O professor mediador do conhecimento em mídia na educação infantil

O professor mediador do conhecimento em mídia na educação infantil

Rondiney dos Santos Silva[*]

 

Rondiney dos Santos Silva Professor da rede pública de ensino do Estado do Amapá. Graduado em Artes Visuais e Especialista em Mídias na Educação pela Universidade Federal do Amapá. E-mail: rondineyssilva@bol.com.br.

Resumo: Este artigo objetiva analisar conceitos, potenciais e implicações do uso das mídias na educação, tendo em vista a realidade da escola Municipal Eunice das Chagas Fernandes, localizada em Macapá-AP. Deste modo, a partir de análise da contribuição que as mídias podem levar ao processo de ensino-aprendizagem na educação infantil, com a ação de um professor mediador, ilustrou-se este trabalho com uma intervenção pedagógica cujos resultados serão vistos no decorrer deste artigo.

Palavras-chaves: mídias, educação, conhecimento infantil.

Abstract: This paper aims to analyze concepts, and potential implications of the use of media in education, with a view to the reality of the Municipal School Eunice das Chagas Fernandes, located at Macapá-AP. Thus, from analysis of the contribution that the media can lead to the teaching-learning process in early childhood education, with the action of a facilitator, illustrated up this work with an educational intervention whose results will be seen throughout this article.

Keywords: media; education; children’s knowledge.

 

1 Introdução

Nascidas em uma época na qual as tecnologias digitais fazem parte do cotidiano, as crianças que hoje frequentam as escolas são muito diferentes daquelas das de gerações anteriores. Os aparatos tecnológicos têm levado a maioria dos professores a renovar suas estratégias de ensino, objetivando oferecer um melhor ensino, deixando de lado o formato tradicional ao inserir as tecnologias de informação e comunicação (TICs) na educação infantil. Atualmente, os laboratórios de informática educativa (LIEDs) tornaram-se recursos de suma importância ao processo educacional. O LIED é um espaço em que os alunos também aprendem por meio de softwares educativos e internet.

Assim, para abordar o tema da função dos docentes como mediadores do conhecimento de mídias em educação infantil, apresentar-se-á, neste artigo, um breve estudo de caso de uma escola municipal localizada no município de Macapá-AP, como estratégia ilustrativa da importância que as TICs têm no desenvolvimento cognitivo de crianças na fase da escolaridade.

 

2 Professor na cultura midiática

Devido às constantes mudanças tecnológicas, a sociedade atual abre mais espaço para os meios virtuais. Essa realidade leva em conta a capacidade de interatividade demonstrada pelas tecnologias digitais existentes. A relação entre professores e alunos diante das novidades tecnológicas facilita a aprendizagem, construindo assim uma nova forma de ensinar. Neste contexto, os docentes devem assumir uma postura mais de mediadores do conhecimento no uso das mídias aplicadas ao ensino de crianças. No entanto, é necessário: a) evitar o deslumbramento, b) assumir a criticidade, e c) abandonar práticas meramente instrumentais.

Para Brandão (2002), os professores que estiverem preparados tecnologicamente e com uma formação pedagógica apropriada para explorar os recursos disponíveis estarão contribuindo para a formação de sujeitos mais ativos e críticos. Mercado observa que: “na formação de professores, é exigido dos professores que saibam incorporar e utilizar as novas tecnologias no processo de aprendizagem” (MERCADO, 1999, p. 12). A superação desse problema consiste no desenvolvimento de um processo de formação que, além de dotar o professor de saberes referentes ao conteúdo, permita estabelecer críticas e/ou manusear com habilidade as diversas tecnologias midiáticas.

Nesse sentido, as unidades educacionais se constituem em lugares privilegiados de construção de conhecimentos e práticas ao democratizar o acesso aos instrumentos e promover diálogos constantes nas relações entre a criança, o meio e as tecnologias mediadas pela presença do educador.

