Literatura de Cordel, Cultura e Ensino: a Diversidade Cultural no Âmbito Educacional

Imagem 05 – FONTE: brazilbylocalsblog.blogspot.com

Literatura de Cordel, Cultura e Ensino: a Diversidade Cultural no Âmbito Educacional

 

Silvio Profirio da Silva*

 

 

Silvio Profirio da Silva Graduando em Licenciatura em Letras Português/ Espanhol pela Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE. Interessa-se por estudos na área da Linguística e da Educação, focando, sobretudo, no campo da Linguística Aplicada, da Linguística de Texto e da Sociolinguística Variacionista. E-mail: silvio_profirio@yahoo.com.br

RESUMO: O ensino, em uma perspectiva geral, tem presenciado a consolidação de profundas mudanças nas práticas pedagógicas presentes no cenário educacional. Uma dessas mudanças diz respeito à inserção de diversos aspectos da cultura popular no âmbito educacional. Em específico, a inserção de diversos gêneros textuais que lançam mão de fatores culturais. Este trabalho tem como objetivo abordar os subsídios  da Literatura de Cordel para levar para o universo escolar novas possibilidades de cunho metodológico relacionadas à diversidade cultural.

PALAVRAS-CHAVE: Literatura de Cordel, cultura, ensino. 

 

RESUMEN: La enseñanza, en una perspectiva general, tiene visto la consolidación de profundos cambios en las prácticas docentes presentes en el entorno educativo. Uno de esos cambios se refiere a la inserción de los diversos aspectos de la cultura popular en el campo educativo. En particular, la inclusión de diferentes tipos de textos que recurren a los factores culturales. Este trabajo tiene como propósito discutir los subsidios de la Literatura de Cordel  para traer para la escuela nuevas propuestas metodológicas relacionadas a la diversidad cultural.

PALABRAS-CLAVE: Literatura de Cordel; cultura; enseñanza,

 

 

         No dizer de Santos (2007, p. 787), “nas duas últimas décadas tem sido observado um deslocamento dos princípios orientadores do ensino em diferentes áreas de saber. É a gênese de um movimento que se propõe a reconceitualizar não só os objetivos do ensino, mas, sobretudo, os objetos de ensino, juntamente com os pressupostos e procedimentos didáticos”. Dentro dessa perspectiva, o ensino, em uma perspectiva geral, tem presenciado a consolidação de profundas mudanças nas práticas pedagógicas presentes no cenário educacional. Esse quadro não surge do nada. Pelo contrário, ocorre em decorrência da eclosão de inúmeros fundamentos teóricos, provenientes dos postulados das Ciências da Educação.

         Nos anos 80, tem início uma serie de estudos das Ciências da Educação [Pedagogia], das Ciências da Linguagem [Linguísticas], das Ciências Psicológicas [Psicologia, Psicologia Cognitiva, Psicologia do Desenvolvimento e Psicolinguística], da Filosofia e da Sociologia, conforme ressaltam Albuquerque (2006) e Albuquerque et al (2008). Tendo como pano de fundo esse cenário, surgem novos fundamentos teóricos que tentam romper com as práticas educativas obsoletas que se faziam presentes no universo escolar. É nesse contexto que surgem as mudanças didáticas, que podem ser percebidas nos dias atuais.

“A busca de uma nova prática pedagógica, fundamentada numa visão sociointeracionista, iniciou-se já na década de 80, quando começaram a surgir no país, nas Secretarias de Educação dos Estados, propostas curriculares, planos ou programas bastante inovadores, de certa forma como uma resposta ao trabalho pioneiro de alguns pesquisadores e especialistas de algumas universidades do país. … Pretendia-se superar o impasse desencadeado pela prática educativa anterior que vinha dominando nossas escolas desde o início dos anos 70. Um ensino de caráter essencialista, conteudista, tecnicista e limitado à descontinuidade e fragmentariedade dos livros didáticos” (CARDOSO, 2003, p. 9-27).

