Educação Indígena e Educação do Campo: O Que Há de Comum Entre Elas?

http://www.funai.gov.br/index.php/comunicacao/noticias/2947-funai-e-mec-reafirmam-parceria-na-cooperacao-para-educacao-indigena

Diones Clei Teodoro Lopes, Vanubia Sampaio dos Santos

publicado em 07/07/2011 como www.partes.com.br/educacao/educacaoindigena.asp

Educação Indígena e Educação do Campo: O Que Há de Comum Entre Elas?

Diones Clei Teodoro Lopes[*]

Vanubia Sampaio dos Santos**

Vanubia Sampaio dos Santos é acadêmica do Curso de Pedagogia – Fundação Universidade Federal de Rondônia- UNIR Campus de Ji-Paraná. Pesquisadora do GPEA – Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação na Amazônia. Vanubia_sampaio@hotmail.com

Resumo: O artigo que segue pretende identificar as características comuns entre a Educação Indígena e a Educação do Campo. São saberes e culturas que se cruzam por divergir da educação urbana e necessitarem de uma diferenciação curricular construída e adaptada a partir da realidade de cada povo, no qual se buscou fazer uma analogia, onde os olhares se voltassem para a construção de uma educação mais digna, inclusiva e diferenciada.

Palavras chave: Cultura, Educação, Educação Indígena, Educação do Campo.

 

La Educación Indígena y la educación del campo: ¿Qué hay en común entre ellos?

Resumen: El artículo que sigue está destinado a identificar las características comunes entre la educación de los Indígenas y la educación de la Esfera. Forman parte de los conocimientos y las culturas que cruzan por diferir de educación en el medio urbano y su necesidad de construir un programa de estudios diferenciado y adaptado a la realidad de cada pueblo, en el que hemos intentado hacer una analogía, donde los ojos para luego volver a la construcción de una educación más digna, inclusiva y diferenciada.

Palabras clave: la Cultura, La Educación, La Educación Indígena, Enseñanza a Distancia.

 

Introdução

Esse trabalho tem como objetivo possibilitar visibilidade para as formas de se educar os moradores do campo e os povos da floresta, um estudo de como essa educação se processa nessas comunidades tradicionais, o que se pretende com ela e qual o objetivo de se fazer uma educação que conte com currículos mais próximos de suas realidades e necessidades, que leve em consideração a multietnicidade, pluralidade e diversidade cultural desses povos.

Educação indígena: características


Diones Clei Teodoro Lopes é pedagogo Especialista em PROEJA e Técnico em Assuntos Educacionais da Fundação Universidade Federal de Rondonia UNIR, campus Ji-paraná. dionesclei@unir.br

O Brasil é uma nação constituída de diferentes povos de diferentes etnias, línguas, culturas e saberes. Entre essa diversidade encontram-se os povos indígenas que, com o passar dos anos, conseguiram construir a sua própria história e lutar pelos seus direitos, entre os quais está o de ter uma educação intercultural.

        Antes de se introduzir a escola nas comunidades indígenas eles já possuíam seus modos de transmitir sua cultura, expressar, ordenar e reorganizar seus pensamentos, construindo sua visão de mundo e tentando entender o sobrenatural, ficando a cargo dos mais velhos a instrução dos mais novos em relação aos costumes, língua materna, caça, pesca e agricultura, ou seja, a escola era o local onde viviam, sem paredes e limites, voltados para as necessidades de cada povo e os professores eram os familiares preocupados em disciplinar os mais jovens para a vida na floresta. E, a partir dessas concepções de mundo, do homem e das formas de organização social, político, cultural, econômica e religiosa desses povos é que se devem fundamentar as escolas indígenas.

        Educação do campo: características

O campo sempre foi visto pela sociedade urbana como zona rural, local longe da civilização, com conotação de atrasado, caipira, “jeca”, como se não fizesse parte dessa mesma sociedade e civilização. Rural, nesse sentido, tem relação com o homem da roça, que trabalha em favor do enriquecimento de poucos em consonância com a exclusão de muitos. Em suma, é como se todos aqueles que não moram na cidade, não fossem dignos dos mesmos direitos daquele povo, mas fossem alvos somente dos donos de agropecuária para a venda de produtos para a lavoura que será vendida a preço inferior aos repassadores que a comercializarão por seu devido valor, enriquecendo em detrimento dos trabalhadores rurais. Estes, por sua vez, deveriam todos ser braçais sem necessidade de estudo ou formação em nada, para esse tipo de serviço, já que seu trabalho é o que interessa ao capital econômico e não o sujeito como pessoa, detentor de saberes, conceitos de mundo, tradições, culturas e técnicas de plantio e colheita

O termo rural não abrange a conotação do campo, não identifica o campo como lugar de vida, mas local para produção de alimentos para as cidades e produtos para exportação, como se os trabalhadores rurais vivessem a serviço dos moradores das cidades, sendo necessário o morador do campo mudar-se para a zona urbana para ter conforto, local este apresentado a ele como saída, onde as pessoas vivem e são felizes, como se no campo não o pudessem fazer.

