Didática da Matemática: a aprendizagem com estratégias lúdicas no processo de ensino fundamental I

DIDÁTICA DA MATEMÁTICA: A APRENDIZAGEM COM ESTRATÉGIAS LÚDICAS NO PROCESSO DE ENSINO FUNDAMENTAL I

 

 

Antônio Carlos da Silva   [1]

Keyla Cristina Costa Soares [2]

 

RESUMO

 

Keyla Cristina Costa Soares – Professora na rede Estadual de Ensino desde 2011, Pedagoga, especialista em Gestão Educacional com ênfase em Orientação e Supervisão Escolar, Mestranda em Ciências da Educação. <Keylacristina3@hotmail.com>

O presente artigo tem como finalidade abordar a didática da matemática no ensino fundamental I, a partir do uso de estratégias lúdicas para tornar mais eficaz a aprendizagem da matemática com vistas à resolução de problemas. Considerando que o uso dos jogos enquanto estratégia lúdica além de tornar as aulas mais motivadoras e desafiadoras, promove uma aprendizagem mais significativa dos conteúdos matemáticos.

 Palavras-chave: Didática da Matemática, Aprendizagem, Estratégias Lúdicas, Conhecimento.

ABSTRACT

This article aims to approach the didactics of mathematics in elementary education I, from the use of play strategies to make mathematics learning more effective in order to solve problems. Considering that the use of games as a play strategy besides making classes more motivating and challenging, promotes a more meaningful learning of mathematical contents.

 Keywords: Didactics of Mathematics, Learning, Play Strategies, knowledge.

 

 

INTRODUÇÃO

Nos campos mais diversos da atividade humana, exige-se a compreensão e aplicação de alguns conhecimentos da área da matemática. Esses conhecimentos que envolvem a área da matemática e sua aplicabilidade são exigência para a vida na sociedade contemporânea. O desenvolvimento da capacidade de usar o raciocínio de forma lógica é fundamental tanto na atividade profissional como no cotidiano dos indivíduos.

Antônio Carlos da Silva – Mestre obras na construção civil, Graduado em matemática, Mestrando em Ciências da Educação. <sitonho1505@gmail.com>

Uma das funções do ensino da matemática na escola é o desenvolvimento de competências para a solucionar problemas no cotidiano dos indivíduos. Nos últimos tempos, tem se intensificado a  busca por alternativas que possibilitassem uma aprendizagem mais significativa dos conteúdos da matemática para os alunos.

Nesse sentido, proporcionar situações desafiadoras, agradáveis e significativas em sala de aula, motivar o aluno para o aprendizado da matemática e aprimorar a didática usada durante as aulas, levando em conta a qualidade do ensino, se torna um desafio cada vez maior ao ensino da matemática.

Pelo seu dinamismo, a matemática é uma atividade que auxilia no processo de desenvolvimento humano. E o uso de estratégias lúdicas, em especial, os jogos passaram a ser entendidos como objetos de conhecimento e deveriam fazer parte da história da educação. Pesquisadores do ensino da matemática têm indicado os jogos como estratégia lúdica de grande validade na compreensão dos conceitos da matemática.

.

O USO DO LÚDICO COMO ESTRATÉGIA NO ENSINO DA MATEMÁTICA

Conforme as metas traçadas para o Ensino da matemática pelo Ministério da Educação, um dos grandes entraves para o ensino da disciplina é abordar conteúdos que visem à resolução de problemas (BRASIL, 2008). Essa metodologia oportuniza ao aluno a aplicabilidade dos conhecimentos adquiridos em situações novas, de forma a equacionar o que esta sendo proposto.

 Nas últimas três décadas, no Brasil e em outros países do mundo, as pesquisas em educação revelam que o desenvolvimento da aprendizagem da matemática engloba processos muito mais complexos do que até então se acreditava, estando relacionada à assimilação dos conteúdos, não se restringindo apenas a memorização como até pouco tempo se acreditava (BARBOSA; CARVALHO, 2009).

Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), a matemática tem a finalidade de formar indivíduos, isto é, o preparo para o mundo do trabalho e para conviver e atuar na sociedade. E a matemática precisa contemplar os propósitos definidos nesses parâmetros, quais sejam: explorar a linguagem matemática como meio de transmitir, criar, expor suas ideias e conseguir manusear os diversos meios tecnológicos para a aquisição e construção do conhecimento (BRASIL, 1997).

