Deficiências conceituais no estudo de funções, limites e cálculo integral: uma análise considerando modelos mentais

Niltom Vieira Junior e Karina Pereira Carvalho

Deficiências conceituais no estudo de funções, limites e cálculo integral: uma análise considerando modelos mentais

 

 

Niltom Vieira Junior[1] e Karina Pereira Carvalho[2]

 

 

Resumo

 

Este trabalho apresenta uma investigação realizada com alunos do Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG). A partir da realização de entrevistas semiestruturadas, de mapas conceituais e de modelagens matemáticas, foram identificados os modelos mentais dos estudantes perante uma das disciplinas com o maior índice de reprovação nas ciências exatas: cálculo diferencial e integral. Observou-se que a maioria dos alunos encontra-se distante do nível conceitual esperado e que em raros casos foram capazes de estabelecer relações entre teoria e prática. Portanto, este trabalho sugere que identificar as estratégias de raciocínio e os “degraus” de conhecimento dos alunos para um assunto específico, por exemplo, via modelos mentais, possibilita o planejamento de intervenções mais precisas e variações metodológicas no ensino de ciências e matemática.

 

Palavras-chave: cálculo integral; ensino de matemática; modelos mentais.

 

[1] Professor de matemática no Instituto Federal de Minas Gerais, doutor em engenharia pela Universidade Estadual Paulista (niltom@gmail.com).

[2] Licenciada em matemática pelo Instituto Federal de Minas Gerais, mestrando em matemática pela Universidade Federal de Itajubá (karinapkarvalho@hotmail.com).

 

Leia o artigo na íntegra em PDF

 

Post Author: partes