O que há de comum entre os povos indígenas e os povos do campo

Os costumes de um povo estão expressos em sua cultura e modo como vive, que demonstram quem é e de onde vem, porém, o industrialismo e a modernidade não respeitam essas fronteiras e com isso os povos da floresta e do campo tem sofrido por terem meios de vida e costumes diferenciados do modelo urbano. Não é o fato de um povo viver na zona urbana e outros no campo ou na floresta que faz destes últimos inferiores ou atrasados, mas o modo como cada um vive é que faz a civilização, o respeito pelo que o outro é e não a imposição de costumes e maneiras por uma sociedade capitalista e urbana.

A identidade do personagem do campo configura-se pelas características que existem no campo, são aspectos como a terra, o cultivo de plantas, a criação de animais, o contato com a diversidade animal e vegetal. A personalidade do homem do campo permeia-se por um nível de conhecimento popular onde todos que convivem no seio da comunidade detêm este conhecimento, mas este conhecimento transmitido origina-se da necessidade da vida cotidiana do camponês, caracterizando a cultura do campo com identidade própria e diferenciada da cultura urbana. A característica própria do camponês não deve discriminá-lo do meio ao qual está inserido, porém ele constitui-se de qualidades para estar inserido dentro do contexto social, não sendo pessoas excluídas, mas como uma etnia ou classe que conhece seus direitos e deveres, não estando submissa a outras classes ou raças e assumindo sua condição perante a sociedade, sem medo ou vergonha de possíveis preconceitos.

Apesar de quase não ser possível hoje os povos terem seus costumes próprios, vindos de seus antepassados, tendo em vista a miscigenação de raças e culturas, os povos da floresta, ou melhor, os indígenas, ainda lutam por seu pedaço de terra dentro da floresta onde possam cultivar sua maneira de viver, suas danças, seus costumes alimentares, sua caça e pesca, assim como os povos do campo, tentam vencer a imposição do gado dos grandes produtores rurais, para continuar a cultivar sua lavoura, suas crenças, seu ritmo e seus costumes.

Os índios e camponeses tem muito em comum no que diz com seus meios de vida, ambos moram longe da zona urbana e têm necessidades diversas daquelas dos povos que vivem nas cidades, por isso precisam ser tratados legalmente como pessoas que tem seus direitos garantidos, com respeito e dignidade. Deste modo, analisando que aproximadamente 30% da população adulta da zona rural são analfabetos, primeiramente deve-se focar a educação, pois á partir dela é que os povos do campo poderão conhecer e exigir seus direitos, buscando assim, uma educação que os trate, segundo Miguel Arroyo  “como sujeitos de um projeto de desenvolvimento com base na agricultura familiar, cooperativa ou não, em vez de tratá-la como resíduo do processo de modernização”. (ARROYO, 2004, p. 48). Já que essa agricultura contribuirá com a geração de empregos, no barateamento da comida e melhoria de condições de vida para a população em geral, haja vista que o espaço para cultivar a lavoura não tem necessariamente que ser extenso como os grandes pastos para a agropecuária. Da mesma forma, a agricultura para os indígenas melhora suas condições de vida, haja vista que cultivando seus alimentos para a subsistência, uma vez que produzem o que necessitam.

Uma educação voltada para as necessidades dos povos do campo que se refira aos seus valores, culturas e sociabilidade, os fará ver que são cidadãos com direitos e deveres, conforme destacado na Primeira Conferência Nacional Por uma Educação Básica do Campo

A educação do campo precisa ser uma educação específica e diferenciada, isto é, alternativa. Mas sobretudo deve ser educação, no sentido amplo de processo de formação humana, que constrói referências culturais e políticas para a intervenção das pessoas e dos sujeitos sociais na realidade, visando a uma humanidade mais plena e feliz.( MEC, 2004, p. 23).

