Planejamento Turístico e Desenvolvimento Responsável

Planejamento Turístico e Desenvolvimento Responsável

Jaciara Karolyne Bezerra da Costa*

 

RESUMO:

Jaciara Karolyne Bezerra da COSTA
Acadêmica do 7º Bloco do Curso de Bacharelado em Turismo, da Universidade Estadual do Piauí – UESPI
E-mail: jacikarolyne@hotmail.com

Este artigo visa realizar uma análise acerca do planejamento na atividade turística, dando ênfase a características, tipologias e importância no desenvolvimento do turismo nas localidades receptoras ou potencialmente turísticas. O planejamento turístico desempenha papel de extrema importância para um desenvolvimento responsável da atividade, e se torna fundamental para evitar as consequências do grande afluxo de pessoas que visitam esses ambientes, minimizando impactos e garantindo assim a atratividade dos recursos para as futuras gerações.

Palavras-chave: Planejamento, Turismo, Desenvolvimento, Impactos.

 

ABSTRACT:

This article aims to undertake an analysis about the planning in tourism, emphasizing the characteristics, types and importance in the development of tourism in tourist locations or potential recipients. The tourism planning plays a role of utmost importance for a responsible development activity, and becomes essential to avoid the consequences of the large influx of people visiting these environments, minimizing impacts and ensuring the attractiveness of resources for future generations.

 Keywords: Planning, Tourism Development, Impacts.

 

1 INTRODUÇÃO

         Atualmente, o ato de planejar se constitui como ferramenta estratégica em qualquer ação da vida humana, seja relacionado à família, à negócios, em vários aspectos. O mundo moderno requer essa postura diante de fatos e acontecimentos presentes e futuros a fim de orientar a tomada de decisão mais acertada e obter bons resultados.

         Sabe-se que o turismo é uma atividade econômica nova e bastante promissora no mercado e que vem sendo adotada em muitas localidades como forma de gerar empregos e incrementar a fonte de renda da população. Assim pode-se dizer que o turismo se tornou uma alternativa, não apenas como impulsionador da economia, mas também como um meio de valorizar a região e ser vista como um ponto de referência para turistas. Acerca disso é relevante afirmar que para que haja um desenvolvimento saudável e benéfico da atividade é necessário que ela esteja baseada nos princípios de um planejamento adequado e eficaz.

         Antes de tudo, o processo de planejamento compreende um modelo que é pautado no levantamento de informações que em seguida serão analisadas para serem formulados os objetivos que se pretende alcançar. Além de tudo é um procedimento contínuo e renovável, que deve sempre estar sendo revisado constantemente.

2 METODOLOGIA

         A realização deste estudo se deu através de pesquisa bibliográfica, obtida em livros, revistas e artigos científicos. A pesquisa bibliográfica é fundamental em qualquer trabalho científico, pois é o que fornece as bases teóricas conceituais para a construção do contexto que será abordado, seguida de seleção, análise e interpretação das informações e dados coletados.

         Assim foram utilizados livros que contemplavam os temas de planejamento turístico, sustentabilidade, entre outros necessários à concretização deste artigo. Espera-se que esta pesquisa sirva de base para outros trabalhos científicos.

3 PLANEJAMENTO TURÍSTICO: CONCEITOS E APLICAÇÕES

Planejamento turístico é conceituado como,

Uma atividade que envolve a intenção de estabelecer condições favoráveis para alcançar objetivos propostos. Ele tem por objetivo o aprovisionamento de facilidades e serviços para que uma comunidade atenda seus desejos e necessidades ou, então, o “desenvolvimento de estratégias que permitam a uma organização comercial visualizar oportunidades de lucro em determinados segmentos de mercado.” (RUSCHMANN, 1997, p. 83)

         Ou seja, planejamento turístico se constitui como o conjunto de todas as ações, decisões e objetivos que se pretende alcançar para desenvolver e/ou incrementar o turismo numa determinada localidade, através de métodos e instrumentos adequados e específicos para atingir tal fim, tendo por base o conceito de sustentabilidade, envolvendo setor público, privado e comunidade.

            A importância do planejamento aplicado ao turismo se revela em inúmeros aspectos como a questão dos impactos positivos e negativos, na obtenção de resultados satisfatórios, crescimento ou declínio do setor, entre outros. A sua intenção está em orientar as ações humanas sobre o espaço que ocupa, ordenando a construção de equipamentos e facilidades de maneira adequada evitando, os possíveis efeitos danosos aos recursos turísticos.

            De acordo com Lage e Milone o planejamento turístico está dividido em algumas etapas, a saber:

  • Inventário de todos os recursos turísticos naturais e culturais;
  • Análise e síntese da situação encontrada;
  • Formulação da política e do plano de turismo e também de recomendações de viabilidade e
  • Controle da gestão do processo total. (LAGE E MILONE 2000, p. 165).

