Gestão do Conhecimento em ONGs

Elane de Oliveira, Jeanne Christine Mendes Teixeira. Max Leandro de Araújo Brito

publicado em 06/03/2011como www.partes.com.br/terceirosetor/gestaodoconhecimento.asp

Elane de Oliveira é mestranda em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN. E-mail: oliveiraelane@yahoo.com.br

Resumo: A pesquisa objetiva analisar a importância da Gestão do Conhecimento em Organizações Não Governamentais. A metodologia consiste na revisão bibliográfica sobre a importância da Gestão do Conhecimento em ONGs, sendo uma pesquisa qualitativa. A investigação aponta que a Gestão do Conhecimento é importante, dentre outros fatores, por servir como uma ferramenta de baixo custo e essencial para essas entidades visto que ela possibilita amenizar o problema da rotatividade e escassez de recursos de uma forma simples. 

Palavras-chave: Gestão de Conhecimento; Rotatividade, ONGs.

Abstract: The research aims to analyze the importance of Knowledge Management in No Governmental Organizations. The methodology is necessarily a qualitative study consisting of a literature review that discusses the importance of Knowledge Management in NGOs. So, the study found that knowledge management is important, among other factors, to serve as a tool of low cost and essential for these entities as it allows ease the problem of  turnover and shortage of resources in a simple manner. 

Keywords: Knowledge Management; Turnover; NGOs.

Introdução

Jeanne Christine Mendes Teixeira é mestra em Administração e docente da Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN. E-mail: jeanneteixeira@yahoo.com.br

As instituições do Terceiro Setor originaram-se da ação das entidades sem fins lucrativos no Brasil. A partir dos anos 1980, um conjunto de mudanças relacionadas a iniciativas de reestruturação econômica introduziu debates acerca do papel do Estado provocando reformas que desencadearam no fortalecimento das ONGs, e a difusão dessas organizações (SOUZA, 2008).

Atualmente as Organizações Não Governamentais representam um papel muito importante na sociedade, desempenhando funções de prestações de serviços para a sociedade através de ações sociais, relacionadas à educação, saúde e filantropia. Muitas ações desenvolvidas por essas organizações deveriam ser função do Estado, no entanto ele não consegue realizar de forma satisfatória, deixando a lacuna a ser preenchida por organizações do terceiro setor: fundações, ONGs, empreendimentos economicamente solidários etc. As ONGs devem ser compreendidas pelas suas ações produzidas nas esferas públicas que promovem a mediação e articulação na esfera social (FRAGA, 2002).

Para um bom desempenho é necessário que as ONGs se profissionalizem. Sendo assim, uma boa gestão do conhecimento servirá como método administrativo numa gestão para resultados. No caso das ONGs, se torna mais relevante por carecerem de indicadores para justificar resultados mensuráveis a sua atuação, necessários para prestar contas com a sociedade (ROSSI, 1998).

A partir dessas considerações, a pesquisa objetiva analisar a importância da Gestão do Conhecimento nas ONGs. Dessa forma, a metodologia consiste na

Max Leandro de Araújo Brito é mestrando em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN. E-mail: maxlabrito@yahoo.com.br

revisão da literatura que aborda a importância da Gestão do Conhecimento em ONGs, sendo uma pesquisa qualitativa.

Gestão do Conhecimento como ferramenta organizacional nas ONGs

 

As organizações precisam desenvolver habilidades das pessoas que as integram, sejam elas profissionais ou voluntárias, para atingirem os objetivos estabelecidos, Assim, a gestão do conhecimento pode ser uma ferramenta fundamental nesse processo.

É necessário que as Organizações Não-Governamentais considerem seus ativos intangíveis, como uma fonte para sua sobrevivência, através de práticas e gestão do conhecimento (MATZKIN, 2008). Afinal existe rotatividade constante dos voluntários, sendo necessário o armazenamento e gerenciamento das informações e ideias dos membros para amenizar a perda dos voluntários da organização e aproveitar o potencial existente na entidade. A Gestão do Conhecimento servirá para adicionar técnicas e práticas comprovadamente úteis aplicadas em Administração, vale salientar que ao produzir conhecimento e lidar com o novo, as organizações podem dirigi-las de maneiras diferentes e mais eficazes (TOLEDO; CRISPIM, 2007).

 

As práticas de gestão do conhecimento contribuem para as ONGs oferecerecerem serviços diferenciados, com qualidade a fim de superar a complexidade ambiental e a falta de recursos.

Ao definirem um modelo de gestão de conhecimento elas estariam sujeitas a melhorias, através de um modelo constituindo as seguintes etapas: aquisição do conhecimento, codificação, armazenamento, recuperação, difusão e apresentação, aplicação e recriação (MATZKIN, 2008). No entanto, normalmente as Organizações Não-Governamentais perdem muito tempo, recursos e imaginação para reinventar linhas de raciocínio, enquanto o potencial dos programas que já foram provados sua eficácia permanecem subdesenvolvidos, muitas vezes isso pode ser considerado uma perda substancial para a sociedade (HURLEY; GREEN 2005).

 

Considerações finais

Levando em consideração que o problema da rotatividade dos voluntários nas ONGs é um processo natural, no entanto que atrapalha a continuidade das ações a serem desempenhadas nas organizações, dificultando os serviços sociais prestados a sociedade, a pesquisa aponta que a Gestão do Conhecimento é importante, dentre outros fatores, por servir como uma ferramenta de baixo custo e essencial para essas entidades visto que essa ferramenta organizacional possibilita amenizar esse problema de uma forma simples.

Uma das dificuldades encontradas na pesquisa é a baixa disponibilidade de publicação nacional na área de gestão de conhecimento em organizações do terceiro setor, e na área de Organizações Não Governamentais.

Para novas abordagens sobre o tema sugere-se uma pesquisa empírica em ONGs, para observar até que ponto a Gestão de Conhecimento é importante e necessária nessas organizações.

Referências

 

FRAGA, P. C. P. As ONGS e o espaço público no Brasil. Revista Tempo Presença, Rio de Janeiro, p. 26-33, 2002.

HURLEY, T.A.; GREEN, C. W. Knowledge Management and the Nonprofit Industry: A Within and Between Approach. Journal of Knowledge Management Practice, January Issue, 2005.

MATZKIN, D. S. Knowledge management in the Peruvian non-profit sector. Journal of Knowledge Management, United Kingdom, v.12, n. 4, p. 147-159, 2008.

ROSSI, L. R. J. A gestão para resultados como ferramenta administrativa nas organizações do terceiro setor. São Paulo, 1998. Dissertação de Mestrado Profissional em Administração de Empresas – EAESP, Fundação Getúlio Vargas, 1998.

SOUZA, W. J. Responsabilidade Social Corporativa e Terceiro Setor. Brasília: UAB, 2008.

TOLEDO, J. F.; CRISPIM, S. F. . A Gestão do Conhecimento Sob Uma Perspectiva Teórica e de Aplicação: o Caso da Andrade Gutierrez. In: Anais do XXXI Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração – ENANPAD, Rio de Janeiro/RJ: ANPAD, 2007. 

Como citar este artigo: OLIVEIRA, Elane de; BRITO, Max Leandro de Araújo; TEIXEIRA, Jeanne Christine Mendes. Importância da Gestão do Conhecimento em Organizações Não Governamentais. P@rtes, São Paulo, Março 2011. Disponível em: <http://www.partes.com.br>. Acesso em: .

Post Author: partes