Humanização dentro do contexto hospitalar

Fotos: Ricardo Puppe/Secom-PB

Débora Castro Magalhães*; Adalberto Romualdo Pereira Henrique**

publicado em 17/07/2010 como <http://www.partes.com.br/emquestao/humanizacaohospitalar.asp>

 

Adalberto Romualdo Pereira Henrique é acadêmico do 7º período do curso de Terapia Ocupacional pela FAMINAS – Faculdade de Minas / Minas Gerais.

Resumo

Devido aos excedentes fazeres práticos e a falta de tempo para executá-los, o presente estudo pretende abordar a possibilidade de exercer um programa de humanização dentro do contexto hospitalar.

Palavras-chave: Humanização, contexto, hospitalar

 

Resumen

Debido al exceso de obras práxica y la falta de tiempo para su ejecución, este estudio pretende abordar la posibilidad de ejercer un programa de humanización en el contexto hospitalario.

Palabras claves: Humanización, el contexto, el hospital

 

 

Introdução

 

O termo “humanização” tem sido empregado constantemente no âmbito da saúde. É á base de um amplo conjunto de iniciativas, designando a forma de assistência que valoriza a qualidade do cuidado do ponto de vista técnico, associada ao reconhecimento dos direitos do paciente, de sua subjetividade e cultura, além do reconhecimento do profissional, tal conceito pretende-se norteador de uma nova práxis na produção do cuidado em saúde.

Segundo Martins (2001), a humanização é um processo amplo, demorado e complexo, ao qual se oferecem resistências, pois envolve mudanças de comportamento, que sempre despertam insegurança. Os padrões conhecidos parecem mais seguros; além disso, os novos não estão prontos nem em decretos nem em livros, não tendo características generalizáveis, pois cada profissional, cada equipe, cada instituição terá seu processo singular de humanização.

O processo de hospitalização é de grande sofrimento e angústia tanto para o paciente, quanto para a família. Quando o paciente é submetido á internação depara-se com o fato de que seu corpo está em déficit, de que suas possibilidades estão diminuídas, e consequentemente, de que sua vida, está fugindo do controle, o que faz com que ele fique dominado pelo medo e pelos sentimentos de incapacidade e de tristeza.

Para Pessini (2002) é possível e adequado para a humanização se constituir, sobretudo, na presença solidária do profissional, refletida na compreensão e no olhar sensível, aquele olhar de cuidado que desperta no ser humano sentimento de confiança e solidariedade.

Uma das características da humanização hospitalar é a autonomia do paciente, de maneira que ele possa participar das decisões sobre o tratamento a ser realizado, o ambiente em que vai permanecer durante seu internamento, o que ele irá comer, quando e como irá dormir.

 

 

Objetivos

Analisar o processo de humanização hospitalar em termos físicos, estruturais e no que se refere a equipe multiprofissional, fazendo uma reflexão sobre o “Ser” biopsicossocial dentro deste contexto.

 

 

Objetivos Específicos

– Analisar o contexto hospitalar, delimitando a qualificação e a capacitação dos profissionais, que se propõe a atuar junto a um programa de humanização;

– Nortear os aspectos existentes na atuação multiprofissional, a fim de se detectar as abordagens que contribuirão para um processo de humanização;

– Ponderar as estratégias traçadas pela instituição hospitalar em prol do processo de humanização;

– Demonstrar a contribuição de um ambiente humanizado para o processo de recuperação do indivíduo.

 

 

Humanização

 

O movimento de humanização nos hospitais não somente está voltado para o processo de educação e treinamento dos profissionais de saúde, mas também para intervenções estruturais que façam a experiência da hospitalização ser mais confortável para o paciente.

Hoje, devido à humanização nos hospitais realizada por profissionais, pacientes e familiares, estes últimos encontram no centro hospitalar um lugar que ameniza o sofrimento e diminui a tensão vivida por eles, durante o processo de tratamento. Com a proposta de melhorar a qualidade do atendimento, muitos hospitais vêm aderindo ao trabalho voluntário para minimizar os efeitos que as doenças provocam nos pacientes. O trabalho voluntário em hospitais é um dos fatores fundamentais para a humanização do atendimento. Ele dá suporte emocional aos pacientes, além de ser facilitador do trabalho dos departamentos clínicos e administrativos dos hospitais.

Por tais motivos o presente estudo se justifica por refletir sobre como estes aspectos interferem na saúde do indivíduo dentro do contexto hospitalar, podendo levar a outros profissionais e ao meio acadêmico-científico reflexões da importância de um programa de humanização hospitalar.