 Os povos do campo têm buscado melhorias através de movimentos sociais, ou seja, agricultores, sem-terra e os povos da floresta, vem lutando até mesmo com impaciência e atrevimento por seus direitos, cansados que estão de serem tratados com tanto desprezo. Uma educação justa para todos, cada um com suas necessidades especiais, é uma escada para o exercício da cidadania, para que todos possam lutar, conforme lhes garantem a lei, por seus direitos, conscientes de suas obrigações.

Com isso, os povos do campo terão amparo ao seu modo de vida sem que o modismo imposto pela mídia e pelos meios de produção interessados no consumismo, influenciem ou modifique seus costumes e tradições antigas através de seu aprendizado, conforme ressaltam Gurgel e Parmigiani:

A aquisição do conhecimento da Leitura e da escrita tem suas raízes no processo sócio-histórico, significa admitir que existe um processo de construção social do conhecimento trazido dos nossos antepassados e que está vinculada à apreensão individual e social do saber. (GURGEL; PARMIGIANI 2001, p. 153):

Esse resgate do passado através dos conhecimentos antigos é de suma importância para os povos do campo, pois é através dele que terão amor à terra e às suas origens. Toda essa tradição trazida pelos conhecimentos faz a ponte para esses povos que precisam do seu pedaço para continuar seu modo de vida e para sua auto-afirmação. Conforme colocado por Bof: “os problemas na educação rural permanecem e a nova geração do campo está sendo ‘deseducada’ para viver no campo, perdendo, assim, sua identidade cultural e seu projeto de futuro.” (BOF et all 2006, p. 77)

A nossa LDB estabelece no art. 28 “Na oferta da educação básica para a população rural, os sistemas de ensino promoverão as adaptações necessárias à sua adequação, às peculiaridades da vida rural e de cada região, especialmente. Conteúdos curriculares e metodologias apropriadas às reais necessidades e interesses e organização escolar própria, incluindo a adequação do calendário escolar às fases do ciclo agrícola e às condições climáticas, enfim que atentam as reais necessidades. Já no art. 26 da mesma lei diz, que os currículos devem ser complementados quando exigido “pelas características regionais e locais da sociedade, da cultura, da economia e da clientela”. Ou seja, tanto os trabalhadores rurais e moradores do campo, quanto os povos da floresta necessitam ser assistidos de forma que sejam respeitados esses fatores.  Além disso, a resolução CNE/CEB N°1, de 3 de abril de 2002 institui diretrizes operacionais para a educação do campo onde encontram-se inseridos os trabalhadores rurais e indígenas, além de pessoas inseridas em movimentos sociais pela terra.

É urgente a necessidade dos povos do campo e da floresta receberem mais atenção, antes que se percam suas culturas e costumes pelo caminho, e isso é possível com uma educação que reafirme essa cultura, respeitando-a e valorizando-a através de currículos específicos construídos pelos próprios sujeitos do campo.

Sendo assim, é necessário se construir uma educação do campo, voltada para as necessidades e interesses das populações que vivem nas zonas rurais, assentamentos, acampamentos, regiões ribeirinhas, florestas quilombos, que incentive a luta pela terra e pela permanência na terra que lhes é de direito. Algo diferenciado do padrão urbano, já que os povos que vivem no campo e do campo têm que preservar sua cultura e amor à terra para continuar sua história e manter viva e existente sua identidade como sujeito com direitos, deveres e liberdade de expressão. Só assim o campo sobreviverá, preservando as pessoas que vivem do campo e no campo em cima de suas terras em um modelo de desenvolvimento sustentável e uma relação de simbiose com a natureza. 

 

 

REFERÊNCIAS

ARROYO, Miguel Gonzalez (org.). Por uma Educação do Campo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

BOF, Alvana Maria,(et al.). A Educação no Brasil Rural. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2006.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo. Resolução CNE/CEB n.° 1, de 03 de Abril de 2002.

________. Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas. Brasília, 2002.

** Acadêmica do Curso de Pedagogia – Fundação Universidade Federal de Rondônia- UNIR Campus de Ji-Paraná. Pesquisadora do GPEA – Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação na Amazônia. Vanubia_sampaio@hotmail.com

[*]  Pedagogo Especialista em PROEJA e Técnico em Assuntos Educacionais da Fundação Universidade Federal de Rondonia UNIR, campus Ji-paranádionesclei@unir.br.

Como citar este ensaio:
SANTOS
, Vanubia, S & LOPES, Diones, C. Educação Indígena e Educação do Campo: O Que Há de Comum Entre Elas? . Julho de 2011

 

Post Author: partes