Comunicação

Jornalismo, trânsito e diálogo no espaço urbano. É possível?

O trânsito representa o que há de mais caótico nas grandes metrópoles, é o cenário que parece condensar drasticamente o conflito e as disputas que marcam a vida urbana. Nas ruas e avenidas da cidade, as pessoas se digladiam para ir e vir usando o transporte coletivo público ou as formas individuais e privadas de mobilidade. Dessa necessidade que se impõe diariamente a milhões de pessoas surge uma realidade permeada por desavenças, violência e mortes. O trânsito brasileiro apresenta números, entre mutilados e mortos, semelhantes aos de uma guerra civil. Muito tem sido feito para amenizar essa realidade, mas seria possível pensar num espaço público menos violento ou o seu oposto, isto é, um trânsito amistoso onde as pessoas...
Continue a Leitura »
Cultura

Acerca dos Conceitos de Cultura e Educação: Uma Mirada a partir do Pensamento de Ángel Díaz de Rada

Publicado originalmente em 06/08/2012 o link;<http://www.partes.com.br/educacao/artigos/culturaeeducacao.asp> Cristiano Guedes Pinheiro*   Resumo Este trabalho reflexiona acerca dos conceitos de cultura e educação. Busca, a partir do pensamento do antropólogo espanhol, Ángel Díaz de Rada, perceber a aproximação entre as duas temáticas. Se o objeto principal de teorização do autor é a cultura, é nos entremeios de seu pensamento e de sua escrita que será pontuado e trazido à baila a questão da educação. Por fim destaca-se a necessária distinção entre o conceito de educação e escolarização, no sentido de apontar que cultura e educação, enquanto expressões da ação social, são produzidas cotidianamente, com ou sem a presença da escola. Palavras-Chave: Cultura; Educação; Díaz de Rada; Escola.     Resumen Este...
Continue a Leitura »
Cultura

Alguns aportes para pensar a Cultura

Iara Machado Vivemos uma crise social, econômica e política, mas, sobretudo, cultural, pois a Cultura perpassa toda e qualquer ordem social e suas representações. Desta forma faz-se necessário que ela seja reconceitualizada como uma dimensão (e não uma esfera separada de outras) que perpassa toda a vida: as formas de ser, de saber e a natureza. Para tanto é preciso ver a Cultura como: Filosofia, pois esta devolve à cultura o seu sentido de valor, através do qual, as questões estéticas interrompem o processo mercadológico, à medida que devolve o sentido às expressões coletivas, resgatando assim, a dimensão simbólica da política. Pois produz formas de viver, pensar e imaginar a vida de forma alternativa à ordem mercadológica que se...
Continue a Leitura »
Cinema

Little boy – Além do Impossível

LITTLE BOY – Além do Impossível El Gran Pequeno – EUA-México/2015   Nair Lúcia de Britto   Pepper (Jakob Salvati) é um garoto de oito anos de idade, que mora em O’Hare, Califórnia, na década de 40. Ele adora o  pai, James (Michael Rapaport), com quem tem uma grande afinidade e com quem compartilha as alegrias e fantasias relacionadas ao mundo infantil. E, assim, sua infância transcorre alegremente, com seu parceiro e melhor amigo: o pai.   Mas a felicidade do garoto desmorona quando o seu pai é obrigado a deixar sua família para lutar na Segunda Guerra Mundial. Uma grande tristeza toma o coração do menino que, além da dor da ausência do pai, tem de suportar ser constantemente...
Continue a Leitura »
Cultura

Visita ao museu de arte moderna em Nova York

Por Ana Luisa Borba Minha noite estrelada   Em meio a muitas andanças pelas escadas do MoMa (The MuseumofModern Art), e à horas de análises de obras de arte, fotografias, Kahlo, Dalí, Picasso, Gauguin, Monet, e muitos outros artistas que não é possível recordar, deparo-me com um burburinho de pessoas se empurrando freneticamente, olhos se arregalando, vários “com licença” em ao menos cinco línguas diferentes, que logo me chamam a atenção. Sem nada a perder, e fugindo do frio de -2º de NYC, vou com minha mãe para ver o porquê de tanto estardalhaço. Noite. 1889. Vicent Willen Van Gogh. Não era para menos, estava ali, bem à frente de todos, “A Noite Estrelada”. Tiro minhas fotos como qualquer um naquele lugar, e salvo em  quatro app’s diferentes para...
Continue a Leitura »