 

 

METODOLOGIA

 

O presente ensaio se trata de um estudo exploratório e comparativo, sendo que este tipo de pesquisa “(…) busca apenas levantar informações sobre determinado objeto” (SEVERINO, 2008, p.123).

A pesquisa terá um caráter qualitativo, com levantamento bibliográfico, baseando-a em uma corrente metodológica humanista.

Optou-se pela metodologia qualitativa, pois todas as pessoas que participam da pesquisa são reconhecidas como sujeitos “que elaboram e produzem práticas adequadas para intervir nos problemas que identificam” (CHIZZOTTI, 2003, p.83).

Segundo Vietta (1995) “o humanismo tende a tornar o homem verdadeiramente mais humano, manifestando sua original grandeza através de sua participação em tudo que pode enriquecê-lo na natureza e na história” (p. 32).

Foi escolhido como público alvo 20 funcionários, profissionais de saúde, de dois hospitais de Muriaé-MG.

A coleta de dados em loco terá a duração de 6 meses (janeiro a junho de 2010), durante trinta minutos, uma vez por semana. Para esta coleta serão utilizados dois instrumentos (ANEXO C) não estruturados (entrevistas não diretiva) com perguntas abertas a fim de se alcançar o objeto de pesquisa. A entrevista será elaborada pela pesquisadora.

Antes do início da pesquisa, serão utilizados um termo livre e esclarecido (ANEXO A) em duas vias, sendo uma para a pesquisadora e a outra para o voluntário da pesquisa, e um termo de autorização (ANEXO B) que deva ser assinado pelo responsável das instituições supracitadas. Este projeto será apresentado para apreciação do Comitê de Ética da FAMINAS, após o aceite dos voluntários e a liberação do Comitê, a presente pesquisa em loco dará início.

Para orientação no processo de análise e discussão dos dados será utilizada a metodologia de Bardin (2002), como referência principal para a análise de conteúdo, no qual diz a autora ser: “(…) um conjunto de técnicas de análise das comunicações que utiliza procedimentos sistemáticos e objetivos de descrição do conteúdo das mensagens” (p.13).

 

 

HIPÓTESE

 

A falta de tempo para executar os afazeres práticos no ambiente hospitalar interfere na execução do programa de humanização.

O programa de humanização hospitalar auxilia no processo de recuperação do indivíduo.

Uma instituição com programas que modificam o ambiente do contexto hospitalar torna a hospitalização menos impactante para o paciente.

 

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

A presente pesquisa associada aos demais estudos relacionados á humanização em contextos hospitalares, poderão levar a reflexão do quanto é importante analisar o sujeito como um “Ser” biopsicosocial dentro de uma abordagem mais humanizada, considerando-o como um todo e não somente voltar o olhar sobre a doença, levando desta forma suavizar o impacto causado pela hospitalização.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

BACKES, D.S.; LUNARDI, V.L. LUNARDI FILHO, W.D. A humanização hospitalar como expressão da ética. Revista Latino-Americana de Enfermagem. v. 14. n. 1. Ribeirão Preto, jan./fev. 2006.

De Carlo, M. M. R. do P. de; LUZO, M.C. de M. Terapia Ocupacional: Reabilitação Física e contextos hospitalares. São Paulo: Roca, 2004.

De Carlo, M. M. R. do P. de; Queiroz M. E. G. de. Dor e Cuidados Paliativos- Terapia Ocupacional e Interdisciplinariedade. São Paulo: Roca 2004.

DESLANDES, S. F. Análise do discurso oficial sobre a humanização da assistência hospitalar. Ciência & Saúde Coletiva. v. 9. n. 1. Rio de Janeiro, 2004

VILA, V. da S. C.; ROSSI, L. A. O SIGNIFICADO CULTURAL DO CUIDADO HUMANIZADO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA: “MUITO FALADO E POUCO VIVIDO”. Rev. Latino-Am. Enfermagem. v.10 n. 2. Ribeirão Preto, mar./abr., 2002

WILLARD&SPACKMAN. Terapia ocupacional. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan, 2002.

 

 

*Débora Castro Magalhães e ** Adalberto Romualdo Pereira Henrique são acadêmicos do 7º período de Terapia Ocupacional pela FAMINAS/Muriaé-MG.

 

adalbertofaminasto@yahoo.com.br

 

Como citar:

HENRIQUE, Adalberto Romualdo Pereira. Humanização dentro do contexto hospitalar. Revista P@rtes (São Paulo). ISSN 1678-8419 V.00. P.eletrônica. Julho de 2010. Disponível em <>

Post Author: partes