         Uma das mudanças oriundas desses postulados diz respeito à inserção de diversos aspectos da cultura popular no âmbito educacional. Em específico, a inserção de diversos gêneros textuais que lançam mão de fatores culturais. Nos dias atuais, uma ampla literatura tem voltado seu olhar para a questão da diversidade em suas múltimplas formas [cultural, étnica, linguística, religiosa, sexual etc.] e, por conseguinte, para a inclusão dessas temáticas nas práticas metodológicas do ensino. Por esse motivo, muito tem se falado acerca da diversidade cultural, com o propósito de levar para os bancos escolares as mais diversas culturas da realidade social brasileira. Culturas estas que nem sempre tiveram espaço no currículo escolar e, conseguintemente, na práticas educativas. Contudo, nem sempre essa concepção de ensino que se volta para uma perspectiva de diversidade, de heterogeneidade e de multiplicidade esteve presente no processo de escolarização brasileiro.

         Durante muito tempo, a cultura popular foi algo depreciado, sendo considerada inadequada a fazer parte das práticas pedagógicas presentes no universo escolar. O ensino, sob essa perspectiva, se voltava para o padrão culto, preconizado pelos livros didáticos e pelos grandes autores renomados. Ao centrar-se, preponderantemente, na cultura preconizada pelos segmentos sociais privilegiados economicamente, excluia-se, dessa forma, uma gama de aspectos da cultura popular brasileira. As práticas pedagógicas, amparadas nesses paradigmas, distanciavam-se cada vez mais das práticas culturais presente nos mais diversos espaços brasileiros.

         Diante dessa perspectiva, diversos gêneros textuais que abordam as produções da espécie humana [independente, do padrão social], as práticas corriqueiras do dia a dia do povo, se utilizando de uma linguagem viva [sem preconceitos], eram excluídos do cenário educacional. São exemplos que podem ilustrar tal situação: as Charges, as Tirinhas e a Literatura de Cordel etc. . Este último, objeto de estudo deste trabalho, sofreu, durante décadas, um intenso preconceito social em função de carregar as marcas do povo, dos segmentos sociais menos privilegiados economicamente, lançando mão de uma linguagem que reflete o cotidiano dos espaços culturais brasileiros. Entretanto, esse preconceito ainda não foi totalmente erradicado. Diversos educadores que compartilham de concepções e modelos de ensino tradicionais ainda tecem posicionamentos contrários a essa literatura.

         A Literatura de Cordel pode ser conceituada como uma poesia de cunho/ teor popular, construída, linguísticamente, com base na cultura da raça humana (FONSÊCA & FONSÊCA, 2008). Isto é, esse tipo de literatura tem como fio condutor as produções materiais e imateriais das espécie humana, sendo marcada ideologicamente e socialmente. Ao fazer isso, o Cordel desconsidera a classe social, englobando, assim, o fazer do ser humano, independentemente, das suas origens. Ou seja, essa literatura aborda as construções/ produções humanas sejam elas provenientes das camadas menos favorecidas economicamente ou das camadas abastadas da sociedade.

         Seus versos lançam mão de versos, métricas e rimas que abrangem diversos tipos de temáticas, tais como, histórias fictícias, lendas, mitos etc. . Algumas dessas histórias são provenientes de gerações anteriores, mas chegam aos dias atuais em função do povo e das suas memórias. No entanto, seus versos não se limitam a esse tipo de temáticas, mas também englobam aos temas de cunho social, levando para o âmbito educacional temáticas de suma importância para a formação dos discentes brasileiros (BENTES, 2004). Temáticas estas que contribuem para a inserção desses sujeitos na prática de ações de transformação social. Partindo desse pressuposto, a partir das temáticas abordadas pela Literatura de Cordel, ela contribui para a inserção dos alunos no exercício pleno da cidadania.

         Conforme mencionado anteriormente, nem sempre o processo de escolarização brasileiro atentou para essas questões. Por essa razão, a cultura popular, em suas múltiplas formas, distanciava-se dos processos de ensino e de aprendizagem. Pelo contrário, o currículo escolar concedia primazia aos conteúdos preconizados pelos manuais didáticos e pelo conhecimento dogmático preconizado pelos consagrados autores dos livros didáticos. Essa posição ocorria em virtude de uma perspectiva tradicional de ensino adotada como modelo norteador. Com base nesse norte, o ensino, em um contexto geral, ao invés de focar na construção e na produção de significados, primava pela recepção mecânica de conteúdos e, sobretudo, pela reprodução. Ao aluno era elencado, nesse contexto paradigmático, um papel passivo, que se limitava ao ato da reprodução. O que está em sintonia como Xavier (2007, p. 4), que demonstra o papel atribuído ao aluno que consistia em“um sujeito passivo, que recebe as instruções de um professor que supostamente sabe o conteúdo a ser ensinado e, como num passe de mágica, transfere-lhe esse saber”.

