Blindagens do real

Chega de blindagens do real. O ser blindado perdeu sua identidade e suas referências. Não há ação social efetiva com seres desvinculados de um cotidiano violento e inseguro.

O primeiro movimento de fuga -sob o manto da “proteção” -foi o realizado pelas elites, já na década de 1980 e mais acentuadamente na década de 1990, deslocando-se para os chamados bairros “alfaviles” e seus similares. Preocupados com a violência, os assaltos e a insegurança pública, esta parcela da sociedade preferiu encastelar-se em suas mansões protegidas por seguranças, cercas elétricas, câmaras etc. Pensaram que a arquitetura do isolamento acabaria com seus problemas. Ledo engano.
A pobreza e a exclusão permaneceram. Pior, em muitos lugares mesmo com todo este aparato de segurança, os casos de assaltos, arrombamentos e invasões de condomínios persistiram. A arquitetura cedeu seu lugar para uma espécie de antropofagia urbana, onde os mais fortes vão comendo os mais fracos.
Outro movimento foi – e está sendo realizado em escala acentuada – o da blindagem dos automóveis isolando os indivíduos, tornando-os um estranho no meio da urbe. Reclusos numa atmosfera de ar condicionado, luxo desigual, blindagem dos vidros, alarmes e seguranças: tudo como uma imagem virtual.
De nada adiantou… de que adianta?
Enquanto estes senhores e blindam e levam seus filhotes de cachorros para “pets” e lá deixam cerca de R$ 1.000,00 por mês para manter este mimo. Nada contra tratar bem os animais domesticados. Lá fora, as crianças pedem o mínimo… Quanto custa uma doação para uma instituição séria que contribui para melhorar a qualidade de vida destas pessoas, dando-lhes cidadania e dignidade?
Lá na ponta, na periferia, muitas associações precisam e pedem ajuda para se manter e tentar tirar da exclusão centenas de crianças e adolescentes da marginalidade. Uma luta dura, séria e geralmente sem recursos. Quanto custa uma criança na escola? Quanto custa tirá-la da marginalidade? Uma ação aqui outra ali, mas é muito pouco.
A elite prefere dizer que isto é problema do Estado… Prefere remeter ao sistema corrompido as mazelas da sociedade.
O Estado já sabemos o que não faz…
Enquanto isto vejo na TV que um trabalhador no Piauí, recebe R$ 5 reais por dia (R$ 200,00 por mês) para derrubar folhas de carnaúba e alimentar um rico negócio lá na outra ponta da escala de produção. Trabalho duro efetuado das 5 horas da madrugada até as 14 horas do dia sob sol ardente. E este trabalho só durará 4 meses, nos outros o trabalhador estará desempregado. R$ 1.000,00 (o valor do gasto no pet-shop) representa o que este trabalhador vai receber durante cinco meses de intenso trabalho debaixo do sol escaldante do Norte.
Os seres blindados da realidade, não sentem as agruras do real, muito menos o sol escaldante do Norte (a não ser em seus espirituosos passeios turísticas de “aventura”). Estes sujeitos blindados são como seres vivendo numa espécie de “second life”: preferem viver uma “realidade fabricada”. Só se dão conta quanto a violência bate na sua porta. A blindagem não é só no carro, parece já ter chegado no corpo, na alma.
Digamos que cansei sim, cansei da hipocrisia das elites que preferem isolar em “sua realidade” e ignorar a verdade real e não enfrentar o desafio da exclusão e da diminuição da violência.
A culpa é sempre dos outros. Nunca nossa.

publicado em 08/10/2007 – www.partes.com.br

Post Author: revistapartes