Crônicas

Por que as mulheres fazem artesanato?

Por que as mulheres fazem artesanato? Sonia Regina Rocha Rodrigues Resumo: Desde a antiguidade as mulheres se ocupam de pequenos trabalhos manuais. Essa atividade, desdenhada por Simone de Beauvoir como mera ocupação para preencher o tédio, tem, no entanto, uma importância maior do que manter as mãos ocupadas. De fato, a atividade artística é prazerosa e auxilia na manutenção da saúde mental e emocional das pessoas (sim, porque homens também fazem artesanato!) Synopsis: Since ancient times women have been engaged in small manual labor. This activity, dismissed by Simone de Beauvoir as a mere occupation to fill the boredom, has, however, a greater importance than keeping the hands occupied. In fact, artistic activity is pleasurable and assists in maintaining...
Continue a Leitura »
Em questão

Empoderamento Feminino: o que os indicadores não dizem

  *Por Renê Sanda e Dulcejane Vaz   Segundo os Princípios de Empoderamento das Mulheres, uma publicação conjunta da ONU Mulheres Brasil e a Rede Brasileira do Pacto Global, empoderar o contingente feminino para que elas participem integralmente de todos os setores da economia é essencial para estabelecer sociedades mais estáveis e justas; atingir os objetivos de desenvolvimento, sustentabilidade e direitos humanos internacionalmente reconhecidos; melhorar a qualidade de vida para as mulheres, homens, famílias e comunidades e, impulsionar as operações e as metas dos negócios.   As mulheres são uma grande força para a economia mundial, representam mais de 40% da mão de obra global, 43% da força de trabalho atuante e mais da metade dos estudantes universitários do mundo,...
Continue a Leitura »
Mulher

Ser Mulher

  *Paula Guimarães Você já parou para pensar quantas mulheres admiráveis estão à sua volta? Mulher batalhadora! Que não desiste! Acorda cedo, arruma os filhos para escola, cuida do esposo, que vai ao trabalho, e, no final do dia, está de prontidão para acolher sua família. Mas também encontramos mulheres que conciliam a vida profissional e familiar com a rotina de estudos, seja na faculdade, em um curso técnico ou até mesmo em casa. Hoje podemos dizer que a mulher assumiu novas responsabilidades, está inserida no mercado de trabalho, em um mercado cada vez mais competitivo e veloz. Tudo é imediato e não pode esperar. Mas será que ser mulher é somente isso? Trabalho, estudo e família? Muito mais...
Continue a Leitura »
Em questão

Dia Internacional da Mulher: hora de comemorar e também se reerguer

*Por Bibianna Teodori O Dia Internacional da Mulher foi, inegavelmente, uma conquista feminina. A luta por melhores condições de vida e trabalho, na virada do século 20, reflete até hoje em nossas vidas, gerou benefícios, mas as dificuldades persistem.  As mulheres ainda carregam a responsabilidade – muitas vezes sozinhas – de cuidar dos filhos, da casa e ter que trabalhar. E quando se fala na vida profissional, ainda há uma grande disparidade se comparado com a valorização masculina. Salários comprovadamente inferiores, maior dificuldade em alcançar cargos de chefia, falta de reconhecimento… Tudo isso exige da ala feminina um alto nível de resiliência. Com tamanha carga a ser administrada, as mulheres vivem em crise, inclusive pessoal. Mas esses momentos são...
Continue a Leitura »
Em questão

O feminismo e a obra de Simone de Beauvoir

Eli Vagner Rodrigues Um dos aspectos mais interessantes da obra de Simone de Beauvoir é a tentativa de desconstrução da teoria do “eterno feminino”. A partir de uma análise da primeira parte da obra “O Segundo Sexo”, denominada “Fatos e mitos”, podemos verificar todo o trabalho de Beauvoir na tentativa de efetuar uma desconstrução da ideia vigente de “ideal feminino” elaborada pelas históricas tradicionais formas de poder. Nestes escritos encontramos citações como a de Pitágoras, que indica que o problema é antigo, ancestral: Há um princípio bom que criou a ordem, a luz e o homem, e um princípio mau que criou o caos, as trevas e a mulher. PITÁGORAS Por outro lado Simone cita também as tentativas de...
Continue a Leitura »
Mulher

Violência contra a mulher: falta de perspectiva de gênero atrapalha atendimento

Camila Boehm – Repórter da Agência Brasil Especialistas criticaram a falta da perspectiva de gênero nos atendimentos públicos de situações de violência contra a mulher, durante debate sobre a política de atendimento ocorrido na noite dessa quarta-feira (19), na Defensoria Pública do Estado de São Paulo. A militante feminista, Amelinha Teles, disse que houve avanços jurídicos no enfrentamento à violência contra a mulher. Segundo ela, além da Lei Maria da Penha, delegacias e serviços públicos foram criados. “As conquistas foram grandes, no entanto, a violência não diminuiu”, disse Amelinha. “Enfrentar a violência contra a mulher é enfrentar uma revolução”, acrescentou. Amelinha destacou o pioneirismo da Casa Eliane de Grammont, um centro de referência do município que atende mulheres vítimas...
Continue a Leitura »

Essas grandes vítimas, as mulheres

Pedro Coimbra ppadua@navinet.com.br Cidade de Londres, 1888. As prostitutas viviam apavoradas, pois um cruel assassino de mulheres atacava na região do East End..A imprensa, como sempre, apelidou o monstro que as esquartejava de “Jack, o Estripador”. Tão repentinamente quanto haviam começado, os assassinatos pararam. “Jack, o Estripador”, desapareceu e daí em diante tudo foi conjecturas sobre a sua real identidade. A história de “Jack, o Estripador” foi um dos primeiros relatos do gênero que ouvi. Afinal, quase todos nós gostamos de histórias de crimes, de terror, desde que não aconteçam conosco. Basta ver o sucesso de monstros vampirescos e outros na literatura, no cinema… Minha tia Milita, uma tranqüila professora de História no Colégio Nossa Senhora de Lourdes, em...
Continue a Leitura »