De tempos em tempos me pego olhando a foto interna de Geraes e procurando meus vestígios - com ou sem barba -naquela mata da Universidade. Eu estava lá, sei. Mas como, onde, de que forma? Não sei... O “esquecer era tão normal” e eu sempre esqueci. E eu era quase criança. Só? Com amigos, talvez e mais provável. Mas quem? Sei lá... mas estava "com o coração aberto em vento" a procurar ser feliz...
Continue a Leitura »