A carreira que é um mico

A carreira que é um mico
O turismo gera empregos? Sim, mas só para camareira, garçom, faxineira… Quem é qualificado continua penando.
Por Lilian Cunha

 

Quantas vezes você já ouviu dizer que a vocação do Brasil é o turismo? A paulistana Bianca Andrade, de 27 anos, escutou a frase muitas vezes. Leu nos jornais a promessa de vários governos de que o mercado hoteleiro, o de passagens aéreas e o de entretenimento iriam deslanchar e gerar milhões de empregos. “Acreditei naquilo e por isso resolvi investir na carreira”, diz ela, que há pouco mais de três anos prestou vestibular para turismo e entrou em uma faculdade da região metropolitana de São Paulo. “Eu tinha uma certa ilusão de que haveria uma explosão de empregos nessa área, de que me formaria e seria gerente de uma grande agência de viagens”, diz Bianca. Hoje, prestes a se formar, ela faz estágio em uma loja de passagens aéreas e recebe 250 reais por mês. “Percebi logo que o mercado é bem diferente do que imaginei”, lamenta.

Assim como Bianca, todo ano, 22 800 novos profissionais se formam em cursos superiores da área de turismo pelas 570 instituições que oferecem graduação nesse campo no país. O problema é que não há lugar para todos no mercado de trabalho, de acordo com o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade (Contratuh), Moacyr Roberto Tesch Auersvald. E há dois motivos para isso: um é a expansão do turismo que nunca acontece no país. “Turismo é propaganda e o Brasil não se vende lá fora”, afirma ele. Só para ter idéia, o Brasil investiu 30 milhões de reais na promoção de todo o país no exterior em 2003. A Filadélfia, Estado americano que quer ser a meca mundial do turismo GLS (gays, lésbicas e simpatizantes), gasta a mesma quantia em propaganda. A outra razão é que a grande carência de mão-de-obra no setor não é de profissionais de nível superior, para cargos de chefia. E sim de pessoal operacional. Um hotel médio, por exemplo, tem de cinco a seis gerentes e cerca de 200 funcionários trabalhando nas funções de camareira, faxineira, recepcionista, garçom e cozinheiro. “O que o setor precisa é de gente para carregar o piano, e não de pessoas para tocá-lo”, diz Auersvald.

Para o professor Mário Carlos Beni, da Faculdade de Turismo da Universidade de São Paulo (USP), o que o mercado procura é inversamente proporcional à resposta das escolas de turismo. Ele diz que deveria haver mais cursos técnicos, para qualificar a mão-de-obra operacional, do que escolas de formação de nível superior. “Quem se forma em um dos cursos de terceiro grau não quer se sujeitar a trabalhar como recepcionista ou mensageiro”, afirma. Foi o que aconteceu com Nelson da Cunha Pinto Filho, de 32 anos, formado em turismo pela USP em 2001. Ele nunca encontrou chances de entrar no mercado de trabalho, a não ser vagas para assistente, operador de reservas e recepcionista. “Começar do zero, num cargo operacional, é uma roubada, um mico”, diz ele, que abandonou a área.”Preferi dar continuidade à minha formação anterior, de técnico em mecânica, que tem mais mercado e paga mais.”

Sua colega de faculdade, Paloma Cavalcanti, de 24 anos, entretanto, resolveu insistir na carreira. Abriu sua própria empresa de planejamento e consultoria para hotéis. Mas, para se sustentar, dá aula em uma faculdade de turismo. Seu salário como professora varia entre 1500 e 2000 reais, conforme o número de horas trabalhadas. “As aulas são o que me segura, já que com a empresa não é todo mês que tenho lucro”, diz, acrescentando que a maioria do pessoal da classe também partiu para o ramo do ensino.

A saída encontrada por Paloma e seus colegas, segundo o professor Beni, já está deixando de ser uma alternativa para profissionais que não encontraram oportunidades no setor. “Nos últimos anos, não há o mesmo interesse pelo curso. Houve uma queda nas matrículas de 50%. As faculdades estão demitindo professores e fechando cursos.”

Aprendizado na prática existe, entretanto, uma maneira de seguir carreira na área de turismo, segundo Dináurea Cheffins, vice-presidente de recursos humanos da Atlantica Hotels International, administradora que opera hotéis como Radisson, Clarion, Confort e Sleep Inn. “O único modo de se dar bem na área é começar por baixo e aprender a profissão na prática”, afirma. A questão é que a grande maioria das pessoas só quer trabalhar como gerente ou em cargos de chefia. “Humildade para aceitar tarefas que parecem inferiores faz parte do dia-a-dia de quem trabalha nesse campo”, declara.

Fabiana Zichia, de 24 anos, deixou o orgulho de lado topou desafio. Há três anos, quando havia iniciado o curso de turismo em uma faculdade paulistana, saiu para procurar estágio em hotéis. Encontrou uma vaga no setor de reservas do Radisson, em São Paulo. Topou, apesar do baixo salário: 400 reais. A mensalidade da faculdade era de 700 reais. “Eu queria entrar para o mercado”, recorda. Oito meses depois, Fabiana foi efetivada no departamento de operações do hotel e hoje é assistente de qualidade, com salário de 1 300 reais. Mas o que ajudou Fabiana, além de sua disposição para aceitar serviços não tão glamourosos, foi o fato de ela ter inglês fluente. “Ter curso superior em turismo ou administração hoteleira não é imprescindível”, diz Dináurea, da Atlantica Hotels. Ela mesma é formada em psicologia e começou sua carreira há 22 anos, como estagiária do setor de treinamento de um hotel. “O que conta mais é ter formação em línguas”, diz. Saber idiomas, segundo ela, é importante em todas as áreas do turismo.

Post Author: partes