Tutoria no ensino à distância: uma possibilidade de desenvolvimento profissional de professores

TUTORIA NO ENSINO À DISTÂNCIA: UMA POSSIBILIDADE DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DE PROFESSORES

Publicado originalmente em  1 de out de 2008 como: www.partes.com.br/educacao/tutoriaead.asp

Franciele Roos da Silva Ilha*

 

Reflexões iniciais

Franciele Roos da Silva Ilha – Especialista em Gestão Educacional e Educação Física Escolar na UFSM; Mestranda em Educação na UFSM. fran.ef@pop.com.br

Este estudo tem como objetivo relatar minha experiência docente como tutora de uma disciplina de um curso à distância. Esta vivência como mediadora de conhecimentos me possibilitou ensinar e ao mesmo tempo aprender. Tendo em vista que, o professor que busca desenvolver o ensino de forma reflexiva tem a possibilidade de instigar a reflexão crítica em seus alunos e em si mesmo. García (1992) salienta que no ensino reflexivo se leva a cabo o exame ativo, persistente e cuidadoso de todas as crenças ou supostas formas de conhecimento, à luz dos fundamentos que os sustentam e das conclusões para que tendam. Daí deriva a necessidade de formar professores que venham a refletir sobre a sua própria prática, na expectativa de que a reflexão seja um instrumento de desenvolvimento do pensamento e da ação.

         De acordo com Gómez (1992) a reflexão implica na imersão consciente do homem no mundo da sua experiência e para compreender melhor é necessário distinguir três conceitos que integram o pensamento prático: a) conhecimento na ação (conhecimento técnico) – é o componente inteligente que orienta toda a atividade humana e se manifesta no “saber fazer”. É um conhecimento de primeira ordem; b) reflexão na ação – é quando pensamos sobre o que fazemos ao mesmo tempo em que atuamos. É um conhecimento de segunda ordem, isto é, é um processo de diálogo com a situação problemática. É um processo de reflexão sem o rigor, a sistematização e o distanciamento requeridos pela análise racional, mas com a riqueza da captação viva e imediata das múltiplas variáveis intervenientes e com a grandeza da improvisação e criação; c) reflexão sobre a ação – é a análise que o indivíduo realiza “a posteriori” sobre as características e processos da sua própria ação. É a utilização do conhecimento para descrever, analisar e avaliar os vestígios deixados na memória, por intervenções anteriores. Na “reflexão sobre a ação”, o profissional liberto dos condicionamentos da situação prática, pode aplicar os instrumentos conceituais e as estratégias de análise no sentido da compreensão e da reconstrução da sua prática. A “reflexão sobre a ação” supõe um conhecimento de terceira ordem, que analisa o “conhecimento na ação” e a “reflexão na ação” em relação com a situação problemática e o seu contexto.

         Estes três processos constituem o pensamento prático do profissional no caso, o professor, com o qual enfrenta as situações “divergentes” da prática. Estes processos não são independentes, complementando-se entre si para garantir uma intervenção prática racional. O “conhecimento na ação” só é pertinente se for flexível e se apoiar na “reflexão na” e “sobre a ação”.

Educação à distância

         No contexto da Educação vem sendo cada vez mais discutida e refletida a questão da formação de professores. Dada a importância dessas reflexões, que inúmeros autores tratam deste tema com o intuito de contribuir com um processo formativo mais consciente. Contribuindo com essa questão, García (1999) relata que o conceito de desenvolvimento profissional propicia uma visão mais adequada ao significado do processo de formação, no momento que transcende a justaposição formação inicial e formação continuada. Além disso, acredita que o desenvolvimento profissional dos professores apresenta-se interligado com outros aspectos de sua ação educativa, ou seja, ao desenvolvimento da escola, ao desenvolvimento e inovações curriculares, ao desenvolvimento do ensino e ao desenvolvimento da profissionalidade dos professores. Além disso, na atualidade muitas são as iniciativas para promover um ensino de qualidade e ainda aumentar a oferta para a população. Assim, vem se desenvolvendo, constituindo e se fortalecendo uma nova forma de ensinar. Não mais aquela maneira “tradicional” de ensino, uma diferenciada, porém embasada em objetivos claros e bem definidos, ou seja, propiciar uma formação profissional de qualidade, principalmente para aquelas pessoas com maiores dificuldade em frequentar uma universidade. Dificuldades estas, de diferentes origens, contudo, alimentam e embasam alternativas como essa de “fazer chegar a Educação” nos lugares onde ela é mais deficitária. Como destaca Fontana (2006) a educação à distância surgiu no século XX impulsionado pelos meios de comunicação e transporte, tendo início na Europa e Estados Unidos através do ensino por correspondência. De acordo com Otto Peters (1983 apud FONTANA, p.1) “a EAD é uma forma de estudo complementar a era industrial e tecnológica, ou seja, uma forma industrial de educação”. Nessa perspectiva, ela apresenta-se fundamentada no modelo industrial fordista, que segundo o autor, possui características como a racionalização, a divisão do trabalho, a produção em massa, a crescente mecanização e a automação de tarefas. Contudo, seu ponto positivo se refere justamente às inovações que sua metodologia informatizada proporciona, bem como os métodos de ensino diferenciados que utiliza.

         Diante disso, a partir da década de 80 alguns autores iniciaram movimentos de crítica a apropriação do sentido dado ao ensino à distância até então. Assim, por aproximadamente uma década existiram duas linhas de pensamento sobre a EAD: a primeira embasada nos fundamentos fordistas e capitalistas, e a segunda que visava um ensino mais humanista e emancipatório. Entretanto, as transformações nos cenários político, econômico e social suscitaram a unificação das duas perspectivas numa única, seguindo os moldes mais críticos e reflexivos da segunda linha de pensamento.