Partindo-se do princípio que a educação infantil é a primeira parte da educação básica, torna-se necessário que o olhar sobre a mesma esteja conforme sua realidade. Uma proposta pedagógica, que tenha foco nas mídias digitais aplicadas na educação infantil, tem como finalidade o desenvolvimento integral de crianças até seis anos de idade, em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social, complementando a ação da família e da comunidade.

Assim, ao seguir as indicações acima, os professores devem atentar-se para o fato de que as mídias fazem parte do dia-a-dia de crianças, principalmente pela forte presença da televisão (BUCCI, 2002), a qual atinge o ponto mais sensível dos menores: o olhar. Para Kehl (1991, p. 48): “o olhar capta a imagem, antes mesmo que a palavra a nomeie”.

 

3 Fazer pedagógico e as crianças na sala de aula

Para ilustrar o debate apresentado neste artigo, apresentar-se-á o estudo de caso realizado na Escola Municipal Eunice das Chagas Fernandes, localizada na zona urbana da cidade de Macapá-AP, a qual oferece ensino fundamental do primeiro ao nono ano e a Educação de Jovens e Adultos. Para tanto, fez-se levantamento sobre a situação do uso das mídias em sala de aula, com o uso de questionário aberto aplicado a quatro docentes da instituição referida. Pelas respostas relatadas, percebeu-se que, que apesar dos recursos tecnológicos disponíveis na escola, os quais são vários, o que falta é uma melhor preparação dos docentes para o uso dos equipamentos.

A pesquisa-intervenção realizada no LIED, no mês de outubro de 2014, aconteceu em dois momentos. No primeiro, levaram-se em conta algumas práticas com mídias usadas costumeiramente por quatro professores, sendo dois do 2º Ano e dois do 3º Ano, os quais serão identificados, respectivamente, por letras maiúsculas: A, B, C e D, como forma de manter o anonimato dos mesmos.

Na primeira parte da ação pedagógica, os professores A e B dos 3º Anos usaram a TV e o DVD player com os filmes Pinóquio e A Era do Gelo.  Após as sessões, não houve nenhuma intervenção dos professores e nem uma discussão por parte dos alunos, no sentido de compartilhar o que aprenderam. Entende-se nesse momento que o uso das mídias foi um passatempo, sem comprometimento crítico-reflexivo. Os professores C e D do 2º Ano desenvolveram suas aulas com o DVD-ROM Patati e Patatá, com crianças que ficaram sentadas. No final, também não houve intervenção por parte destes professores sobre a prática realizada.

Na segunda parte, dentro da proposta pedagógica idealizada para este trabalho, usou-se o método de intervenção como embasamento que pressupõe uma nova relação entre indagar e agir, já que a própria indagação se constitui como ação e como nova relação entre sujeito e objeto (PENTEADO, 1991). Afinal, sujeito e objeto se produzem conjuntamente, pois as práticas são de subjetivação e objetivação. Essa ação formativa tem base na Pedagogia da Comunicação fundamentada nos estudos de Penteado (1991), para a qual a escola é essencialmente um espaço de comunicação, o que faz com que toda ação educativa seja também uma ação comunicativa.

Dessa forma, a ação pesquisadora-educativa se direcionou aos mesmos professores do 2º ao 3º Ano citados anteriormente, com suas respectivas turmas. O procedimento foi feito em duas fases. Na primeira, buscou-se entender por meio de entrevistas-questionário e observação, qual era o imaginário dos professores em relação às implicações da mídia televisiva no processo de aprendizagem das crianças. A partir disto, iniciou-se a segunda fase, por meio de uma aula ministrada pelo então pesquisador-mediador, em dias consecutivos, devido as turmas serem de anos/séries diferentes.

Foram repassados os mesmos filmes cujos professores A e B trabalharam, porém dentro de um enfoque metodológico relacionado às mídias, visando direcionar o olhar próprio das crianças em sintonias com as novas mídias educativas. Nesse caso, o procedimento foi a indagação, reflexão e a comparação, por parte das crianças, sobre o que significava as personagens dos filmes Pinóquio e A Era do Gelo. Em seguida, o conteúdo foi relacionado aos contextos dos alunos, e finalizado com uma atividade de casa em que eles deveriam elaborar e trazer na próxima semana uma estória, que se relacionasse de forma metafórica a um dos assuntos vistos nos filmes, sendo escolhida a amizade entre os indivíduos.