Do poder da palavra

DO PODER DA PALAVRA ADÉLIA BEZERRA DE MENESES Em “As 1001 Noites”, Sheherazade vence a morte e o poder, propiciando a cura através de um discurso vivo, corpóreo “As 1001 Noites” em geral nos chegaram através de antologias infantis. Conhecemos as  Histórias: “Sindbád, O Marujo”, “Aladim e a Lâmpada Maravilhosa­”, “O Pescador e o Gênio”  etc. Mas tais antolo­gias acabam por privar o leitor do plano geral da obra – a estrutura de encaixe dos contos, embutido uns dentro de outros- e, sobretudo, da poderosa figura da Shehera­zade, que vence a morte através da Literatura. Tra­ta-se da maior apologia da Palavra, de que se tem conhecimento. E analisar o papel da contadeira de histórias significará abordar o problema das...
Continue a Leitura »
Cultura

VIda

VIDA Nazaré, 12-07-1999 Estava tudo seco Os homens, os bichos e as plantas Todos morrendo de sede. De repente, nuvens pesadas Desabaram sobre o sertão. E a chuva caiu E a terra pariu O seu hino de amor. REG-277358L500F18 Min.cult.-Br...
Continue a Leitura »
Cultura

Clarice e os seus mistérios

Gilda E. Kluppel                                                                                                                Seus mistérios… Contidos em personagens O sublime eu de Clarice Este eu que se tornou universal Quando penetrou nas entranhas da alma. Complexa e instigante Do ovo e a galinha Espantosa lucidez De saber que não poderia alterar a realidade Apenas conversar consigo mesma Lembrando que mais nos conhecemos Quando não tememos a solidão. A resposta do mistério entregou aos outros E o outro dos outros era o eu de Clarice Na busca da revelação desse mistério Aceitamos mais facilmente nossa condição de falíveis Sem acatar fórmulas ditas como certas de vida. Soube se libertar e viajar para as profundezas do íntimo, Onde poucos ousaram ir E de lá nos trazer alívio para nossas doses...
Continue a Leitura »
Gilda E. Kluppel

Desejo de Tolo

Desejo de Tolo Gilda E. Kluppel Tolos ambicionam o poder, e aos inocentes restam as lágrimas, nem em seus piores pesadelos podem imaginar, as competições repugnantes em palavras imundas. Clausuram sentimentos encerram as amizades, iniciam as parcerias, unem-se aos assemelhados, ocupam os espaços, demarcam territórios e consolidam acordos para abrigar os indesejáveis. Enfileiram as pessoas, como cartas de um baralho sobre a mesa, para tecer julgamentos espúrios, descartam os inconvenientes que podem ser recolhidos numa próxima rodada. Caem as máscaras, na face a madeira bruta, sem verniz para disfarçar. Espectros se levantam, sombras predominam, desonram os honestos e a virtude é humilhada. Sepultam ideais, revestem-se de autoridade e mudam atitudes. Invertem a moral, espalham sofrimentos e se regozijam na...
Continue a Leitura »
Contos

Ninguém pode explicar nem a Lapa Nem a Lida, num conto curto

por Zeh Gustavo   ao Paulinho da Viola que acompanha todos os sambistas   Tenso. Desfavorável. Um abafa num Rio de outono-inferno, calor alegremente soturno, derrete-miolos. A cidade exala qual açougue. No matadoidos do caldo urbano assa nossa carne misturada, rastegue somos todos andrajos na cidade-sítio de bairros-baldeações com seu trânsito de veículos débeis sob siglas pelos quais desfiamos nosso rosário de pés-rapados e bolsos extorquidos. E aquela, mais uma guigue por se fazer. Prato do dia: ensopado de restolhos. A direção: a velha senhorita-patrona, dona Lapa. Maneca e suas responsas, a superpesarem nos quengos. E nos braços que lutam pela sobrevivência musical num pano de fundo quase findo, horizonte vindouro é magro. Pedestais, dois mics, um pequeno amplificador...
Continue a Leitura »
Cultura

