Óleo de cozinha e aquecimento global. O que uma coisa tem a ver com a outra?

A atitude corriqueira de jogar os restos do óleo de cozinha usado diretamente na pia contribui para o aumento do aquecimento global. Ambientalistas afirmam que a decomposição do óleo de cozinha emite metano na atmosfera, um dos principais gases que causam o efeito estufa, favorecendo, assim, o aquecimento da terra.

O óleo de cozinha depositado na pia chega aos oceanos por meio das redes de esgoto; em contato com a água do mar, esse resíduo passa por reações químicas que resultam na emissão de metano.

Mas o que fazer com os restos desse material vegetal? Como conscientizar as pessoas dessa problemática? Uma das respostas está na educação ambiental e nada melhor do que partir da escola a iniciativa de mostrar a seus alunos o que pode fazer a diferença.

Na escola Stance Dual, localizada na região central e São Paulo, um dos projetos desenvolvidos por alunos do 5º ano é Nutrição e Saúde, que tem por objetivo, entre outros, compreender a pirâmide alimentar e o equilíbrio no consumo diário de alimentos para uma vida saudável. Na aula desenvolvida no laboratório de Ciências, os alunos aprenderam que o óleo de cozinha reaproveitado, além de provocar malefícios à saúde, provoca danos ao meio ambiente.

A escola resolveu, então, estabelecer parceria com a ONG Trevo (www.trevo.org.br), organização pioneira na coleta e reciclagem de resíduos de óleo de frituras. Semanalmente, a Stance Dual envia à ONG cerca de 50 litros de óleo de cozinha, proveniente do restaurante da escola e também da residência dos alunos. Eles, por sua vez, transformam o óleo em sabão em pedra, eficaz na lavagem de roupas e na limpeza doméstica em geral. Esse produto é doado à Creche Aconchego, entidade que recebe apoio da escola. “Além de criamos um projeto que visa a melhoria da qualidade de vida no que se refere ao consumo dos alimentos, contribuímos para com o nosso ecossistema e, mais ainda, desenvolvemos um trabalho social, beneficiando uma entidade que necessita de apoio”, comemora Débora Moreira, coordenadora do projeto.

Outra instituição empenhada em envolver seus alunos na questão ambiental é o Colégio Global, na zona oeste da capital paulista. O professor responsável pela disciplina de química, Ricardo Honda, explica que “muitos estabelecimentos comerciais e residências jogam o óleo de cozinha usado na rede de esgoto, causando entupimento e o mau funcionamento das estações de tratamento. Para retirar o óleo e desentupir, são empregados produtos químicos tóxicos prejudiciais ao meio ambiente. A presença de óleos e gorduras na rede de esgoto gera graves problemas de higiene e mau cheiro”. No Global, além do trabalho com os alunos, todo o óleo utilizado na cozinha é reaproveitado pela equipe de colaboradores e transformado em sabão.

Contato:
cgc@cgccomunicacao.com.br

Post Author: revistapartes