Por Daniel Nonohay Essa história ganhou fama na minha adolescência. Marcus, vamos chamá-lo assim, foi almoçar na casa da namorada, como fazia todo o final de semana. Naquele, específico, chegou atrasado e a família já estava sentada à mesa. Como já se sentia em casa, passou rapidamente por eles, dando um cumprimento geral, e foi direto lavar as mãos. Ao abrir a porta do lavabo, deu de cara com a avó da namorada, sentada no vaso sanitário. Os dois se encararam e o mundo congelou. Na mesa, onde todos conversavam, alguém se deu conta da tragédia que estava para acontecer e deu um grito, tentando avisar. Já era tarde. A conversa morreu. Eles devem ter se encarado por não...
Continue a Leitura »