Utilização de casos para ensino

Marcela Figueira de Saboya Dantasi; Max Leandro de Araújo Britoii; Maria Valéria Pereira de Araújoiii

publicado em 01/11/2010 como www.partes.com.br/educacao/casosparaensino.asp

 

Marcela Figueira de Saboya Dantas é graduanda em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN. E-mail: marcela_saboya@yahoo.com.br

Resumo: A pesquisa objetiva apresentar pontos relevantes na utilização do método de casos em sala de aula. Para tanto, é concebida a revisão da literatura sobre casos para ensino e métodos de ensino associada à pesquisa qualitativa através de análise de conteúdo. Ao final apresenta como relevantes na utilização do método de casos pontos como reflexão, envolvimento dos discentes, o aprimoramento da comunicação, a tomada de decisão reflexiva.

Palavras-chave: Casos para ensino; Ensino; Reflexão.

Abstract: The research aims to present relevant issues in the use of case method in the classroom. Therefore, it is designed to review the literature on teaching cases and teaching methods associated with qualitative research using content analysis. Presented at the end as relevant to the use of case method aspects such as reflection, involvement of students, improved communication, decision making reflective.
Keywords: Case method; Education; Reflection.

Introdução

O uso do método de casos para ensino em sala de aula possibilita uma maior compreensão dos alunos em relação às organizações e o ambiente em que estão inseridas, desenvolvendo habilidades e atitudes essenciais para as formas de gerenciamento de uma empresa, levando o aluno a um processo decisório, conforme situação exposta no caso. Além disso, a aplicação dos casos é uma proposta expositiva da realidade, são acontecimentos possíveis ou muitas vezes reais.

Max Leandro de Araújo Brito é mestrando em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN. E-mail: maxlabrito@yahoo.com.br

De acordo com Roberts (2004) o método de caso foi usado pela primeira vez em 1908, em cursos de Direito Comercial da Harvard Business School, EUA; a qual continua sendo o maior centro difusor do método. Já no Brasil a utilização deste não é consagrada, poucos professores utilizam-no, preferindo o uso de casos-demonstração, mas muitas vezes nem conhecem o método de casos para ensino.

O uso de casos-demonstração difere dos casos para ensino, nesses são relatadas práticas gerenciais ou resultados que ocorreram, geralmente, em organizações reais, para exemplificar algum assunto abordado durante as aulas, enriquecendo o conteúdo exposto, demonstrando uma forma correta ou errada de lidar com algum problema específico. Já nos casos para ensino existe um relato, no entanto esse não é concluído, dando espaço para quem o estuda argumentar qual seria a melhor postura a ser tomada acerca do problema, ou seja, o caso para ensino não é apenas uma descrição de um evento, ele contém uma história que precisa ser finalizada. Roesch (2007) afirma que o texto de um caso para ensino deve ser capaz de atrair o leitor e animar a discussão do caso, o caso ideal possui relato vívido, revela conflitos e até contém um pouco de mistério. Esses são fatores que levam os estudantes a intensificarem seu interesse no caso e se empenharem mais em solucioná-lo, melhorando o aprendizado.

Sabendo-se desse contexto surge o seguinte problema: quais pontos são relevantes na utilização do método de casos em sala de aula?

Para tentar responder ao questionamento, essa pesquisa tem por objetivo apresentar pontos relevantes na utilização do método de casos em sala de aula. Dessa forma, a pesquisa, quanto à ciência, é teórica, pois trata-se da análise da literatura existente sobre o assunto; exploratória (ROESH, 2005); predominantemente qualitativa. Os dados foram obtidos de forma secundária pelos pesquisadores através da revisão da literatura que aborda métodos de ensino e casos para ensino. Os dados foram tratados através de análise do conteúdo (BARDIN, 1997).

Métodos de ensino

Maria Valéria Pereira de Araújo é doutora em Administração pela Universidade federal da Paraíba, docente do curso de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. E-mail: valeriaraujo@ymail.com

Para ensinar é necessário mais do que uma boa base teórica, é preciso saber, inicialmente, como se comunicar, de forma a levar os alunos a compreenderem o que é abordado, também é essencial saber como estimulá-los e ajudá-los a relacionar a teoria com o contexto analisado, bem como aceitar o que os estudantes têm a acrescentar ao professor, ou seja, é uma prática que vai muito além do simples ato de informar.

Destaca-se que os métodos se caracterizam por ações conscientes, planejadas e controladas, visando atingir, além dos objetivos gerais e específicos propostos, algum nível de generalização (MACHADO, 2000).

