Em coletiva, ministro explica contrato do Gripen

Brasil e Suécia chegaram a um denominador comum para assinatura do contrato de financiamento do projeto Gripen NG. O acordo sobre as taxas foi conduzido pelo ministro da Defesa, Jaques Wagner, em reunião com representantes da agência de promoção e fomento às exportações do país europeu, a SEK, nesta quarta-feira (29).

O Brasil escolheu o Gripen para reequipar a Força Aérea Brasileira (FAB) no fim de 2013 e, em 2014, assinou o contrato comercial. A Força Aérea Brasileira receberá 36 aviões de caça Gripen NG da empresa sueca Saab. A primeira aeronave deverá ser entregue em 2019 e, a última, em 2024.
O Brasil escolheu o Gripen para reequipar a Força Aérea Brasileira (FAB) no fim de 2013 e, em 2014, assinou o contrato comercial. A Força Aérea Brasileira receberá 36 aviões de caça Gripen NG da empresa sueca Saab. A primeira aeronave deverá ser entregue em 2019 e, a última, em 2024.
Ministro da Defesa Jacques Wagner. Fot: José Cruz/Agência Brasil
Ministro da Defesa Jacques Wagner. Fot: José Cruz/Agência Brasil

O ministro da Defesa, Jaques Wagner, deu entrevista sobre o projeto Gripen NG nesta quarta-feira (29), em Ladário (MS), ao participar das atividades da Operação Ágata 9. Wagner anunciou o fim das negociações com a Suécia para a assinatura do contrato do Gripen, após três dias de reuniões realizadas no Ministério da Defesa, em Brasília (DF).

“A solução foi boa para ambos os países. Vamos entrar em um mundo de tecnologia avançada. Dentro de dez a doze dias, vamos ratificar o contrato e teremos mais de 200 brasileiros indo a Suécia para treinamento”, afirmou o ministro.

Jaques Wagner explicou ainda que a taxa de juros, denominador comum entre os dois países, ficou em 2,19% (taxa CIRR). “O contrato já era bom prevendo oito anos e meio de carência e 25 anos para o pagamento”, salientou.

Wagner considerou natural o governo brasileiro ter insistido em reduzir a taxa de juros do contrato. “O Governo não poderia assinar em 2015 um contrato com a taxa de 2014”, disse o ministro referindo-se a queda das taxas de juros na Europa.

Mais do que os caças, o projeto Gripen NG é tecnologia. O contrato envolve o treinamento de pilotos e mecânicos brasileiros na Suécia, apoio logístico e a transferência de tecnologia para indústrias brasileiras.

A aquisição das aeronaves trará benefícios que vão além do aumento da capacidade operacional da Força Aérea Brasileira. Por meio de um ambicioso programa de transferência de tecnologia, o Brasil pretende deixar de ser um comprador para se tornar um fornecedor de aeronaves de combate de última geração.

O contrato prevê a fabricação de 15 das 36 unidades no Brasil, incluindo oito unidades de dois lugares, um modelo criado especialmente para a FAB.

A participação do Brasil no desenvolvimento do projeto dará à indústria aeronáutica brasileira acesso a todos os níveis de tecnologia, incluindo os códigos-fonte do Gripen. O programa de transferência de tecnologia incluirá itens como a integração de hardware, aviônicos, software e sistemas da aeronave, entre outros.

Lad

Post Author: revistapartes