Sustentabilidade corporativa: um reporte dos avanços globais

Por Ricardo Zibas*
            A KPMG International, em conjunto com a Economist Intelligence Unit, divulgou recentemente um estudo sobre a importância da sustentabilidade dentro do ambiente de negócios e a atitude dos executivos em relação ao tema. Esta pesquisa global entrevistou 378 gestores de empresas em uma série de indústrias, abrangendo a América do Norte, Europa, Ásia, Oceania, América do Sul, África e Oriente Médio. Cerca de 40% das organizações pesquisadas possuem receita anual superior a US$ 1 bilhão.
            Como principais tendências identificadas pelo estudo, podemos citar:
·        Nos últimos três anos, o tema sustentabilidade subiu em prioridade na agenda corporativa: 62% dos respondentes possuem uma estratégia específica para o assunto, em comparação aos 50% que a possuíam em fevereiro de 2008, data da pesquisa anterior;
·        Os drivers principais foram ampliados: apesar de as exigências regulatórias, reputação da marca e gestão de risco continuarem sendo motivos extremamente relevantes para a adoção de uma estratégia em sustentabilidade, a necessidade de redução de custos passou a aparecer em destaque, principalmente para a questão ambiental, por meio da economia de recursos e energia;
·        A sustentabilidade está sendo vista como fonte de inovação: 44% dos executivos concordam que ela gera condições para a inovação, e 39% a vêem como fonte de oportunidade de novos negócios;
·        As empresas estão cada vez mais se ocupando em medir e reportar a sua performance em sustentabilidade: 36% realizam reportes públicos anuais de suas informações de sustentabilidade, e 19% planejam fazê-lo no próximo exercício fiscal. Os maiores desafios para o reporte continuam sendo a geração dos dados e o estabelecimento de benchmarks;
·        As empresas desejam contar com um sucessor para o Protocolo de Kyoto: dois terços dos executivos entrevistados consideram crítica e muito importante a adoção de um novo marco regulatório para suceder o primeiro período de compromissos, que expira em 2012.
            Para exemplificar a adoção das estratégias de sustentabilidade citadas, convém destacar o uso de planejamento de cenários para a definição de riscos e oportunidades; a colocação de metas ambiciosas para liderar por meio de exemplos; a medição dos dados ambientais e sua relação com a produtividade dentro do negócio; o estímulo ao engajamento dos funcionários e da cadeia produtiva; a aplicação das lições aprendidas internamente em produtos e serviços externos; a exploração dos “efeitos colaterais” da sustentabilidade; e o uso de benchmarks e reporte contínuo do progresso das ações.
            Assim, uma das conclusões da pesquisa é que o assunto “sustentabilidade” deixou de ser privilégio de uns poucos iniciados ao tema e virou mainstream. Entretanto, os executivos são unânimes em apontar a necessidade do desenvolvimento de padrões e definições que possam ser aplicadas em um grande número de indústrias e ampliadas para os seus fornecedores. Aliás, este parece continuar sendo o grande desafio: como comparar, analisar e reportar corretamente os dados e iniciativas de sustentabilidade.
* Ricardo Zibas é gerente sênior da área de Sustentabilidade da KPMG no Brasil
** O estudo completo encontra-se disponível para download no endereço: www.kpmg.com/Global/en/IssuesAndInsights/ArticlesPublications/Pages/corporate-sustainability.aspx

Post Author: partes