Francisco Américo Cassano

O que, inicialmente, parecia uma simples decisão do governo ucraniano – a de não assinar um acordo de cooperação com a União Europeia – vem se transformando em uma série de efeitos colaterais sem previsão de término e que já se aproxima de um possível rompimento de relações dos Estados Unidos/União Europeia com a Rússia.

Após essa decisão ter sido rejeitada pela população ucraniana e que acarretou a deposição daquele governo e a eleição de novo governante, surge o primeiro efeito colateral com a Rússia decidindo que deveria intervir para manter a Ucrânia sob controle próximo (e, com isso, garantir o seu status europeu).  

Ato contínuo, a Rússia estimulou a integração da Crimeia (até então república autônoma da Ucrânia) à Federação Russa, situação que se confirmou através de referendo do parlamento regional da Crimeia. O governo ucraniano, por seu lado, não reconheceu poder ao parlamento de Crimeia para a secessão.

Tem início assim, um novo efeito colateral que se caracterizou por manifestações de uma parte da população ucraniana contra a interferência do governo russo e que foi agravado pelas manifestações de outra parte dos ucranianos – denominada de pró-Rússia – com o acirramento de conflitos separatistas.

Com o acirramento dos conflitos separatistas, surge outro efeito colateral – de maior amplitude – que foi a retomada das práticas utilizadas no período da Guerra Fria: a Ucrânia – com apoio do Ocidente – acusa a Rússia de patrocinar os rebeldes ucranianos, e, por seu lado, a Rússia acusa o governo ucraniano de punição indevida aos separatistas. Dessa situação complexa, os Estados Unidos e a União Europeia impõem sanções ao governo russo como forma de garantir os princípios do direito internacional e da Carta das Nações Unidas.

Nesse intrincado cenário, no qual os interesses econômicos se sobressaem, surge então um grave e inesperado acidente: o abatimento de um avião comercial malaio com o uso de míssil que, provavelmente, tenha sido lançado por separatistas ucranianos apoiados pela Rússia (embora ainda não haja confirmação oficial, o serviço de inteligência da Ucrânia informou dispor de gravações com conversas entre separatistas, que comentaram a derrubada de avião no mesmo horário do ocorrido com o avião malaio).

Este, sem dúvida, pode ser o pior efeito colateral dos que até aqui foram relatados. A possibilidade de ampliação de sanções à Rússia, e a reação da mesma às tais sanções, poderiam implicar – sem se levar em consideração a possibilidade de conflitos bélicos – em entrave na economia global, com repercussão nos preços internacionais de três importantes commodities: gás, trigo e milho.

Assim, esta série de efeitos colaterais pode ocasionar outra série de efeitos a serem sentidos por toda a população mundial: aumento generalizado de preços (alta dos índices de inflação); perda de poder aquisitivo; diminuição do comércio internacional; diminuição da demanda e da oferta de bens de consumo durável e não durável. É melhor pensar em solução para os primeiros efeitos colaterais!

*Francisco Américo Cassano é Doutor em Ciências Sociais voltada para Relações Internacionais, Mestre em Economia Política e Bacharel em Ciências Econômicas pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professor de Relações Internacionais da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Compartilhe esse texto

Share to Google Buzz
Share to Google Plus
Share to LiveJournal
Share to Yandex