Quanto ao DVD-ROM Patati e Patatá, juntamente com os professores C e D, tentou-se dinamizar a aula midiaticamente, de tal maneira que os alunos pudessem expressar-se com gestos referentes às faixas musicais, explorando suas lateralidades, oralidades e letramento. Em seguida, foram dadas, aos grupos de alunos, figuras impressas de alguns personagens do DVD-ROM referido, para que pintassem e em seguida compartilhassem aos demais grupos os trabalhos feitos, contextualizando-os e refletindo como eles se veem em tais personagens.

4 Considerações finais

Com base na realidade atual, em que os alunos já nascem com as tecnologias em suas voltas, esse trabalho apresentou um assunto que precisa ser avançado e alavancado como suporte de uma educação com e para as mídias. Dentre tantas possibilidades para o uso das tecnologias digitais, uma das razões para o uso das mesmas é que pode ocorrer mais interação e troca de informações entre professores e alunos, dentro de um plano de aula respaldado em planejamento.

Neste sentido, observou-se que a mídia, quando direcionada de forma comunicacional, desenvolve o cognitivo e o sociocultural da criança, em que o professor é o agente mediador entre o fazer pedagógico e o conhecimento adquirido das crianças.

Nos resultados observados das atividades desenvolvidas, percebeu-se que os alunos que já possuíam um pouco de domínio da leitura e da escrita, as atividades foram um estímulo para quererem continuar a desenvolverem-se intelectualmente; e para aqueles que possuíam dificuldades, verificou-se que passaram a desejar aprender um pouco mais rapidamente sobre os assuntos abordados.  Por fim, aos professores, coube a tarefa inovadora da pedagogia comunicacional em que se visou um educar com qualidade, instigando para o respeito à diversidade cultural.

 

Referências bibliográficas

BRANDÃO, Edemilson. Comunicação escolar, uma metodologia de ensino. São Paulo: Salesiana, 2002.

BUCCI, Eugênio. A publicidade é boa escola de política. Revista Nova Escola, p. 14, maio. 2002.

KEHL, Maria Rita.  Imaginar e pensar. In: NOVAES, Adauto. Rede Imaginária. SP: Cia. das Letras, 1991.

MERCADO, Luis Paulo Leopoldo. Formação continuada de professores e novas tecnologias. Maceió: Edufal, 1999.

PENTEADO, Heloisa Dupas. Televisão e escola, conflito ou cooperação? São Paulo: Cortez, 1991.

DVD-ROM Coleção Brincando com Patati Patatá – Vol. 2 (3 Discos)- Gravadora: SOM LIVRE; detalhes: Karaokê, Fotos , Making of, Desenhos Animados e Histórias Engraçadas; gênero infantil, faixa etária: livres, formato de tela: Widescreeen Anamórfico; Ano de fabricação 2013; duração 199 minutos, idioma (áudio) português, idioma original: inglês, idioma legenda: Inglês, Português, Espanhol, Espanhol, País Brasil, 2013.

DVD-ROM A Era do Gelo 4. Direção: Steve Martino, Mike Thurmeier, Nome Original: Ice Age: Continental Drift, Ano: 2012, Duração: 94 min, País: EUA, Classificação: Livre, Gênero: Animação

DVD-ROM Pinóquio. Direção: Norman Ferguson, T. Hee. Ano: 1940. Tempo: 89min. País: EUA. Formato de Tela: Normal. Região: 4. Legenda: Português. Aúdio: Inglês (Dolby Surround 2.0), Português (Dolby Surround 2.0). Produtora: Walt Disney Productions.

[*] Professor da rede pública de ensino do Estado do Amapá. Graduado em Artes Visuais e Especialista em Mídias na Educação pela Universidade Federal do Amapá. E-mail: rondineyssilva@bol.com.br.

Post Author: partes