Para quem eu trabalho?

 

Para quem eu trabalho?

Por Marcelo Gonçalves*

         Vivemos um momento em que o mercado de trabalho está cada vez mais competitivo. Algumas qualificações profissionais consideradas diferenciais no passado passaram a ser obrigatórias. Possuir fluência em inglês, MBA, pós-graduação e outros cursos de especialização já não é mais garantia de empregabilidade. Então, como construir uma carreira sólida, sustentável e que, independente do atual emprego, permita ao profissional se manter ocupado?

         Antes de responder à pergunta anterior, devemos nos perguntar: Para quem eu trabalho?

         Muitos responderão o nome do seu líder ou da empresa. E é nesse exato momento que começamos a notar a diferença entre um profissional com uma carreira de sucesso e outro que apenas sobrevive às diversas crises.

         Enquanto o profissional não mudar sua forma de pensar e parar de considerar que trabalha para “alguém”, é muito provável que ele se sinta explorado, ou comece a refletir diversas vezes durante o dia que não é remunerado adequadamente para uma determinada ocupação. Dessa forma, é inevitável que tire o pé do “acelerador”, fazendo o mínimo possível para não ser disponibilizado ao mercado, termo que prefiro utilizar em lugar de demitido.

         Então, a resposta não parece simples, mas é importante pensar em quem é o responsável pelo seu Curriculum Vitae (CV). Certamente, a partir daí, você poderá chegar à conclusão de que a cada dia construímos um pouco mais nosso CV. Dessa forma, se deixar de produzir um dia, não tenha dúvidas de que amanhã vai acordar valendo o mesmo que hoje, entretanto, estará menos competitivo, pois novos profissionais ingressam todos os dias no mercado de trabalho e provavelmente trazem experiências que você deixou de adquirir.

         Não há segredos: somos remunerados pelo conhecimento que temos e, principalmente, pela forma como utilizamos esse conhecimento. É importante destacarmos que caso você receba uma proposta para a qual será remunerado por um valor muito superior ao que sabe que “vale” no mercado, não pense apenas que tirou a sorte grande, pois é muito provável que existirão riscos e, infelizmente, por olhar apenas para o salário, não conseguirá percebê-los, entrando em uma “linda piscina gelada”.

         O profissional que quer construir uma carreira sólida e conquistar o sucesso sustentável deverá ter sempre em seus pensamentos a importância de se ser paciente para esperar o momento certo de ser promovido; respeitar a todos colaboradores, independente do cargo que ocupam; ter postura para servir como exemplo e referência; estudar muito e motivar a equipe para que faça o mesmo. Dessa forma, terá tudo para construir uma carreira de sucesso, mas que poderá ser bruscamente interrompida se o profissional pensar que é simplesmente o cargo que ocupa.

         Construa tudo isso, mas nunca aja com arrogância, pois a soberba mata a carreira de qualquer profissional. Ética, transparência e dedicação são três palavras simples, mas que fazem a maior diferença.

 

*Marcelo Gonçalves é sócio-diretor da BDO Trevisan.

  


Colega jornalista,

Para eventuais pedidos de entrevista com profissionais da BDO Trevisan sobre o tema do release  e do artigo acima ou sobre outros assuntos, entre em contato conosco. Caso publique ou divulgue as informações, por favor, avise-nos, se possível, respondendo a este e-mail para que possamos manter nosso clipping sempre em dia

Um grande abraço,

Carlos Brazil 


BDO Trevisan Auditores Independentes

Assessoria de Imprensa – Ricardo Viveiros & Associados – Oficina de Comunicação

Jornalista responsável – Carlos Brazil (MTb 24.098)

Tel. 11 3138-5308 – Cel. 11 9347-4901 – e-mail carlos.brazil@bdotrevisan.com.br

Supervisor – Augusto Diniz (MTb 16.453)

Tel. 11 3675-5444 – e-mail augusto.diniz@viveiros.com.br

www.bdotrevisan.com.br

 

 

Post Author: revistapartes