         Nos dias atuais, pode-se presenciar novos modelos teóricos que preconizam um ensino de cunho/ teor sociointeracionista [ou também Dialógico, conforme conceituam Koch (2002) e Koch & Elias, (2006)]. Tal modelo prima pela construção de sentido (KOCH & ELIAS, 2006) e pela elaboração de significação. À luz desses novos modelos norteadores, o ensino se desvincula cada vez mais das perspectivas puramente mecanicistas, tecnicistas e tradicionais (SANTOS, 2002) que guiaram a prática docente nas unidades de ensino brasileiras. Koch & Elias (2006) sinalizam o fato de o aluno, com base nesses novos paradigmas, assumir um papel ativo na construção social do conhecimento. Consoante essas autoras, o aluno è alçado à condição de ator e construtor social (KOCH & ELIAS, 2006). Essas são apenas algumas mudanças que podem ser percebidas no atual contexto educacional.

         Entretanto, o que se destaca, neste trabalho, é a questão da inserção da diversidade cultural nos processos de ensino e de aprendizagem, mais especificamente, a inclusão de diversos gêneros textuais que levam para os muros escolares a diversidade cultural proveniente da realidade social brasileira. Dentre os quais, destaca-se, nesta escrita, a Literatura de Cordel, abordando seus subsídios para novas iniciativas didáticas e pedagógicas, rompendo com padrões tradicionais, rumo a novas formas de construção social do conhecimento. Nos últimos anos, uma vasta quantidade de autores tem voltado seu olhar para a temática da utilização de múltiplas linguagens como suporte didático nas práticas pedagógicas. Dito de outra forma, o uso de novos recursos didáticos e novos suportes de texto, que subdisiam estratégias de ensino inovadoras e diferenciadas. Diante desse quadro, se fala em Linguagens Alternativas. Tal conceituação trazida por Gomes & Nascimento Neto (2009) refere-se às múltiplas formas de expor um conteúdo, a partir de diversos suportes textuais, como, por exemplo, Charges, Cinema, Histórias em Quadrinhos [HQs], Jogos, Jornais, Redes Sociais [Facebook, MSN, Orkut etc.], Revistas, Tirinhas etc. (GOMES & NASCIMENTO NETO, 2009). Dentre essas linguagens, destaca-se a Literatura de Cordel.

“Como linguagens alternativas um conjunto de formas de discurso apoiado em suportes materiais variados, produzindo múltiplos sentidos que não costumam ser contemplados na educação tradicional existente na maioria das escolas. Inserir novas linguagens, como: música, imagens móveis ou estáticas, jogos lúdicos, dramaturgia, reportagens, textos virtuais, literatura, quadrinhos etc., não se trata de promover mera recreação em sala de aula, mas de trabalhar com o alunado uma variada documentação, permitindo que ele tenha acesso a diversos bens culturais e analise discursos diferenciados. É salutar discutir essas formas de representação em sala de aula. Na contemporaneidade, em que inúmeras linguagens e signos emergem, atraindo os jovens e exigindo-lhes novas competências e habilidades para interpretá-los, a inserção de novas linguagens no ensino” (GOMES & NASCIMENTO NETO, 2009, p. 9).

         Diante dessa perspectiva, a Literatura de Cordel leva para o universo escolar novas possibilidades de cunho metodológico relacionadas à diversidade cultural. Em outras palavras, essa literatura propicia um trabalho inovador, trabalhando a questão da diversidade dos grupos e suas ideologias, abordando questões de cunho social e promovendo a inserção da diversidade cultural no âmbito educacional. Com isso, o ensino passa a ser trabalhado em uma perspectiva de múltiplos olhares, transcendendo, assim, a perspectiva das atividades com um fim em si próprias e atreladas aos aspectos de reprodução. Nesse sentido, a Literatura de Cordel propicia novas didáticas e iniciativas pedagógicas para o ensino, a partir da inserção de múltiploss e diversificados aspectos/ fatores da cultura popular nos processos de ensino e de aprendizagem. O que, por conseguinte, ocasiona novos caminhos e horizontes para a construção social do conhecimento do aluno.

