que nos impõem? Há espaço neste mundo globalizado para soluções regionais no campo econômico? Os que não são da fé globalizada estão realmente cegos?

Post Author: partes