Lei Seca aumenta rigidez contra motorista embriagado

A embriaguez do motorista poderá ser comprovada na Justiça por testemunhas, exame clínico, imagens
e vídeos, de acordo com a Lei 12.760, publicada no Diário Oficial da União da última sexta-feira (21),
que torna mais rígida a chamada “Lei Seca”. Antes da nova norma, a comprovação era feita
exclusivamente pelo bafômetro ou exame de sangue.
Como ninguém é obrigado a produzir prova contra si mesmo, a lei era ineficaz porque motoristas
recusavam-se a soprar o bafômetro, ficando livre das acusações criminais.
Com a mudança no texto, o limite de 0,6 gramas de álcool por litro de sangue se torna apenas um dos
meios de comprovar a embriaguez do motorista.
Agora passará a ser crime dirigir “com a capacidade psicomotora alterada em razão da influência de
álcool ou outra substância psicoativa que determine dependência”. O condutor poderá realizar a
contraprova, submetendo-se ao exame do bafômetro e de sangue para demonstrar que não consumiu
acima do limite permitido pela legislação.
Saúde – No Brasil, a violência no trânsito é uma das principais causas de mortalidade. Somente em
2010, 42.844 pessoas perderam a vida no trânsito e outras milhares ficaram com sequelas decorrentes
dos acidentes. Em 2011 foram registradas 155 mil internações no Sistema Único de Saúde (SUS)
relacionadas a acidentes de trânsito, o que representou um custo de mais de R$ 200 milhões.
Esse valor leva em conta apenas as internações na rede hospitalar pública, sem considerar os custos
dos atendimentos imediatos às vítimas feitos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgências (Samu),
nas Unidades de Pronto Socorro e Pronto Atendimento e na reabilitação do paciente com consultas,
exames, fisioterapia, dentre outros. “Com estes recursos, poderíamos construir 140 Unidades de Pronto
Atendimento (UPAs 24 horas) e melhorar o atendimento à população nas urgências e emergências do
país”, diz o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.
No âmbito do projeto Vida no Trânsito, o Ministério da Saúde (MS) investe em sistemas de informação
sobre acidentes, feridos e vítimas fatais. Com o banco de dados atualizado, os gestores de saúde
podem identificar os fatores de risco – como o excesso de velocidade e a associação entre álcool e
direção – e os grupos de vítimas mais vulneráveis nos respectivos municípios, assim como os locais onde
o risco de acidentes é maior.
No último mês de setembro, o MS autorizou o repasse de mais R$ 12,8 milhões para os 26 estados e o
Distrito Federal aplicarem no Vida no Trânsito. No total, já foram liberados R$ 27,7 milhões para
investimentos no projeto.
Multa vai dobrar em caso de reincidência
Quem for pego dirigindo sob influência de álcool ou outra substância psicoativa terá a carteira de
habilitação recolhida e o veículo, retido. O motorista estará sujeito, ainda, à multa que passa de R$
957,70 para R$ 1.915,40 e à suspensão do direito de dirigir por 12 meses. O valor da multa dobrará em
caso de reincidência.

Secom

 

Post Author: revistapartes