file4841253224171

Crédito da foto: https://morguefile.com/search/morguefile/8/footprint/pop

O chato de galocha

Gilda E. Kluppel

A voz estridente, em tom alto, anuncia: chegou o chato. Sempre invadindo os ouvidos alheios com palavras que ninguém deseja escutar. Quem não conheceu algumas dezenas de chatos e um, em especial, que de tão chato recebeu o reforço de chato de galocha? Apesar da galocha não ser mais usada, esses calçados de borracha, colocados por cima dos sapatos, para caminhar na chuva, os chatos permanecem e se multiplicam. A expressão francesa chatô du galoche, popularizou-se, afinal, alguém que entra na casa do outro, sem tirar a galocha, molhando o piso todo, merece uma complementação ao termo chato.

Entretanto, como se define uma pessoa chata? O Tratado Geral dos Chatos, de Guilherme de Figueiredo, informa que “chato é o indivíduo, ser, coisa ou evento cuja presença, existência, atitude, ação ou lembrança, continuadamente, tem a capacidade de inspirar sentimentos contrários à alegria de viver, à paz de espírito e à Paz Mundial”. Contudo, não precisamos de definições para identificá-lo, quando ele chega em um grupo, alguém, de imediato, já o reconhece.

A percepção da chatice é subjetiva, há quem diga que ser chato é relativo, o que desagrada um pode ser normal para o outro, porém, existem os chatos tradicionais, encontrados em diversos ambientes. Entre eles, está o exagerado contador de piadas, aquele que, a todo o momento, tenta fazer graça, até mesmo diante de questões sérias e, talvez o mais irritante, o que sabe tudo e mais um pouco.

Nesse caso, a chatice está ligada ao problema do ego. Geralmente, a sua opinião é sempre definitiva. A pessoa sente uma imensa necessidade de que todas as suas ações sejam divulgadas, usa a voz como um megafone para anunciar as realizações. Logo, parece que anunciar vale mais do que fazer. A fala torna-se enfadonhamente repetitiva, converte-se em uma verdadeira incontinência verbal, cercada de muitas voltas, para não acrescentar nada, mas esta é a sua marca registrada.

Não se dão conta da existência de tantos outros, capazes de atitudes admiráveis, que sequer precisam de alarde. Ações realizadas em silêncio e os chatos nem sabem, eles não costumam ouvir os outros. Para eles, qualquer fala ou ato executado são considerados monumentais, a admiração de si próprio é tão grande que ultrapassa o limite do ridículo e a pessoa nem percebe.

Gilda E. Kluppel é professora de Matemática do ensino médio em Curitiba/PR, Mestre em Educação pela Universidade Federal do Paraná

Gilda E. Kluppel é professora de Matemática do ensino médio em Curitiba/PR, Mestre em Educação pela Universidade Federal do Paraná

Engraçado que, inúmeras vezes, basta pouco para deixar a chatice de lado, permanecer em silêncio em algumas ocasiões, por exemplo. São diversos toques e dicas que não atingem o objetivo, leva a crer que a chatice trata-se de algo incurável. Alguém já conheceu um ex-chato? Talvez, eles acreditem que os outros ainda não reconheceram o enorme potencial e, com insistência, continuam a divulgar, até a exaustão, as supostas qualidades.

Existem algumas vantagens ao ouvirmos um chato, naturalmente a mente se distancia, vai às montanhas, aos mares e até serve para relembrar a cronologia do pagamento das contas do mês. Segundo Mário Quintana “o maior chato é o chato perguntativo. Prefiro o chato discursivo ou narrativo, que se pode ouvir pensando noutra coisa…” E parece que, ultimamente, aumentou o número de chatos discursivos. Os chatos perguntativos estão em extinção, não se pergunta mais: “como você está?” Ele não pergunta porque você pode responder, para o chato não interessa saber como você está. Evidentemente, com o individualismo em ascendência, a autopromoção vem carregada a reboque. Além do mais, hoje eles têm acesso à internet e às redes sociais para ampliar a sua e-chatice, mas, para eles, já existem alguns aplicativos para evitar os chatos de plantão.

Toda a pessoa tem o seu dia de chato. Contudo, deve-se observar a periodicidade da ocorrência, caso ocorra todos os dias, arrisca tornar-se um comportamento usual. Também podemos aderir à chatice e nem  desconfiarmos…cabe aos outros a avaliação. O pior é não saber quando somos inconvenientes, ao apontar ou escrever um texto sobre chatos, porém, para que se preocupar, os chatos são sempre os outros…

Compartilhe esse texto

Share to Google Buzz
Share to Google Plus
Share to LiveJournal
Share to Yandex