* por Tom Coelho

“O Brasil é uma nação de espertos que,

reunidos, formam uma multidão de idiotas.”

(Gilberto Dimenstein)

Em 1976, Gérson de Oliveira Nunes, jogador de futebol que integrou a equipe campeã mundial em 1970, teve seu nome eternizado ao protagonizar  uma campanha publicitária histórica para a marca de cigarros Vila Rica, de propriedade da J.

Tom Coelho é educador, palestrante em gestão de pessoas e negócios, escritor com artigos publicados em 17 países e autor de sete livros. E-mail: tomcoelho@tomcoelho.com.br. Visite: www.tomcoelho.com.br e www.setevidas.com.br.

Tom Coelho é educador, palestrante em gestão de pessoas e negócios, escritor com artigos publicados em 17 países e autor de sete livros. E-mail: tomcoelho@tomcoelho.com.br. Visite: www.tomcoelho.com.br e www.setevidas.com.br.

Reynolds na qual, após desfilar os diferenciais do produto, proclamava: “Gosto de levar vantagem em tudo, certo? Leve vantagem você também”. Assim nasceu a “lei de Gérson”, que passou a designar a natureza utilitarista e pouco ética do brasileiro. Este princípio marcou por cerca de três décadas a personalidade de toda uma nação, tatuando na identidade tupiniquim a alcunha de “país do jeitinho”.

Vamos dar um salto no tempo para 2014. No dia 13 de abril, o Flamengo disputava a final do campeonato carioca contra o Vasco da Gama. O time rubro-negro jogava por um empate, mas perdia a partida até os 45 minutos do segundo tempo, quando igualou o placar com um gol irregular, em posição de impedimento, validado pelo árbitro e seus bandeirinhas. Não houve tempo para reação do adversário e o Flamengo levantou a taça para delírio de sua torcida.

Ao término do jogo, o goleiro campeão, Felipe, debochou da equipe rival: “Estava impedido, né? Roubado é mais gostoso!”.

Um procurador denunciou Felipe nos artigos 258 (assumir conduta contrária à disciplina esportiva), 243-D (incitar publicamente o ódio ou a violência) e 243-F (ofender alguém em sua honra) do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD). Contudo, o atleta foi lamentavelmente absolvido.

Perdeu-se, assim, uma oportunidade ímpar de se inaugurar, talvez, uma nova fase na cultura ética deste país. Afinal, se o Brasil é o país do futebol, seria exemplar começar pelos gramados a se difundir a mensagem de que existe o certo e o errado, e que o certo deve prevalecer. Felipe poderia ter sido suspenso de suas atividades por até 720 dias. Ainda que a pena fosse inferior a isso, seria um indicativo de que não estamos em um país sem lei e sem escrúpulos, onde a lei é uma mera formalidade num pedaço de papel.

Felipe representa não apenas a malandragem dos boleiros. Ele simboliza as falcatruas que se perpetuam pelo poder público, os favorecimentos típicos do ambiente político, as propinas que circulam em empresas privadas. Felipe é o carro que invade o acostamento, o motorista que inadvertidamente estaciona em vagas destinadas a idosos ou pessoas com deficiência, o espertinho que fura fila no ponto de ônibus.

Um procurador ingressou com recurso contra a decisão. Caso seja mantida a absolvição, fica decretada a promulgação da “Lei de Felipe”, segundo a qual, mais do que levar vantagem, o bom mesmo é obtê-la da maneira mas torpe possível: a partir do roubo.

 

* Tom Coelho é educador, palestrante em gestão de pessoas e negócios, escritor com artigos publicados em 17 países e autor de oito livros. E-mail: tomcoelho@tomcoelho.com.br. Visite: www.tomcoelho.com.br e www.setevidas.com.br.

Compartilhe esse texto

Share to Google Buzz
Share to Google Plus
Share to LiveJournal
Share to Yandex