Levantamento bibliográficos de artigos científicos voltado ao Ensino da Biologia no Ensino Médio brasileiro

Levantamento bibliográficos de artigos científicos voltado ao Ensino da Biologia no Ensino Médio brasileiro

Rogério Klak Santos*

Leticia Krol Santos**

 

RESUMO: objetivou-se analisar as publicações relacionada ao ensino da Biologia em Ensino médio brasileiro. Realizamos levantamento de dados bibliográficos em três dos principais periódicos brasileiros na área de ensino de ciências, verificando a atual realidade das divulgações artigos relacionados a Biologia, através de periódicos científicos. Considerou-se os artigos publicados nos anos de 2009 a 2013, sendo selecionados com base no título e resumo identificando as seguintes categorias; áreas do ensino, formação dos autores e a localização geográfica dos mesmos.

Palavras-chave: Revisão bibliográfica, Biologia, Ensino Médio, Publicações.

RESUME: aimed to analyze the publications related to the teaching of biology in Brazilian High School. Performed a survey of bibliographic data in three major Brazilian journals in the field of science education, checking the current reality of disclosures articles related to biology through scientific journals. Considered articles published in the years 2009-2013, were selected based on title and abstract identifying the following categories; areas of education, training of authors and the geographical location of customers.

Key words: Literature review. Biology. Secondary school. Publications.

Introdução

O ensino da biologia teve como grande avanço por volta dos anos 1960, onde houve um disparo do conhecimento científico em específico o conhecimento biológico, junto a isso uma solidificação da pesquisa em educação contendo vários programas distribuídos geograficamente no Brasil. Deste modo, necessita de estudos para verificar se este crescimento é constante ainda hoje, referindo-se em publicações em periódicos relacionado ao ensino de Biologia.

Assim, este trabalho tem como objetivo realizar um levantamento bibliográfico analisando as publicações relacionadas ao ensino da Biologia em Ensino Médio brasileiro, verificando se o hoje as publicações em ensino da Biologia estão bem representada.

Conforme Teixeira (2006) a produção de trabalhos acadêmicos existem deste 1970, retrata-se do Ensino de Ciências com parcelas que apresentam o ensino da Biologia. Há uma preocupação em como está a representação em forma de trabalho científico disponíveis periódicos nos dias de hoje referindo-se ao estudo da Biologia no Ensino Médio. Pois uma forma de demostrar como a biologia pode contribuir de forma mais significativa para ciências, é através do mesmo, considerando estes periódicos como meio de divulgação.

Conforme krasilchik, (2004) o que realmente contribuiu para estas transformações foram a certificação da importância do ensino de ciências como fator proeminente no desenvolvimento, junto a isso por volta de 1961 a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB).

Assim, como citado acima, este período ficou conhecido como período de grande avanço, todo este conjunto de ocorrências contribuiu para o grande impulso e ambição dos professores e pesquisadores para a elaboração de materiais didáticos de apoio aos professores e alunos do ensino Fundamental e Médio, os quais tinha como apoio livros traduzidos de fora do país que não era satisfatório por haver uma outra cultura no Brasil (NARDI, 2005).

Para a localização dos estudos,  e assim, verificando as publicações sobre o assunto de interesse, foram escolhidas três dos principais periódicos brasileiros da área de ensino de ciências, justificando sim a escolha por serem periódicos de grande relevância para o assunto de pesquisa, sendo eles; Investigações em Ensino de Ciências, Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Ciência & Educação (Bauru), considerou-se para a realização deste trabalho, os artigos publicados nos anos de 2009 a 2013.

Para a realização dos levantamentos de dados relacionado o assunto da pesquisa, levamos em consideração o título e o resumo exibido, permitindo desta forma a verificação da área de estudo que se referia, em seguida buscamos verificar qual a formação dos autores, a data de publicação e a origem do trabalho, deste modo conferindo a distribuição geográfica no Brasil e também de onde parte a maior contribuição, para isso, os artigos que não citavam estas informações, a busca foi  em seu currículo Lattes, levando em consideração as informações do respectivo ano de publicação.