         Em síntese essas etapas são basicamente o estudo preliminar, que visa identificar a situação atual da localidade, com suas características, perfil socioeconômico, e o estágio em que o turismo se encontra na região. Em seguida é feito o diagnóstico, onde essas informações são analisadas de maneira holística, ou seja, considerando todos os aspectos pertinentes às mesmas e por último é realizado o prognóstico, onde serão formuladas as políticas, metas e projetos para desenvolver o turismo, de maneira sustentável.

         A nova ótica do planejamento turístico é a sustentabilidade, que é bem enfatizada no que se refere aos impactos negativos provocados pelo turismo, assim o mesmo precisa contemplar os princípios sustentáveis, principalmente pelo fato do turismo ainda ser considerado um degradador do meio ambiente, quando na verdade se bem planejado atua como instrumento de proteção dos recursos naturais.

         Planejar a atividade turística está relacionado com a perspectiva de torná-la sustentável, pois só assim se poderá se alcançar o equilíbrio em seus três eixos: econômico (que seja rentável e que os benefícios sejam distribuídos equitativamente na localidade); sociocultural (que haja valorização e intercâmbio cultural entre residentes e turistas); ambiental (que seja haja conservação dos recursos naturais e uso racional dos espaços).

         Cabe ao estado elaborar o planejamento turístico que pode ser realizado em vários níveis de organização: municipal, estadual e federal. Em 2003 foi lançado o Plano Nacional de Turismo (PNT) que dispões de diretrizes, programas objetivos e metas para a gestão do setor. De um modo geral o Estado é responsável pela divulgação e promoção do destino a nível nacional e internacional, atração de investimentos, legislação e regulamentação.

         A intervenção política é necessariamente importante ao desenvolvimento turístico. Mesmo sendo produzida pelo setor privado, a atividade turística é extremamente dependente do setor público que de acordo com Dias (2005, p. 139) “pode funcionar como facilitador, indutor e organizador […], pode trazer benefícios a curto prazo, mas também pode prejudicar o meio ambiente natural e sociocultural.”

            Devido à dinamicidade da atividade turística, há que se atentar para as mudanças que ocorrem todos os dias no mercado e aos novos segmentos que estão sendo criados, fato que necessita de uma postura bem definida e um plano de ação bem eficaz por parte dos planejadores, de maneira que se possa obter vantagens de tais acontecimentos. Essa dinamicidade exige disciplina, ordenamento e criatividade para a execução dos objetivos e metas propostas. Beni reforça essa colocação,

O setor quando expressado e representado em sua complexa totalidade, demanda um tipo de planejamento a que se agrega à palavra “integrado”, indicando com que isso todos os seus componentes devem estar devidamente sincronizados e sequencialmente ajustados a fim de atingir metas e diretrizes da área de atuação de cada um, ao mesmo tempo, para que o sistema global possa ser implementado e imediatamente oferecer oportunidades de pronto acompanhamento, avaliação e revisão.” (BENI, 1997, p.111-112)

 

4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Sem dúvida, o turismo é uma área que necessita de um planejamento eficaz devido às suas características peculiares, pois possibilita avaliar os caminhos para construir um futuro promissor de maneira integrada e elaborada.

Esse planejamento deve ser participativo e integrador, onde todos os responsáveis pela localidade, empresa ou produto turístico devem estar contemplados. Ou seja, é necessário que haja a atuação do setor privado na estruturação do trade como hotéis, agências de viagens, restaurantes; do setor público, no fornecimento da infraestrutura básica, do estabelecimento de leis e regulamentos da atividade e da comunidade, participando ativamente desse processo, pois é a mesma que manterá uma convivência direta com os turistas.

Através de uma gestão responsável e sustentada e de um bom planejamento nos destinos turísticos é possível alcançar um desenvolvimento viável para muitos destinos potenciais ou que já praticam o turismo, como forma de evitar e/ou minimizar os impactos negativos produzidos. Assim a atividade turística servirá não apenas como fonte de renda para os investidores, mas também, promover o desenvolvimento sustentável.

5 REFERÊNCIAS

BENI, Mário Carlos. Análise Estrutural do Turismo. 10° Ed. São Paulo: SENAC, 1997.

DIAS. Reinaldo Dias. Introdução ao turismo. São Paulo: Atlas, 2005.

LAGE, Beatriz Helena Gelas. Milone. Paulo César. Turismo: teoria e prática. São Paulo: Atlas, 2000.

RUSCHMANN. Dóris Vande Meene. Turismo e planejamento sustentável: a proteção do meio ambiente. São Paulo, Campinas: Papirus, 1997. – (Coleção Turismo).

Jaciara Karolyne Bezerra da Costa

Acadêmica do 8° bloco de Turismo, da Universidade Estadual do Piauí

E-mail: jacikarolyne@hotmail.com

http://lattes.cnpq.br/2765420308512427

 

Post Author: partes