Homens que amam demais: cuidado no relacionamento!

Entrevista com Tatiana Ades, por Gilberto da Silva

publicado em 02/04/2009

 

Tatiana Ades, teatrologa, dramaturga e estudiosa do comportamento humano (principalmente o amor).
Mais sobre Tatianna
Esse ano estou me formando como psicanalista e pretendo atender grupos de pessoas que sofrem por amor, além de conceder palestras e cursos sobre o tema.
A pesquisa do livro durou 3 anos e esse ano também sairá o livro para as mulheres codependentes (As Escravas de Eros)
O livro das mulheres poderá ser encontrado no Amazon em português, inglês e espanhol e possui o mesmo tema de Hades, o vício de amar demais(a apartir de julho de 2009) .
Completarei a trilogia com o livro que ainda escrevo: o amor no mundo GLTB

P@rtes – Um machão ama de verdade? Ele pede provas de reciprocidade?

Sim, ele ama e precisa ser amado. Quando vemos um machão, todo estereotipado, fazendo o papel de cafajeste, pouco sabemos que, por trás dessa máscara, existe muitas vezes, um homem que sofre por não conseguir colocar para fora o seu amor, por ter recebido a informação da sociedade de que “homem não pode amar” de que mulher é sexo frágil. Mas aí, ele se depara com o “sexo frágil” e sente-se frágil demais para lidar com ele. A nossa sociedade ainda é muito machista para permitir e admitir que esses homens sintam amor e precisam sim de reciprocidade, carinho e afeto.

P@rtes – Ele faz tudo pelo seu amor?

Veja, essa questão é super importante! O homem “saudável” faz de tudo pela pessoa que ele ama por querer ajudá-la num processo saudável de reciprocidade. Já o HADES, faz de tudo com o propósito de não perdê-la de jeito algum, pois essa mulher é vício e ele não quer cair na abstinência tão sofrida da separação. Esse “fazer demais do HADES é um fazer de tudo pelo outro para que o vazio dele seja preenchido num processo inconsciente. (o amor é dado em exagero como forma de sobrevivência)

P@rtes – O que caracteriza um Hades? Quais as principais características do HADES:

-Baixa autoestima

-Segue um padrão de comportamento egoísta, mas inconsciente, buscando no amor uma forma de “preencher vazios” e não de troca. (comportamento que vem desde a infância, pois a repetição de padrões é muito nítida nesses homens)

-Ele ama desesperadamente e doa-se mais de 50%, ou seja, muito mais do que a parceira.

-Ele tem um histórico familiar de dependência química, abuso, negligência.

-Ele sente na ausência da mulher “amada” e “idealizada” uma abstinência igual a abstinência do viciado em cocaína, espasmos, dores no corpo, depressão, vontade de suicídio e a incapacidade de lidar com a perda.

-Ele preenche todo esse vazio da abstinência, colocando outra mulher em sua vida, mas essas mulheres são sempre problemáticas (um Hades acha uma mulher “normal” muito enfadonha e chata).

-Ele segue um padrão de comportamento que presenciou na infância e quer modifica-lo quando adulto, entrando num ciclo vicioso de amores destrutivos e sempre dizendo: “eu mudarei a mulher que amo”.

P@rtes. Como saber que homem se encontra num estágio doentio? Como e onde procurar ajuda?

Os homens precisam prestar muita atenção no grau de sofrimento que um amor está lhe causando. A partir do momento que ele está num relacionamento e sente-se infeliz, cansado, mas não consegue sair fora, ele já precisa de ajuda.

Se ele sente que está se doando de forma exaustiva e por algum motivo está sempre inquieto, com um ciúmes exacerbado, paranoia de que ela possa estar traindo, falta de atenção em tudo na vida, colocando-a no centro de sua vida, ele está doente e precisa de ajuda.

Se ele sente que está se afastando de amigos, não praticando atividades que gosta, cada vez mais isolado e obcecado pela parceira querendo modificá-la e justificando -a qualquer preço, ele está doente e viciado em amor (codependente)

Para ajudar esses homens sugiro os grupos de apoio anônimos (dasa) – dependentes de sexo e amor anônimos e para quem mora em São Paulo, o HC oferece ajuda gratuita para quem sofre por amar demais.

Estarei em breve abrindo os grupos de Hades (para homens dependentes de amor), já conseguimos o 1 grupo na Bahia e muito em breve trarei essa possibilidade para São Paulo.

P@rtes. Você fala emcegueira emocional“. Que efeitos este comportamento pode provocar no homem e em seus relacionamentos?

Culpa

Justificar a mulher que o trai ou que tem uma atitude antissocial como aceitável

Acreditar que ele é o único ser humano capaz de modificar a parceira

Envolver-se em jogos doentios e perigosos (muitas vezes eles buscam a mulher amoral ou problemática demais)

É importante ressaltar que, se a parceira não possuir padrões doentios, ela nunca ficará com um hades, mas caso seja essa mulher doente também, haverá o processo simbiótico e a codependencia-processo aonde dois seres dependem do vicio e dos problemas do outro para conseguirem seguir em frente.

P@rtes – Na sua opinião, o que é o Amor? Como é estabelecida uma relação amorosanormal“?

O amor saudável é aquele aonde duas pessoas estão juntas com o objetivo real de troca, não há dominador e submisso, não há jogos de poder, não há vício pela pessoa amada, o que existe é respeito, admiração, vontade de ver o outro (a) crescer, vontade de ter, mas não de “possuir”, saber trocar sem cobrar, saber receber, doar-se 50% e receber 50, sabendo que sempre é difícil sustentar uma relação, mas estando dispostos a enfrentar juntos os problemas, a fazer do amor algo saudável.

Amor não foi feito para doer …quando dói é porque não é amor real.

Gilberto da Silva é jornalista e sociólogo. É editor da Partes.

P@rtes- Quais são as bases para um relacionamento saudável?

Respeito

Confiança

Credibilidade

Assumir 50% das responsabilidades e receber em troca os outros 50%

Querer ver o outro bem

Sentir-se bem ao lado do outro

Ter uma autoestima elevada

Saber que somos a pessoa mais importante de nosas vidas e ter um “egoísmo saudável”

Saber doar

Saber receber

Não buscar o vicio do amor e sim o amor real

Amar a pessoa e não “o amor” como sentimento único para a felicidade.

Post Author: partes