Relatos selvagens

RELATOS SELVAGENS

 (Relatos Selvajes – Argentina – 2014)

 

Não comento sobre filmes de violência os quais considero uma das molas eficazes para impulsionar  um dos piores prejuízos para a sociedade: a violência.

Mas assim como grande parte da população ignora os produtos que prejudicam a sua saúde e deles se alimenta; assim há também aqueles que ignoram os efeitos nocivos causados pelos filmes de violência e lhes dão audiência.

Comecei a assistir o filme Relatos Selvagens, recentemente transmitido pela TV Globo, porque simpatizo com o desempenho de Ricardo Darín, que já atuou em bons filmes como “Um Conto Chinês”.

Surpreendi-me, porém,  com cenas brutais de violência e deseducação desse filme e, imediatamente, desliguei a tevê.

Foi selecionado para a Palma de Ouro do Festival de Cannes e indicado para o Oscar de melhor filme estrangeiro da edição 2015.

Segundo pesquisa o filme foi um sucesso de bilheteria,  tornou-se o longa mais visto da Argentina e foi objeto de grandes elogios de críticos de Cinema. Rendeu também muito dinheiro, fator principal para a produção desses filmes.

O argumento de que se trata de uma crítica social, com cenas ainda mais chocantes do que as do premiado filme italiano “A Comilança” não se justifica.

Um estudo profundo sobre as consequências desastrosas,  provocadas pelos filmes de violência, foi  realizado por Ana Lúcia de Oliveira Morais. Na ocasião, ela era aluna do quarto ano do Curso de Comunicação Social.  

Nesse estudo ela lembra que as crianças imitam o que veem. E muitos desenhos animados contendo violência são bastante prejudiciais à sua educação. Alunos que costumam assistir filmes de violência tornam-se agressivos nas Escolas.

A comunicadora comenta:

“Alguns produtores de televisão, diretores de filmes, riem das preocupações a cerca da violência. Dizem que é realismo, que esses filmes refletem a realidade; e que é isto que o espectador quer ver. E, quem não quiser, é só desligar a tevê; ninguém é obrigado a assistir.”

Ora! — Ana Lúcia contesta – ninguém compra uma televisão para ficar desligada. Os pais não têm como policiar seus filhos, enquanto estão trabalhando. Esses filmes passam uma ideia muito errada de que quem tem razão é sempre o mais forte. E que o poder está na força bruta;  que esta é a melhor forma de resolver os problemas, depreciando a inteligência.

Todos nós sabemos que o exemplo é o ponto chave na Educação; que os pais educam seus filhos dando-lhes bons exemplos de comportamento e que, nas Escolas, o exemplo é a principal fonte de aprendizado. Que tipo de aprendizado esses filmes de violência podem oferecer? O pior aprendizado possível!

Ao término do seu estudo pormenorizado, a comunicadora expõe a seguinte conclusão:

“A prevalência da violência na sociedade é um problema complexo que não será resolvido facilmente. Pesquisadores reforçam constantemente que a violência nas mídias é apenas uma manifestação do grande fascínio da sociedade pela violência. Contudo essa violência nas mídias não é apenas um reflexo da violência na sociedade; é também uma contribuição.

“Se a nossa nação deseja produzir uma  geração de adultos produtivos que rejeitem a violência como meio de resolver problemas, temos de reafirmar o papel vital do GOVERNO, para que a mídia faça parte desta solução”.  

 

Nair Lúcia é poeta, jornalista, escritora e colaboradora da Revista Partes

Post Author: partes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *