Asfalto molhado

Asfalto molhado   Gilda E. Kluppel    Chuva torrencial ao final da tarde, semáforo verde para os pedestres. Na esquina, uma senhora de cabelos brancos, calça comprida e longo casacão, começa a travessia da rua na faixa de segurança. De repente, escorrega e cai, sombrinha numa das mãos, a outra mão, estendida, procura um gesto […]

Cartões de Natal

Gilda E. Kluppel Eles ocupavam a nossa caixa do correio no final do ano, ao abrir encontrávamos a esperada frase “feliz Natal e um próspero Ano-Novo”. Alguns até arriscavam escrever algo mais original, mas em qualquer forma eram sempre bem recebidos. Do papel espesso aos recados eletrônicos foram escasseando e se tornando um objeto obsoleto […]

O susto

O susto Gilda E. Kluppel   Em um anoitecer tipicamente curitibano, nebuloso e úmido, no qual as sombras e os vultos predominam, ao voltar para casa, resolvi abastecer o automóvel. Aproveitei também para levar alguns salgadinhos, recomendados e classificados, por uma colega de trabalho, como “divinos”, encontrados na loja de conveniência do posto de gasolina. […]

Alguma sustentabilidade

Alguma sustentabilidade Gilda E. Kluppel O termo sustentabilidade é elegante, soa bem aos ouvidos e tem cada vez mais destaque nos diversos espaços por onde transita. Mas, muitas vezes, o discurso da sustentabilidade, com o perdão do trocadilho, não se sustenta. Parece hipócrita, propagamos palavras bonitas e politicamente corretas, mas não diminuímos o consumo exagerado. […]

Argos, o cão de Ulisses

Argos, o cão de Ulisses Gilda E. Kluppel   “Em dias passados, os mancebos tinham levado O cão à caça, para perseguir cabras selvagens, veados e lebres. Mas agora jazia e ninguém lhe ligava, pois o dono estava ausente…” Odisseia de Homero, Versos do Canto XVII   Argos, o cão que Ulisses deixou ainda pequeno, […]

Em Partes

Em Partes Gilda E. Kluppel Existe a parte que me toca a parte que me cabe a parte que me falta as partes de muitos em parte de mim. Somos todos partes partes de reflexão e alegria partes de tristeza e esperança partes de realidade e utopia partes disso ou daquilo. Em pequenas partes para […]

Sempre foi assim…

Sempre foi assim… Gilda E. Kluppel   Uma frase difícil de aceitar, capaz de encerrar qualquer troca de ideias, ocorre quando alguém pronuncia: “sempre foi assim”. Quem se vale desta expressão ainda considera os questionadores, de alguma prática, incipientes na experiência de vida ou não enquadrados ao sistema. Alguns até enchem o peito, com ares […]

Uma andança pelo Bixiga

Uma andança pelo Bixiga Gilda E. kluppel   Este famoso Bixiga, escrito assim com i, e seus encantos. Não está no mapa da cidade de São Paulo, talvez nem seja considerado um bairro, mas um pequeno pedaço, repleto de inspiração e beleza. O seu nome prevalece sem a necessidade de constar na referência oficial da […]

As lições de um vampiro

As lições de um vampiro Gilda E. Kluppel   Talvez muitos passam por ele, pelas ruas de Curitiba, e nem percebem, outros pensam avistar o vampiro e alguns até duvidam da sua existência. É fácil confundir quando não se tem a imagem ou a imagem formada é fruto da imaginação. A lenda viva, figura das […]

Paulo

Paulo   Gilda E. Kluppel   Entre tantas escolhas a mais difícil ser um educador retirando do cotidiano a inspiração para as letras não apenas adicionadas e mal coladas sílabas quaisquer não pertencentes a ninguém mas, agora construídas formam o tijolo do pedreiro a agulha da costureira a farinha do padeiro sem o beabá dos […]