Desenvolvimento

Foram analisados dentro deste recorte de 2009 a 2013, 541 artigos dentro das três revistas; a primeiro momento observamos uma contribuição de autores e pesquisadores de vários lugares do Brasil e inclusive do exterior. Na Tabela 1, procuramos primeiramente apresentar a distribuição dos artigos publicados no exterior mesmo não sendo o objetivo deste trabalho, mas desta forma demostrar que trabalhos externos também contribui em forma de publicações para o Ensino da Biologia no Brasil, mesmo sendo uma pequena representação. Logo, isso nos indica que, 90,57% das publicações encontradas formam dos brasileiros.

Tabela 1: Local e relação dos artigos encontrado nos periódicos, representado de forma geral e relacionados a Biologia, do exterior.

 FONTE: Investigações em Ensino de Ciências, Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Ciência & Educação (Bauru) (2009-20013). Organização: SANTOS, R. K. (2014).

 

Desta forma, buscamos representar também na Figura 1, a distribuição geográfica das publicações de forma geral nos Estados brasileiros e observamos que, dentre os três primeiros Estados que apresentaram as maiores contribuições está; o Estado de São Paulo com 33,53%, seguida do Rio de Janeiro com 11,82% e Paraná com 10,99%.

Já relacionado com Ensino da Biologia ocorreu o maior número de publicações também nos três Estados mencionados acima, porém alterando a sequência do que apresentamos acima, assim ficando; Paraná com 19,23% das publicações, São Paulo 17,94% e Rio de Janeiro 14,10%. Teixeira (2008) em um estudo parecido, constatou resultados parecidos a isso eu seu trabalho de tese de doutorado realizado em 2008, informando que a maior concentração, portanto, de tese e dissertações ocorre na região Sudeste e Sul.

Figura 1: Distribuição das publicações de artigos nos Estados do Brasil, de forma total e de Biologia nas Revistas analisadas, nos últimos cinco anos, no Brasil.

Organização: SANTOS, R. K. (2014).

Todavia, vale destacar que em geral houve contribuição de publicações de 24 Estados Brasileiros, o que demostra uma distribuição significativa, Entretanto, dentre estas 24 Estados brasileiros de apresentaram artigos publicados 9 deles não apresentarem nenhum trabalho de Ensino em Ciências, demostrando que mesmo com uma boa distribuição geográfica há uma desigualdade na produção. Megid Neto (1999) quando abordou este assunto argumentou que isso ocorre, por falta de programas nestas regiões, reduzindo a produção de pesquisas educacionais. Obviamente que hoje com relação ao trabalho deste autor apresentou melhoras, os quais foram frutos dos resultados dos trabalhos dele que influenciou ao desenvolvimento e criação de principalmente de pós-graduação nestas regiões.

Neste trabalho como citado a cima, demostra que hoje mesmo tendo representações de programas em vários Estados, a uma disparidade que Campos e Favero (1994) descreve como desigualdade econômica e social. Está centralização da pesquisa são discutidas e são metas pela CAPES a descentralizar, proposta feita para os anos de 2005 e 2010 (CAPES, 2004), com isso, vemos hoje com este resultado que não será fácil alterar esta situação.

Ao que se refere aos autores, das publicações em geral, as maiores contribuições foram 36,41% de Doutores; 19,4% de Mestres e 19,3 de Doutorandos, como podemos observar na Tabela 2. Resultado faz relação com o discutido acima, pois a maior concentração de Doutores corresponde as regiões de Sudeste e Sul conforme Teixeira (2008) o qual apresenta resultados similares em seu trabalho e demostra que em geral Norte, Nordeste e Centro-Oeste tem uma representação de vinte a sessenta Doutores por mil habitantes, já no Sul e Sudeste concentra-se trezentos por mil habitantes.

