Resenha: A formação da classe operária

Resenha
Singer, Paul, 1932- A formação da classe operária. São Paulo, Atual, 1994 (Discutindo a História)

Paul Singer, economista, sociólogo, militante do PT (Partido dos Trabalhadores), aproveita seu passado de metalúrgico, nos anos 50, para escrever este pequeno livro sobre a formação da classe operária, da qual se considera pertencer.
Singer, autor de diversos livros sobre economia política, entende a classe operária enquanto ao conjunto de pessoas desprovidas de “propriedade ou de qualquer fonte de renda e que, por isso, são obrigados a usar a sua capacidade de trabalhar, isto é, a vender a sua força de trabalho para poder viver. São os trabalhadores assalariados.”
Demarca as diferenças entre o proletariado e a pequena burguesia, que nem todo assalariado é proletário, pois existe os assalariados burgueses (chefes, grandes dirigentes, presidente de firmas etc), que nem todo operário seja pobre etc.
Retoma sinteticamente a formação histórica da classe operária desde a primeira forma histórica de produção capitalista, a manufatura, que conviveu não apenas com o artesanato.
Tendo como base a proletarização do campesinato, ou seja, os camponeses em várias situações distintas tornaram-se operárias, a formação da classe operária industrial apresentou características diferentes em vários países. Singer esboça em poucas linhas a trajetória, desde o último quartil do século XVIII, a Revolução Industrial (processo de industrialização que está até hoje em marcha no Terceiro Mundo). Foi uma série de mudanças tecnológicas econômicas e sociais, induzidas pela Revolução Industrial.
Paul Singer utiliza a metodologia de análise marxista para descrever o processo de revolução industrial, a passagem da manufatura para a produção industrial. Constituí-se o processo de substituição do homem pela máquina, que não foi pacífico e sim traumático, com muitas revoltas e movimentos contra a utilização das máquinas nas indústrias.
A Revolução Industrial propiciou do ponto de vista tecnológico a aplicação da energia do vapor a máquina e daí surgiu a fábrica, do ponto de vista econômico acarretou um aumento contínuo e incrivelmente rápido da produtividade do trabalho.
Do ponto de vista social a Revolução Industrial produziu a hegemonia capitalista na produção social e o seu produto histórico- o capitalismo industrial.
Em suma, o livro de Paulo Singer é um painel detalhado da história da formação da classe operária no mundo. Uma formação que de início difundiu-se a outros países, a internacionalizar.

Post Author: revistapartes