Governo está preocupado com manifestações e aberto ao diálogo, diz ministro

 

Luana Lourenço – Agência Brasil


Gilberto Carvalho que o governo está preocupado com os protestos que estão tomando as ruas pelo país e quer manter diálogo com os movimentos para entender “anseios importantes” (Wilson Dias/ABr)

Brasília – O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, disse hoje (17) que o governo está preocupado com os protestos que estão tomando as ruas pelo país e quer manter diálogo com os movimentos para entender “anseios importantes” que têm levado as pessoas a se manifestar.

“O governo está preocupado com as manifestações, está buscando entendimento e, sobretudo, interessado em abrir o diálogo direto com as manifestações, entendendo o novo significado delas, que são de natureza diferente daquelas com as quais estávamos acostumados a lidar”, avaliou.

Segundo Carvalho, a nova configuração dos movimentos que vão às ruas, sem lideranças ou representantes únicos, torna mais complexas as tentativas de diálogo. “As velhas formas de mobilização são cada vez mais substituídas por essas novas formas, não há mais, como nos movimentos tradicionais, uma direção centralizada ou determinada por um comando, isso faz com que o diálogo, sobretudo em momentos de tensão, torne-se mais difícil”.

Ao citar o protesto do último sábado (15) em Brasília, que terminou com confronto entre policiais e manifestantes, Carvalho disse que o episódio de conflito foi um “incidente” e que a orientação do governo é para que o espaço de livre manifestação seja garantido, sem repressão. “A orientação da presidenta Dilma é para que continue em Brasília o clima que nós sempre tivemos, esse clima de livre manifestação, de evitar qualquer forma de repressão”

“Nós lamentamos esse incidente, que se deu em um momento de muita tensão e queremos no diálogo virar essa página e continuar dialogando com os movimentos até para entender o que significa, o que está ocorrendo em todo o país, onde as manifestações crescem e se agigantam e expressam anseios importantes da população e da juventude”, acrescentou.

Carvalho disse que está acompanhando os protestos nos estados e que já percebeu avanços na negociação entre autoridades e manifestantes sobre a realização dos eventos. “Estou percebendo que já houve alguns avanços, algumas mudanças de atitude na posição de alguns governos. Em São Paulo, esperamos que a manifestação de hoje ocorra sem tumultos. Será muito importante para a democracia que isso ocorra. Houve um primeiro momento de susto, de impacto, mas agora acho que estão começando, tanto movimentos quanto os estados, estamos convencidos de que é possível que tudo isso ocorra como forma de expressão democrática e não com conflito”, ponderou.

Apesar da disposição para o diálogo, Carvalho disse que é papel do Estado garantir direitos “das maiorias e das minorias” e que vai agir para assegurar a ordem, sempre que possível de forma pacífica. “Nosso papel é garantir a democracia, os direitos democráticos para as maiorias e para as minorias. Toda vez que houver ações que eles [manifestantes] considerem legítimas, mas que criem problemas para a maioria, é papel do Estado tratar de resolver esses conflitos. Não vamos nos furtar ao papel de assegurar a lei e a ordem, mas podemos e queremos fazê-lo sempre que possível de maneira pacífica, negociada, ainda que com todas as tensões”.

Edição: Carolina Pimentel

Post Author: revistapartes