De acordo com Maia, Mendonça e Góes (2005) para que o processo de ensino-aprendizagem, bem como o de avaliação, seja eficaz deve-se levar em consideração o processo de reflexão sobre experiências, juntamente com a abordagem teórica dos métodos pedagógicos, os quais conduzirão ao auto-desenvolvimento, à aprendizagem colaborativa e às aulas com maior interação entre professor e alunos. Atividades experimentais são essenciais para o aprendizado científico.

Observa-se ainda que o método de ensino é a categoria mais dinâmica do processo de ensino-aprendizagem, já que é determinado por objetivos que mudam em função do dinamismo da realidade sociocultural em que o processo está inserido (MACHADO, 2000). É notável a dependência dos meios de ensino disponíveis em seu contexto educativo e, principalmente, das características gerais da clientela a que se dirige (número de alunos, sua idade, seu nível de desenvolvimento prévio, o estrato sociocultural a que pertencem, sexo…).

Portanto, os métodos de ensino representam estratégias e procedimentos através dos quais os professores irão trabalhar os diversos conteúdos com a finalidade de atingir objetivos para a melhor aprendizagem estudantil. O desenvolvimento de métodos pedagógicos tem como objetivo repensar o papel do professor e do aluno no processo de ensinar e aprender, de forma a tirar maior proveito dos assuntos discutidos.

Casos para ensino

A utilização de casos para ensino é uma forma de desenvolver competências profissionais dos estudantes universitários, pois possibilita a relação entre teoria e prática.

Para Braga (2007) o ensino é uma atividade incerta e imprevisível e por isso hoje são necessárias práticas baseadas em reflexão, nas quais professores problematizam diversas situações para os discentes e estes tiram suas próprias conclusões, criando soluções distintas. Ou seja, o uso de casos para ensino auxilia na reflexão das singularidades da prática discente, contribuindo para o exercício do raciocínio profissional.

O uso de casos para ensino na área administrativa objetiva desenvolver habilidade e atitudes que favorecem o sucesso gerencial, bem como familiarizar os discentes com os diversos tipos de organizações existentes e ambientes nos quais estão inseridas, além de ser um excelente método para aulas expositivas. Geralmente envolve decisões complexas que partem de incidentes ocorridos nas organizações, levantando tópicos relevantes para a área debatida permitindo ao estudante exercitar os conceitos aprendidos no ambiente ilustrado (ROESCH, 2007).

Contudo, os casos para ensino permitem ao discente encarar situações que ocorrem no dia-a-dia, são desafios que, se reais, precisariam de soluções, ou seja, as decisões precisam ser corretas. Esse método ajuda os alunos a aprenderem de diferentes maneiras, bem como proporciona a troca de informações em função das discussões para a tomada de decisão, resultando em um ensino diferenciado.

Análise e Considerações finais

Portanto a pesquisa revela que dentre os pontos relevantes na utilização do método de casos em sala de aula podem ser destacados a reflexão que os casos trazem para o ambiente de ensino, o envolvimento dos discentes em situações do ambiente organizacional, o aprimoramento da comunicação em grupo, a tomada de decisão reflexiva.

Para pesquisas futuras sugere-se a aplicação do conhecimento teórico em uma pesquisa empírica, vista a importância de testar e analisar a o método de casos a partir de realidades distintas, o que favorece a descoberta de novas idéias, conceitos.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1997.

BRAGA, M. C. B. Casos de ensino: instrumentos de análise da prática docente. Sitientibus, Feira de Santana, n.36, p.127-142, jan./jun. 2007.

MACHADO, A. V. Métodos e meios de ensino: categorias básicas da Tecnologia Educacional. Revista de Educação Pública, v.9, n. 16, jun./dez. 2000.

MAIA, M. C.; MENDONÇA, A. L.; GÓES, P. Metodologia de ensino e avaliação de aprendizagem. In: Congresso Internacional de Educação a Distância da ABED, 12, 2005, Florianópolis. Anais… Florianópolis: ABED, 2005.

ROBERTS, K. Case development in Europe – na historical perspective. ECCHO – The. Newsletter of the European Case Clearing House, n.32, Primavera 2004.

ROESCH, S. M. A. Notas sobre a construção de casos para ensino. Revista de Administração Contemporânea, v.11, n. 2, p.213-234, 2007.

ROESCH, S. M. A. Projetos de estágio e de pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas, 2005.

i Graduanda em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN. E-mail: marcela_saboya@yahoo.com.br .

ii Especialista em Educação a Distância pela Faculdade de Tecnologia e Ciências – FTC, e bacharel em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN. E-mail: maxlabrito@yahoo.com.br .

iii Doutora em Administração pela Universidade federal da Paraíba, docente do curso de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. E-mail: valeriaraujo@ymail.com .

 

Post Author: partes