Acréscimos e diminuições no Novo Testamento

Max Leandro de Araújo Brito (1)

publicado em 31/03/2010 como <www.partes.com.br/emquestao/novotestamento.asp>

 

Max Leandro de Araújo Brito é especialista em Educação a Distância pela Faculdade de Tecnologia e Ciências – FTC, e bacharel em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN. E-mail: maxlabrito@yahoo.com.br .

O Livro “O que Jesus Disse? O que Jesus não Disse?” (2006) foi escrito por Bart D. Ehrman, um importante crítico textual do Novo Testamento bíblico. Nessa obra ele aponta situações dos livros de Mateus, Marcos, Lucas e João, dentre outros, onde Jesus pode não ter falado determinadas palavras ou pode não ter realizado determinadas ações. Trata-se de um livro voltado para a crítica textual bíblica contribuindo para quem deseja solucionar algumas indagações a respeito da origem dos textos que formam o Novo Testamento.

O autor inicia com uma breve autobiografia, onde apresenta as instituições onde estudou, sua experiência de vida no mundo acadêmico e suas diferentes visões da Bíblia e da fé ao longo dessa jornada.

Em seguida são mostrados os principais tipos de erros encontrados nas traduções dos textos bíblicos, principalmente erros dos copistas, que escreviam de forma errada, omitiam ou acrescentavam palavras aos textos. São apresentadas possíveis justificativas para o acontecimento das alterações nos escritos.

Logo após é feita a apresentação do contexto histórico dos séculos I, II, III e VI depois da morte de Cristo. Nesse momento são apresentadas as opiniões, pensamentos, atitudes, hábitos e costumes de novos cristãos, ateus, romanos, agnósticos, hereges. É revelado como nesses séculos várias opiniões/interesses em relação ao divino, costumes, ideologias se chocavam.

Por último o autor mostra erros encontrados na Bíblia como um clássico do livro de Marcos. Nesse livro, que não se conhece o término, Bart informa que o versículo “ide por todo mundo e pregai o evangelho a toda criatura” não foi genuinamente dito por Jesus. Como o livro possivelmente terminava com a passagem que mostrava Maria Madalena e outras mulheres vendo que Jesus não se encontrava mais no túmulo, talvez copistas machistas dos primeiros séculos depois de Cristo tenham dado uma finalização mais adequada ao texto e consequentemente ao livro de Marcos. Erros como esse impactam na interpretação e compreensão do Novo Testamento na atualidade.

Ehrman realmente mostra alguns textos que Jesus disse, outros que Ele não disse e revela um Novo Testamento que pode ter mais erros e contradições do que palavras. É um verdadeiro desencorajar para quem não lê a Bíblia com cuidado e acredita cegamente em cada palavra das traduções atuais, não prestando atenção nos sentidos gerais dos textos (que não foram totalmente – pelo menos se acredita – modificados). O autor chama a atenção para a necessidade de se procurar textos originais mais confiáveis para se ter traduções mais fidedignas na atualidade.

Sabendo-se que o Brasil é um país de maioria cristã, vê-se que muitos acreditam que Jesus não deixaria ser escrito algo que depois gerasse dúvidas. Mas como o próprio autor coloca, a Bíblia foi escrita por humanos, e dessa forma tem o direito de ser tão passível de deformações quanto eles. Portanto, o livro tem um caráter polêmico.

No geral, a linguagem utilizada no livro é bastante acessível, podendo ser acompanhada tanto por leigos quanto por teólogos, historiadores, arqueólogos.

 

 

Referência:

EHRMAN, B. D. O que Jesus disse? O que Jesus não disse?: Quem mudou a Bíblia e por quê. São Paulo: Prestígio, 2006. 248 p.

 

1 Especialista em Educação a Distância pela Faculdade de Tecnologia e Ciências – FTC, e bacharel em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN. E-mail: maxlabrito@yahoo.com.b

 

Como citar esta resenha: BRITO, Max Leandro de Araújo Brito. Acréscimos e diminuições no Novo Testamento. P@rtes, São Paulo, 2010. Disponível em: <http://www.partes.com.br>. Acesso em:

Post Author: partes