Referências 

 

ALBUQUERQUE, E. B. C. . Mudanças didáticas e pedagógicas no ensino da língua portuguesa: apropriações de professores. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

ALBUQUERQUE, E. B. C. ; MORAIS, A. G. ; FERREIRA, A. T. B. . As práticas cotidianas de alfabetização: o que fazem as professoras? Revista Brasileira de Educação, v. 13, p. 252-264, 2008. Disponível na World Wide Web: <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v13n38/05.pdf>. Acesso em: 02 mar. 2012. ISSN 1413-2478.

BENTES, A. C.. Linguagem: práticas de leitura e escrita. São Paulo: Global – Ação Educativa Assessoria,Pesquisa e Informação, 2004.

CARDOSO, S. H. B. Discurso e Ensino. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

FONSÊCA, A. V. L. ; FONSÊCA, K. S. B. . Contribuições da literatura de cordel para o ensino da cartografia. Revista Geografia, v. 17, n. 2, Londrina, 2008. Disponível na World Wide Web: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/geografia/article/view/2357>. Acesso em: 04 mar. 2012. ISSN 0102-3888.

GOMES, G. M. S. ; NASCIMENTO NETO, L. D. . A Cultura Afro-Brasileira no Saber Escolar Contemporâneo: articulando histórias, linguagens, memórias e identidades. Revista Encontros de Vista, v. 02, p. 13-24, 2009. Disponível na World Wide Web: <http://www.encontrosdevista.com.br/Artigos/A_CULTURA_AFRO_BRASILEIRA_NO_SABER_ESCOLAR_CONTEMPORANEO_ARTICU.pdf>. Acesso em: 04 mar. 2012. ISSN 1983-828X.

KOCH, I. G. V. Desvendando os segredos do texto. São Paulo: Cortez, 2002.

KOCH, I. G. V.; ELIAS, Vanda M. . Ler e compreender: os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2006.

SANTOS, C. F. . O ensino da leitura e a formação em serviço do professor. Revista Teias, Rio de Janeiro, ano 3, v. 05, n. jan/jun, p. 29-34, 2002. Disponível na World Wide Web: <http://www.periodicos.proped.pro.br/index.php?journal=revistateias&page=article&op=view&path%5B%5D=95&path%5B%5D=96>. Disponível em: 04 mar. 2012. ISSN 1518-5370.

_____. Letramento e ensino de História: os gêneros textuais no livro didático de História. In: Anais do 4º Simpósio Internacional de Estudos de Gêneros Textuais –  SIGET, Universidade do Sul de Santa Catarina, Tubarão, Santa Catarina, 2007.  Disponível na World Wide Web: <http://www3.unisul.br/paginas/ensino/pos/linguagem/cd/Port/33.pdf>.Acesso em: 03 mar. 2012.

XAVIER, A. C. As Tecnologias e a Aprendizagem (re)Construcionista no Século XXI. Hipertextus Revista Digital, Recife, v. 1, 2007. Disponível na World Wide Web: <http://www.hipertextus.net/volume1/artigo-xavier.pdf>. Acesso em: 04 mar. 2012. ISSN 1981-6081.

COMO CITAR ESTE ARTIGO:

SILVA, Silvio Profirio da. Literatura de Cordel, Cultura e Ensino: a Diversidade Cultural no Âmbito Educacional. Revista Virtual Partes. Disponível em: XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXxxx. Acesso em: XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX.

* Autor é Aluno do Curso de Licenciatura em Letras, Departamento de Letras e Ciências Humanas – DLCH, Universidade Federal Rural de Pernambuco – UFRPE. Foi, por três anos, Bolsista do Programa Conexões de Saberes da UFRPE: diálogos entre a universidade e comunidades populares. E-mail: silvio_profirio@yahoo.com.br

Post Author: partes