A Manchete do Dia

Neiva Pavesi

publicado em 02/04/2008

cronicas/neivapavesi/manchete.asp

Neiva Pavesi é educadora, promotora de leitura, escritora, coordenadora do Grupo Cantigas Praianas. npavesi@uol.com.br

Leio, de Eduardo Alves da Costa, o poema No caminho, com Maiakóvski:” Tu sabes/ conheces melhor do que eu/ a velha história./ Na primeira noite, eles se aproximam/ e roubam uma flor/ do nosso jardim./ E não dizemos nada./ Na segunda noite, já não se escondem:/ pisam as flores,/ matam nosso cão,/ e não dizemos nada./ Até que um dia, / o mais frágil deles/ entra sozinho em nossa casa,/ rouba-nos a luz, e, /conhecendo nosso medo,/arranca-nos a voz da garganta./ E já não podemos dizer mais nada.”

Qualquer semelhança com o que é noticiado, diariamente, não é mera coincidência. Estamos deixando que nos roubem a voz. Pequenas ações realizadas por seres humanos desprovidos de consciência social, vão-se acumulando e destroem o que de bom ainda existe no mundo. Foi somando o conjunto da obra, ao longo do tempo e das gerações, que chegamos à situação crítica de hoje. Somos perversamente insensatos!

As barbaridades noticiadas são apenas estatísticas, passam longe de nossas casas. Nada nos afeta. “Não foi comigo; não tenho nada com isso”. É comigo, sim, mesmo que aconteça com o outro: o jovem atingido por uma bala perdida é meu filho, é meu neto! Tudo o que acontece é comigo e é preciso gritar agora, antes que sejamos calados para sempre. Gritar contra a injustiça social, o preconceito, o preço dos pedágios, a falta de segurança, de educação, de saúde. Gritar contra o cancro social da corrupção e da omissão; a falta de vergonha, de atitude, de ética, de amor, de paz, de compaixão.

Gritar contra  o lixo que entope os bueiros e faz as cidades transbordarem; a falta de cidadania, de valores, de respeito próprio, a falta de visão dos gestores municipais, estaduais e federais que não se importam com a qualidade de vida do povo; os eleitores que se esquecem em quem votaram, porque votar “è uma brincadeira, uma chatice”.

Gritar contra os deputados e senadores que legislam em causa própria  esbanjando dinheiro público; a família que não forma suas crianças; os gestores da educação e seus projetos mirabolantes  de execução duvidosa; a falta de estrutura para os educadores e de muitos educadores; a falta de competência de profissionais das mais diversas áreas,  e mais uma lista infindável de desrespeito, de falta de vontade política, de falta de solidariedade, de capacidade, para resolver problemas que se cristalizam com o passar do tempo.

Problemas que, mesmo não sendo comigo, certamente  me afetarão. Somos um povo amorfo; não temos força de vontade; somos capazes de pequenos atos corruptos todos os dias  para tirar vantagem, por mínima que seja, em qualquer coisa! Fazemos de tudo  para mostrarmos nossa “esperteza”. Pobres de nós! Sem autoestima, escravos da televisão, achando que os BBBs da vida são o máximo!

Das crianças até os adultos, pensamos somente em direitos. Não sabemos,  ou procuramos esquecer, que temos deveres e responsabilidades para com os que nos cercam. Obtusos, não entendemos a dimensão da nossa unicidade. Não conhecemos a realidade que bate à nossa porta: interagirmos é a única maneira de evitarmos a extinção. Só os que interagem, sobrevivem. A   degradação humana e ambiental, das formas mais perversas possíveis, é o resultado do desrespeito mútuo, do nosso “não é comigo”. Temos tempo para  aprender que estamos todos no mesmo barco e o que prejudica um, prejudica todos.? Ainda resta tempo para aprendermos o que é o efeito borboleta?

 Enquanto isso, não participamos da solução dos problemas da família, da comunidade, da cidade e do País e  jogamos no lixo a nossa voz. O resultado está aí, nas manchetes do dia.

Neiva Pavesi é escritora e promotora de leitura

Post Author: partes