Lemgruber (2000), em suas analises para área de Ensino de Ciências, Física e Biologia, contatou o oposto o qual encontrou em seus resultados 15% para Doutorado e 85% para Mestrado, resultados parecidos com Megid Neto, Fracalanza e Fernandes (2005) em um levantamento até 2003, observaram (84%) se referiam as dissertações de mestrado e (15,3%) as teses de doutorado. Observando também que houve leve aumento na produção de artigos independente da formação dos autores, comparando desde 2009 há 2013.

Tabela 2: Formação dos autores das publicações nas Revista analisadas do ano de 2009 a 2013.

 FONTE: Investigações em Ensino de Ciências, Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Ciência & Educação (Bauru) (2009-20013). Organização: SANTOS, R. K. (2014).

 

O total de publicações foram agrupadas em 8 áreas possíveis, a saber: Educação Física a qual não está representada no gráfico por haver somente um trabalho relacionado a esta área, Matemática, Ciências, Física, Educação Ambiental, Pedagogia, Geografia, Biologia e Química, apresentado na Figura 2.

A área da pedagogia foi a melhor representada com 28,2% de artigos publicados, seguido de Ciências que obteve 17,25%, Biologia 15,58%, Física com 14,47%, Química com 11,5%, Matemática com 8,26%, Educação ambiental 4,45% a Geografia com 0,37% e por fim Educação Física com 0,18%.

Resultado expresso referente aos trabalhos de Biologia, confirmando com krasilchik (1986b) que em discussão dizia que o ensino fundamental é historicamente mais privilegiado pelos biólogos, já Teixeira (2006, 2008) também trata estas informações, demostrando o contrário, ou seja, uma predominância em produções de dissertações e tese sobre Ensino Médio comparado com o ensino fundamental, o qual, justifica com os argumentos de Selles e Ferreira (2004) afirmando que o ensino de Biologia demostra ser uma disciplina de grande relevância na Educação Básica.

 

Figura 2: Relação dos artigos encontrados nos três periódicos analisados e suas respectivas áreas de ensino no período de 2009 a 2013.

FONTE: Investigações em Ensino de Ciências, Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Ciência & Educação (Bauru) (2009-20013). Organização: SANTOS, R. K. (2014).

Com isso, fica a questão talvez para responder em outro trabalho, hoje conforme observado nesta pesquisa o estudo com relação a Biologia em Ensino Médio estabilizou-se, e por outro lado, os estudos no ensino fundamental especificamente em ciências e sobretudo da parte da pedagogia está muito mais acelerada. Como justificar esta tal estabilização, mesmo sabendo que os números de programas de Pós-graduações estão aumentando.

Conclusão

Diante do exposto, concluiu-se que a Biologia está entre as três áreas em destaque dentre estes últimos cinco anos, porém, ficar evidente a estabilização da mesma, o que chamo de crescimento lento quando comparado com outras áreas em destaque. Pois seu crescimento não é igualmente ao Ensino de Ciências como exemplo.

Outro aspecto a ser observado são o desenvolvimento dos programas de Pós-Graduação nos Estados brasileiros, esta tendência observada em trabalhos realizados a oito anos atrás, os quais justificavam que este crescimento geográfico aconteceria. Entretanto, este trabalho demostrou que isso ocorreu com relação aos trabalhos relacionados ao Ensino de Ciências e Pedagogia, e não surtiu diferença em trabalho relacionados a Biologia em Ensino Médio.

A distribuição geográfica dos trabalhos relacionadas a Biologia ainda encontra-se centralizados somente nas regiões Sudeste e Sul, com uma grande necessidade nos últimos cinco anos de exploração das Universidades que localizam-se nos 9 Estados brasileiros que destacaram-se neste trabalho, cogitando além desta má distribuição geográfica houve uma representação de autores do exterior, como exemplo o Chile que contribuiu com 5,88% dos artigos sobre Ensino da Biologia.

Com relação ao nível de titulação prevalece os Doutores com maior contribuição, seguido de Doutorandos e consequentemente os Mestres, o que parece ter mudado com relação aos trabalhos realizados a oito anos atrás, os quais demostravam que reduziam-se a produção de Mestrado para Doutorado, isso nos informa que, esta mudança não é a principal na produção de trabalhos, e sim que há outros pontos a ser examinado.

Assim, esperamos que com este trabalho, que contribua é a divulgação das pesquisas relacionado ao Ensino da Biologia, tornado mais claro a compreensão do desenvolvimento desta área no Brasil. Desta forma, demostrando o quanto a Biologia poderia contribuir de forma mais significativa para a ciência.

REFERÊNCIAS

CAMPOS, Maria Malta; FAVERO, Osmar. A pesquisa em Educação no Brasil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 88, p. 5-17, Fev. 1994.

CAPES. Ministério da Educação. Plano Nacional de Pós-Graduação (PNPG): 2005-2010. Brasília: MEC/CAPES, 2004.

 

TEIXEIRA, Paulo Marcelo Marini; MEGID, Neto Jorge. Investigando a pesquisa educacional. Um estudo enfocando dissertações e teses sobre o ensino de Biologia no Brasil. Investigações em Ensino de Ciências (Online), v. 11 (2), p. 1-26, 2006.

KRASILCHIK, Myriam. Prática de ensino de biologia. 4. ed. São Paulo: Edusp, 2004.

KRASILCHIK, Myriam. Prática de ensino de biologia. 2.ed. São Paulo: Harper, 1986.

LEMGRUBER, Marcio Silveira. Um panorama da Educação em Ciências. Educação em Foco, Juiz de Fora, vol. 5, n. 1, p. 13-28, mar/set 2000.

MEGID NETO, Jorge; FRACALANZA, Hilário; FERNANDES, Rebeca Chiacchio Azevedo. O que sabemos sobre a pesquisa em Educação em Ciências no Brasil (1972-2004). In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 5, 2005: Bauru, SP. Atas… Bauru: Abrapec, 2005. CD-ROM.

MEGID, Jorge Neto. Campinas, 1999. 365f. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Tendências da pesquisa acadêmica sobre o ensino de Ciências no nível fundamental. Educação, Universidade Estadual de Campinas, Pós-Graduação, Brasil, Unicamp, São Paulo. Disponível em: < http:/ /www. Biblioteca digital.unicamp.br/document /?code=vtls000189131>. Acesso em: 12/06/2014.

SELLES, Sandra Escovedo; FERREIRA, Marcia Serra. Influências histórico-culturais nas representações sobre as estações do ano em livros didáticos de ciências. Ciência & Educação, Bauru, v. 10, n. 1, p. 101-110, 2004.

TEIXEIRA, Paulo Marcelo Marini; MEGID, Jorge Neto. Investigando a pesquisa educacional: um estudo enfocando dissertações e teses sobre o ensino de biologia no Brasil. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 11, n. 2, p. 261-282, 2006.

TEIXEIRA, Paulo Marcelo Marini. Pesquisa em Ensino de Biologia no Brasil (1972-2004): um estudo baseado em dissertações e teses. Campinas, 2008. 413f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Programa de Pós-Gradução: Educação, Unicamp, São Paulo. Disponível em: http://www. bibliotecadigital.unicamp.br/document /?code=000449571&fd=y. Acesso 20/06/2014.

*Graduado em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual do Paraná – UNESPAR, Campus União da Vitória. E-mail: rogerioklaksantos@hotmil.com

**Letícia Król Santos é Mestre em Geografia na Universidade Estadual do Centro-Oeste – UNICENTRO, com ênfase na Linha de Pesquisa Dinâmica dos Espaços Rurais e Urbanos. E-mail: leticiakrol@hotmail.com

Citar como: SANTOS, Rogério K; SANTOS, Letícia K. Levantamento bibliográficos de artigos científicos voltado ao Ensino da Biologia no Ensino Médio brasileiro. P@rtes (São Paulo) Agosto de 2014.

 

Post Author: partes