Para saber como anda o Turismo no Brasil e suas perspectivas entrevistamos a Profa. Dra. Poliana Fabíula Cardozo trabalha no Departamento de Turismo (Tourism Department) da Universidade Estadual do Centro-Oeste (campus Irati) – Paraná e faz parte do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Desenvolvimento Comunitário (Master in Community Development) da mesma instituição. Poliana, bacharel e mestre em turismo e doutora em geografia, já publicou diversos artigos na Revista Partes. Docente e pesquisadora para os cursos de graduação em turismo e mestrado em desenvolvimento comunitário. A professora também é blogueira de turismo (www.comendochucruteesalsicha.com.br) e apaixonada por tudo que faz. Suas pesquisas são dedicadas à cultura, identidade e imigração.

 Há mercado para a formação de novos profissionais de Turismo no Brasil? Não está saturado?
Sim, há mercado. O setor turístico no Brasil vem paulatinamente se profissionalizando, e trabalhadores qualificados, nos diversos âmbitos da profissão – superior ou médio – são requeridos em todas as regiões do país.

Em que áreas o recém-formado profissional de turismo pode trabalhar nas empresas e nos governos?
No setor privado o mercado de meios de hospedagem, agências de viagens e de lazer são os que mais estão contratando. Contudo, as áreas de planejamento e gestão, alimentos e bebidas e eventos também são áreas próprias de atuação. No âmbito público o maior destaque vai para o planejamento e todas as suas possibilidades.

Que setor ou setores do Turismo necessita de investimentos públicos ou privados?
Basicamente em todos e das duas esferas. Contudo, visando o turismo externo, diria que a qualificação profissional é um desafio muito grande, sobretudo no que tange ao atendimento em outros idiomas. Para o turismo interno, a melhoria de infraestrutura de acesso é imperiosa. Para ambos a divulgação é fundamental.

Que setor do Turismo mais cresce no país?
Tanto o turismo de negócios, eventos como o de lazer com demanda doméstica e internacional têm mostrado números em expansão.

Qual a importância do Turismo como elemento propulsor do desenvolvimento local?
O turismo é visto como um elemento importante no que diz respeito à economia: gera emprego e renda. Também promove a manutenção dos bens culturais e ambientais de uma comunidade. Contudo nada disso é positivamente impactante se a comunidade local for deixada à margem do planejamento e da gestão da atividade em um local: ela passa a ser apenas mão de obra (muitas vezes barata). não dá para pensar em turismo e desenvolvimento local sem pensar no engajamento necessário com a comunidade.

Dá para conciliar o crescimento e desenvolvimento do turismo com sustentabilidade?
Eu prefiro tratar de responsabilidade. E se for responsabilidade sim. Vejo que o desenvolvimento de qualquer atividade econômica não pode estar a frente dos interesses ambientais, culturais, sociais. E em muitos casos, o turismo vem sendo discutido de forma conjunta entre gestores, comunidade e setor público. Para isso se vê melhores perspectivas para o turismo versus a manutenção dos bens.

O que falta para o brasileiro “conhecer o Brasil”?
Ele já está conhecendo, né? O turismo doméstico tem crescido bastante por aqui, apesar dos preços ainda não serem tão competitivos como o de alguns destinos estrangeiros. Mas, penso que mensurar o valor pago pelo turista por um serviço versus a qualidade da experiência que ele obtém seria um passo para refletir sobre isso.

A entrevista foi realizada via e-mail por Gilberto da Silva

Poliana Fabíula Cardozo, docente para o curso de turismo na Universidade Estadual do Centro-Oeste (Irati, Paraná), é especialista em mundo árabe e imigração. Também, não perde a oportunidade de correr o mundo por paixão e por amor

Compartilhe esse texto

Share to Google Buzz
Share to Google Plus
Share to LiveJournal
Share to Yandex