Narinas interditas

  Gilberto da Silva   Preparam nossos sentidos para a repulsa ao outro, nosso narizes selecionados para sentir repulsa do cheiro das ruas, dos guetos, das vielas, das quebradas. E vem a humilhação, a degradação, o abandono. Fim do cheiro da terra, fim do cheiro do povo. Assim nos tornamos estranhos…. De estranhos para inimigos: um passo! Da aturação social para a sentença de morte: uma linha! Assim nos tornamos ferramentas dos propagandistas do ódio....
Continue a Leitura »
Cultura

O amor de Hannah e Martin

  Um vinho seco posto à mesa, sinais trocados para comemorar enlaces, oportunidade de realçar vínculos. Flores e amor no campo. Primaveras,  outonos, qualquer estação está aberta à experiência. Aquela paixão estancada, o beijo furtado. Amou, amastes, amamos. Destinos em contraposição. Manhãs, acordares em fantasia, correspondências, frases, filosofias e admiração. Mergulho no Eu, divisões, biografias cruzadas. Ser, tempo, encontro, despedidas. Vazios, olhares, magia: amar não pede atestado, amar não esvazia a alma. O que importou? Qual estética, qual metafísica? Expressões de duas mentes inquietas. Saibamos: “nenhuma palavra irrompe na escuridão.”   Por Gilberto da Silva – 2015...
Continue a Leitura »
Cultura

A beleza salvará o mundo

A BELEZA SALVARÁ O MUNDO Nair Lúcia de Britto A arte é a expressão da beleza. E “A beleza salvará o mundo”, disse Lev Nikolácvitch Mickin, cientista e pensador russo; relembrado pelo filósofo búlgaro, Tznetan Todov, em uma palestra transmitida, tempos atrás, pela Tevê Cultura. Sendo a arte a pura expressão do belo e um dom divino dado ao homem como instrumento para educar  e fazer a humanidade evoluir; a fim de fazer despertar os sentimentos e as emoções mais puras (que fazem ponderar e refletir) é responsabilida do artista jamais se esquivar do seu verdadeiro sentido. Os artistas recuperaram o Ministério da Cultura através de uma reivindicação popular ao Governo Federal. Por sua vez, o governo federal atendeu a...
Continue a Leitura »
Cinema

Hipócrates

HIPÓCRATES (Hippocrate: Diary of a French Doctor – França -2015) Nair Lúcia de Britto   Mesmo nas comédias, o cinema francês tem sempre a preocupação de abordar um tema sério que leve o espectador à reflexão. Este filme dirigido por Thomas Liltes tem cenas dramáticas comuns de acontecerem  num hospital; eu não o caracterizaria, portanto, como comédia. A história começa com a chegada de Benjamin (Vicent Lacoste) a um Hospital onde ele estréia como médico; por influência do pai dele (Jacques Gamblin), que é médico e diretor da ala onde o estagiário vai trabalhar. Sua primeira experiência na profissão o deixa abalado e sua autoconfiança comprometida. Mas ao conhecer Abdel (Reda Kaleb), médico residente, mais experiente, sente-se mais confortável....
Continue a Leitura »
Cinema

I can’t get no satisfaction

I  CAN´T  GET NO  SATISFACTION Nair Lúcia de Britto “I Cant’t Get No Satisfaction”, interpretada pelos The Rolling Stones, é a música que caracteriza o foco preponderante do filme; que,  além de ser uma deliciosa comédia romântica, tem um cunho filosófico e social. “Life or Something Like It” (Uma Vida em Sete Dias – EUA- 2002). O filme conta a história de Lanie, uma jornalista lindíssima (Angelina Jolie) muito bem-sucedida profissionalmente, mas leva uma vida muito superficial;  sempre preocupada em manter sua bela imagem e um tanto quanto presunçosa e convencida. O noivo dela é um esportista famoso e bonitão; mas que não lhe dá muita atenção. Ela está sempre entrando em atrito com seu colega de trabalho: um repórter fotográfico,  competente; cuja postura simples é o...
Continue a Leitura »
Cultura