Deste modo, o professor de matemática passa a ser entendido como um pesquisador que precisa estar atento, não só aos conteúdos a serem ensinados, mas também as metodologias que possam tornar esses conteúdos, significativos. Para tanto, deve atentar-se ao contexto no qual, seus alunos, se encontram inseridos para assim, propor estratégias eficazes que atendam as necessidades e expectativas de seu alunado. E nesse sentido, os propósitos básicos  para o ensino da matemática, buscam desenvolvê-la como campo de pesquisa e de produção de conhecimento.

As pesquisas realizadas por Kishimoto (2006) têm revelado que uma das estratégias que tem apresentado bons resultados no ensino e aprendizagem e em consequência para a resolução de problemas é o uso do lúdico a partir da inserção dos jogos como estratégia pedagógica em sala de aula. A utilização, dessa estratégia, cria situações que permitem ao aluno desenvolver meios para solucionar situações problema, estimulando o raciocínio lógico e a criatividade do aluno, motivando-os e dando significado aos conteúdos ensinados pelo professor.

Entretanto, cabe salientar ainda que apesar dos PCN’s orientarem para a utilização do lúdico enquanto estratégia para o ensino da matemática, não orientam em relação a como deve ser encaminhado o trabalho pedagógico, utilizando esse recurso. As pesquisas revelam que os jogos, por exemplo, têm suas vantagens no ensino de matemática, desde que o professor tenha objetivos claros do que pretende atingir com a atividade proposta. Assim, ao propor um jogo a seus alunos, o professor deve estabelecer seus propósitos para a estratégia definida, adequar a metodologia à sua realidade de modo a propor situações desafiadoras aos alunos para que a aprendizagem aconteça de forma significativa (CABRAL, 2006).

Essa capacidade se desenvolve, porque ao utilizar o jogo enquanto estratégia para ensinar, o professor possibilita ao aluno, o contato com situações desafiadoras, na medida em que o aluno precisa pensar e encontrar a melhor estratégia e examinar as regras para jogada, desenvolvendo o raciocínio lógico e em consequência o aprendizado dos conceitos da matemática (SMOLE; DINIZ; MOLANI, 2007).

Diante elencado podemos aferir que ao se propor os jogos enquanto estratégia lúdica para o ensino e aprendizagem da matemática com o propósito de desenvolver a capacidade de solucionar problemas, o professor oportuniza o aprimoramento das habilidades referentes ao raciocínio lógico do aluno, tornando as aulas mais atraentes e receptivas.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

A abordagem indica que a matemática apesar de ser empregada em quase todas as áreas do conhecimento, nem sempre se revela como um conteúdo fácil de ensinar aos alunos. Sendo necessário que o educador lance mão de estratégias que desafiem seus alunos, contextualizando situações problemas.

Nesse sentido, o emprego de estratégias lúdicas a partir do uso de jogos para trabalhar a matemática tem-se mostrado eficaz para que, se promova uma aprendizagem mais significativa dos conteúdos matemáticos, como revelam algumas pesquisas já realizadas.  E a resolução de problemas parece ser a metodologia mais indicada para a introdução dos jogos, enquanto estratégia lúdica, no ensino da matemática.

 

REFERÊNCIAS

 

BARBOSA, S. L. P.; CARVALHO, T. O. Jogos Matemáticos como Metodologia de Ensino Aprendizagem das Operações com Números Inteiros. Disponível em: <http://www.pucrs.br/famat/viali/tic_literatura/jogos/1948-8.pdf > Acesso: 09 abr. 2017.

BRASIL. Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: matemática. Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997.

______.Diretrizes Curriculares Para a Educação Básica da Disciplina de Matemática. Secretaria de Estado de Educação do Paraná, 2008.

CABRAL, M. A. A utilização de jogos no ensino de matemática. Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), Licenciatura em Matemática- Universidade Federal de Santa Catarina: Florianópolis, 2006. Disponível em:

KISHIMOTO, T. M. (org). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 9. ed.São Paulo: Cortez, 2006.

SMOLE, K.S.; DINIZ, M.I.; MILANI, E. Jogos de matemática do 6° ao 9° ano. Cadernos do Mathema. Porto Alegre: Artmed 2007.

[1] Mestre obras na construção civil, Graduado em matemática, Mestrando em Ciências da Educação. <sitonho1505@gmail.com>

[2] Professora na rede Estadual de Ensino desde 2011, Pedagoga, especialista em Gestão Educacional com ênfase em Orientação e Supervisão Escolar, Mestranda em Ciências da Educação. <Keylacristina3@hotmail.com>

Post Author: partes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *