DIA-DO-SACI

Aparecida Luzia de Mello*

Uma vez por semana a avó ficava com a netinha no período da noite até as 23h. Horário em que a filha chegava do mestrado.

A avó saia de casa à tarde, cruzava a cidade, pegava a garotinha na escola às 17h. Normalmente a menina vinha, no carro, cantando a música ensaiada na semana.

Chegando à casa da filha, a avó preparava o banho da pequena, que vinha exausta das atividades e brincadeiras.

Servia o jantar e sentava com a netinha para brincar até mais ou menos às 21h, horário determinado para o famoso “já pra caminha! ”.

A ausência da mãe durante o dia era suportável, a menininha aceitava bem que a mamãe tivesse que trabalhar fora. Ficava com a babá até a hora do almoço, ia para a escola a tarde e na saída, a mãe estava a sua esperava.

Ocorre que com o mestrado a rotina teve que mudar e foi aí que “a porca torceu o rabo”. Toda noite que a mãe tinha aula era um chororô só. Embora a duas, avó e neta se dessem muito bem e houvesse entre elas um carinho muito grande, a menina, talvez pela pouca idade – 3 anos – ainda sentia muita falta da mãe na hora de dormir.

Para driblar este momento angustiante de chororô que não acabava mais, a avó tentou vários recursos. Pegava no colo, fazia cafuné na cabecinha dela, deitava junto, cantava, dançava, desenhava, pintava, fotografava e assistia desenhos com a menina. Em muitos momentos ela se distraia, acompanhava e gargalhava. Mas apesar de todo esforço, rapidamente, ela se dava conta que a mãe não estava ali e começava toda lamúria de novo:

-: eu quero a minha mamãe, eu quero a minha mamãe, eu quer…

E dá-lhe lágrimas. Até que vencida pelo cansaço adormecia soluçando. Aquilo era uma tortura para a avó, que atravessava a cidade novamente para voltar para sua casa sentindo-se exausta e frustrada. Um dia ela resolveu levar um livro para mostrar as figuras, ler e contar as histórias para a netinha.

Foi um sucesso. A única coisa que não deu certo foi cumprir a hora do sono. A garotinha ficou acordada, até a mãe chegar, querendo ouvir a história dos 3 porquinhos. Cada vez que a avó terminava de mostrar as ilustrações e contar a história, ela com o paninho coçando os olhinhos e carinha de sono, sentada no colo dizia bem baixinho:

-: de novo vovó!

Não era a melhor solução, pois saia da rotina que a mãe exigia, mas pelo menos o chororô deixou de existir.

Na semana vindoura a avó se preparou, munida de um novo livro, repetiu o sucesso da semana anterior, desta vez com a história do chapeuzinho vermelho. Assim, foi por sucessivas semanas. Teve o dia que contou a história da branca de neve, da cinderela, João e Maria, entre outras. A avó passou a ser uma rata de livraria em busca de livretos ilustrados para distrair a netinha.

A partir daí sempre que ela via a avó na saída da escola já sabia que era dia de historinha. E saia no enorme corredor gritando:

-: vovó eu quero uma historinha! Vovó eu quer…

Acompanhava tudo sempre com muita atenção, repetia o já famoso – de novo vovó – e, quando a mãe chegava, as duas se abraçavam, trocavam mil beijinhos e ela corria para o quarto para dormir.

A escola, onde a garotinha estudava, tinha em seu currículo atividades diversas relacionadas ao meio ambiente; às artes – pintura, canto, dança; aos eventos cívicos; a culinária e também contemplava os personagens do folclore brasileiro.

Havia muitas comemorações, começando com o carnaval em fevereiro/março; páscoa, Tiradentes e dia do índio em abril; dia das mães em maio; festa junina em junho; dia dos pais e dia do folclore brasileiro – em agosto; Independência do Brasil e a entrada da primavera em setembro; dia da criança e do professor em outubro e ao invés da festa de helloween comemorava o dia de um dos nossos personagens mais conhecidos do nosso folclore que é o Saci Pererê:

O Saci-Pererê é representado por um menino negro que tem apenas uma perna. Sempre com seu cachimbo e com um gorro vermelho que lhe dá poderes mágicos. Vive aprontando travessuras e se diverte muito com isso. Adora espantar cavalos, queimar comida e acordar pessoas com gargalhadas. (Http://www.suapesquisa.com/).

 

diadosaci0

Que desde 2005 passou há ter um dia exclusivamente seu – 31 de outubro. A escola comemorava também o dia da Proclamação da República e da Bandeira em novembro; o natal e encerramento das atividades do ano em dezembro.

No dia 31 de outubro os professores aproveitaram para apresentar um teatrinho com o personagem do dia – O Saci Pererê! E promover o dia da “Contação de Histórias”.

Aparecida Luzia de Mello é mestre em Políticas Sociais

Aparecida Luzia de Mello é mestre em Políticas Sociais

Quando a avó, naquele dia, foi buscá-la na escola, ela estava eufórica. E gritava:

-: “vovó hoje eu que vou te contar uma historinha pra você depois do jantar.”

A avó sorriu pelo jeitinho que a netinha havia falado. Banho tomado, barriguinha cheia e eis a hora da história. Ela então começa… Começa a gaguejar e repetir a mesma frase:

-: vovó hoje eu que vou te contar uma historinha… Hoje eu…

A avó procurou acalmá-la, depois de um tempo ela sentou-se e ficou quietinha. A avó sorrindo lhe perguntou qual era a historinha que ela iria contar.

E ela então disse:

-: vovó eu vou te contar uma historinha do Saci Pererê.

E começou…

-: Ele estava na floresta e aí encontrou uma, uma, uma…

Coçou a cabecinha, dando sinais que estava tentando lembrar o quê ele havia encontrado na floresta… E finalmente completou…

-: o Saci Pererê encontrou uma SAÇÁ PARARÁ![1] Casaram e foram felizes para sempre…

 

 

Bibliografia

SACI PERERÊ. Disponível em: <http://www.suapesquisa.com/folclorebrasileiro/folclore.htm> Acesso em: 11/01/2011.

 

 

* Mestre em Políticas Sociais.

Email: cidamell@uol.com.br



[1] Inspirada pela música onde as vogais são trocadas para que as crianças percebam os sons diferentes:

O sapo não lava o pé, Não lava porque não quer, Ele mora lá na lagoa, Não lava o pé porque não quer, Mas que chulé!!!

- A sapa não lava a pá, Não lava porqua não quar, Ala mara lá na lagaa, Não lava a pá porqua não quar, Mas qua chalá!!!

- E sepe não leve e pé, Não leve perque não quer, Ele mere lé ne legee, Não leve e pé perque não quer, Mes que chelé!!!

- I sipi não livi i pi, Não livi pirqui não quir, Ili miri li ni ligii, Não livi i pi pirqui não quir,

Mis qui chilí!!!

- O sopo não lovo o pó, Não lovo porquo não quor, Olo moro lo no logoo, Não lovo o pó porquo não quor, Mos quo choló!!!

- U supu não luvu u pu, Não luvu purquu não quur, Ulu muru lu nu luguu, Não luvu u pu purquu não quur, Mus quu chulú!!!

Compartilhe esse texto

Share to Google Buzz
Share to Google Plus
Share to LiveJournal
Share to Yandex