         Assim, dentre os objetivos dessa concepção de ensino destaca-se a promoção da autonomia do aluno, isto é, possibilitar a aprendizagem individual destes no enfrentamento de situações adversas, na tomada de decisões, no sentido de que o educando adquira a sua própria iniciativa para alcançar o seu desenvolvimento pessoal e profissional. Promover a reflexão crítica dos alunos é um dos grandes desafios dessa concepção educativa, tendo como ponto de partida os conhecimentos e conteúdos de determinada área, esclarecendo a necessidade de termos uma visão crítica dos fatos e informações disseminadas em nossa sociedade. Portanto, como salienta Rech (2006, p.1) a EAD “pode contribuir para um processo mais flexível e autônomo”. Todavia, como esclarece Pretti (2005 apud RECH, 2006) é importante que esse movimento não se atinja apenas o campo teórico e discursivo, além disso, o autor expressa sua preocupação com o equívoco de sentido atribuído ao termo autonomia, por vezes relacionado com autodidatismo, capacidade de estudo por conta própria. Para o autor, somente isso, não fundamenta os pressupostos da autonomia. No olhar de Fernandes et al. (2004) a autonomia representa a possibilidade dos aprendizes se apropriarem do conhecimento, a fim de refazê-lo de forma crítica, em busca de superarem o senso comum e serem capazes de modificar a cultura da sociedade.

 

 

Descrição do trabalho desenvolvido

         O trabalho de tutoria foi realizado no Curso de Especialização em Gestão Educacional da UFSM em parceria com a Universidade Aberta do Brasil. Para fundamentar nossa atuação nos foi oportunizado um curso de Capacitação de Tutores. Este incluiu várias atividades formativas, tanto no que se refere à “metodologia” EAD como no ensino de utilização dos mecanismos informatizados.

         A disciplina em que atuei denomina-se “Fundamentos Filosóficos, Políticos e Sociais da Gestão Educacional”, mais especificamente com alunos que frequentavam o Pólo de Palmas/TO. Este trabalho foi realizado de maneira coletiva, envolvendo: professores, tutores à distância, tutores presenciais, coordenador do curso, coordenador do Polo e os alunos. As aulas iniciaram em março de 2008 e terminaram em maio de 2008, de forma que a metodologia empregada nesta modalidade de ensino ainda não possui um campo teórico formado, assim, cabe aos professores e tutores construírem seus próprios métodos.

         As atividades foram propostas de formas variadas: leitura e confecção de resumos, ensaios, resenhas, fórum de discussões, chats. Apesar de não termos tido encontros presenciais com os alunos, estávamos sempre mantendo contato, através da Plataforma com “O Programa Moodle”, por e-mail ou em salas de bate-papo. O conhecimento que socializamos e construímos foi muito válido para minha formação, e pela a avaliação que fiz deles, para a sua formação também. Infelizmente, um ponto negativo dessa experiência foi às cópias de trabalhos da internet. Para superar esse problema, fiz um texto explicativo com as normas da universidade, enfatizando que eles podem e devem utilizar artigos selecionados em revistas comprometidas com a produção do conhecimento em educação, porém precisam saber utilizá-los de forma correta e incluí-los nas referências dos trabalhos. Outro aspecto negativo a destacar, diz respeito à não freqüência de 16 alunos, de um total de 46. Esses primeiros nunca entraram em contato comigo, nem com a tutora presencial. Este fato, revela um certo descaso por parte desses professores, sendo que muitas pessoas gostariam de cursar uma Especialização.

 

 

Considerações finais

            Essa prática docente à distância representou um grande desafio em minha trajetória profissional, é um trabalho ainda recente em nosso país, possui ainda muitas dificuldades, mas nada que supere os problemas reincidentes do longo caminho construído na educação presencial. As diferenças regionais e culturais também propiciaram um conhecimento rico em torno das imagens, linguagens, valores e significados que os alunos socializavam nas atividades propostas, bem como nas conversas.

            A importância de refletirmos, discutirmos e (re)construirmos alternativas educacionais a serem desenvolvidas com alunos de todo país, se dá pela necessidade de melhor desempenharmos com qualidade nossa função docente, como profissionais que realmente se preocupam com a Educação brasileira. Seja à distância ou presencial o ensino merece receber atenção e incentivos constantes em busca da superação de processos formativos alienantes com vistas apenas a suprir dados quantitativos de muitas políticas públicas implantadas em nosso contexto educacional. 

 

REFERÊNCIAS

 

FERNANDES, C.M.B. et al. Autonomia e conhecimento: algumas aproximações possíveis entre Antônio Gramsci e Paulo Freire a partir de práticas pedagógicas emancipatórias. Caderno de Educação, v.29. n.2, Santa Maria: Editora da UFSM, 2004.

FONTANA, H.A. Uma filosofia para a educação à distância. Anais… In: II Seminário Nacional de Filosofia e Educação – Confluências, 2006, Santa Maria, RS. CD ROM. Santa Maria, RS: UFSM, 2006. v.1. p.1-1.

GARCÍA, C. Formação de professores: para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 1999.

______. A formação de professores: novas perspectivas baseadas na investigação sobre o pensamento do professor. In: NÓVOA, A. (Coord.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1992. p.51-76.

GÓMEZ, A. P. O pensamento prático do professor. In: NÓVOA, A. (Coord.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1992. p.93-114.

RECH, R.A. Educação a Distância e Formação de Professores. Revista Partes: São Paulo, ano V, p.1-1, 2006. Acesso em: 20/07/2008. Disponível em: http://www.partes.com.br/educacao/educacaodistancia.asp.

* Especialista em Gestão Educacional e Educação Física Escolar na UFSM; Mestranda em Educação na UFSM. fran.ef@pop.com.br

 

Post Author: partes