Sabor da terra (Homenagem ao Paraná)

Por Ana Marina Godoy

 

Vermelhos…

Os pés…

Barro.

Em ritmo fandango

Se agitam

Carne e barreado

Morenos,

Sacudidos,

Abafados pelo chão daqui,

Temperados com

Farinha da cor da pele

De raízes

Alvas e brancas:

Peixes são apimentados e

Pintados

Em folhas de bananeira

Para serem servidos em telhas,

Num banquete

Para deuses;

À moda da casa:

Indígena.

A terra do café

E do pinhão

Que é esvoaçada,

Em pó – tipo exportação –

Pela neblina européia

Nas sopas da semente

Da gralha azul

Têm prazeres próprios da nobreza;

Naturais entre gente real,

Que granula e mói a fome de viver –

Adoçada com balas de banana –

E bebe da fonte da juventude

Em todas as idades,

Entre carnavais e procissões,

Por caminhos

De tropas e tropeiros

Que guiam, até hoje,

Estradas à cachoeiras,

Passos à baías de então,

Ou passeiam a galopes

Em campos gerais

De ervas regionais,

Sorvidas

No calor e pela lei

Da água que brota

E do rio que corta

Solo tropical,

Sem ferir o celeiro

Deste braseiro

De céu austral.

Ana Marina Godoy é turismóloga

Post Author: partes