Resenha do livro de Leandro Konder: O que é dialética

RESENHA DO LIVRO DE LEANDRO KONDER: O QUE É DIALÉTICA. SÃO PAULO: BRASILIENSE, 2008. Guilherme Leonardo Freitas Silva*   O livro inicialmente traz a origem da dialética com berço na Grécia antiga, onde era considerada a arte do diálogo. Mais tarde, ela passou a ser considerada na arte do diálogo como um meio de argumentação por meio de uma tese. Para Aristóteles, Zênon de Eleia (490-430 a.C.) foi o criador da dialética. Porém outros consideram que foi Sócrates (469-399 a.C) o primeiro fundador. Durante uma discussão sobre a filosofia, que na época estava sendo considerada inculta como atividade, Sócrates desafiou os generais Lachés e Nícias para definirem o que era bravura. Também desafiou o político Calichés para que definisse...
Continue a Leitura »
Cinema

Dossiê Rê Bordosa: Mas isso é real ou não é?

Larissa Gonçalves Souza, InterArtes/UFGD Documentário:  Dossiê Rê Bordosa (2008) Direção: Cesar Cabral Dossiê Rê Bordosa é um filme curta-metragem, lançado em 2008 no Festival Internacional É Tudo Verdade onde recebeu menção honrosa. Com roteiro de Leandro Maciel e direção de Cesar Cabral é classificado como documentário animado e procura desvendar os motivos que levaram o cartunista Angeli a matar a sua mais famosa personagem, Rê Bordosa. Envolto a um clima de suspense, o filme reúne depoimentos, entrevistas, confissões, arquivos pessoais, buscando criar um perfil tanto do assassino quanto da vítima e investigar a relação que ambos mantinham até desencadear na trágica morte da personagem. Um vídeo pessoal de Rê Bordosa dá início ao curta-metragem que segue com as manchetes dos...
Continue a Leitura »
Cinema

Audiovisual Brasileiro: indústria de oportunidades e desafios

Por Steve Solot* O Rio de Janeiro é o tradicional anfitrião dos dois mais importantes eventos audiovisuais do país, o Festival Internacional de Cinema (Festival do Rio), em outubro, e o Rio Content Market, que teve sua 6ª edição neste março e é o maior evento internacional de negócios e conteúdo audiovisual multiplataforma da América Latina. Apesar da retração geral da economia brasileira, os indicadores da indústria audiovisual no Brasil foram favoráveis nos últimos anos e trabalhamos para que continuem assim. De acordo com a Agência Nacional do Cinema (Ancine), 2015 encerrou com uma bilheteria total (cinema nacional e estrangeiro) de R$ 2,35 bilhões, número 20,1% maior que em 2014, e crescimento de 11.1% em ingressos vendidos, com um total de 172,9 milhões...
Continue a Leitura »
Contos

Carinho de Clarinha

CARINHO DE CLARINHA nair lucia de britto Chovia, céus como chovia!!!.. Ruas alagadas, céu nublado, nuvens cinzentas e muito frio! Todos pareciam entocados dentro de casa e o silêncio se fazia total. O único ruído era da chuva que, a seu modo, parecia canção de dormir… – Que tempinho ruim! — ouviu a mãe observar. Lembrou-se de uma frase que lhe dissera um colega da Escola. – Que seria das batatas, se não fosse a chuva! A mãe riu e concordou: – É verdade. Cansada de ficar dentro de casa, Clarinha foi até o terraço e ficou olhando a chuva. O vento bateu no seu rosto, mas ela até que gostou. De repente viu um pombo, solitário, todinho molhado, abrigando-se da...
Continue a Leitura »
Cinema

O barulho da leitura libertadora

O Som ao Redor (2012) é escrito e dirigido por Kleber Mendonça Filho. Em 2013 chegou a ser indicado para o Oscar de melhor filme estrangeiro. O que foi uma surpresa, porque seu orçamento não é assustador como o de alguns de seus adversários no prêmio. Ele – inclusive – foi rodado em Setúbal, um bairro de classe média abastada do Recife, na rua onde diretor mora. O enredo revela que o lugar é controlado por Francisco (Waldemar José Solha), um senhor de engenho que é dono de quase todos os imóveis dali, vivendo cercado pelos filhos e netos....
Continue a Leitura »