Especial sobre Assédio Moral

.

Revista Partes ano II - janeiro de 2003 - n.29

  Principal
 Agenda
 Comportamento
 Cotidiano
 Cultura
 Econotas
 Editorial
 Educação
 Em Questão
 Esportes
 Humor
 Links
 Nossa Língua
 Outras edições
 Poesia, Crônicas etc
 Política
 Reflexão
 Serviços
 Sócio Ambiental
 Terceira Idade
 Turismo
   Participe
 Cartas
 Fórum
 Fale Conosco
   Especiais
 Gilberto Freyre
 Eleições 2000
 Meio Ambiente
 Igrejas
 Assédio Moral

Cotidiano


Sobre o trabalho voluntário

por Paulo de Abreu Lima


O trabalho voluntário nos últimos 10 anos assumiu um significado muito especial e significativo, pois de um caráter muito mais voltado para a caridade e o altruísmo, o trabalho voluntário passa a ter uma característica de vontade de mudança e transformação; característica esta muito ligada, talvez, a um sentimento de responsabilidade e de culpa, mesmo, pelo estado de coisas (de exclusão e de tudo a ela relacionado) – com certeza, estes fatores, entre outros, contribuíram para o nascimento da visão de responsabilidade social. Vale a pena um panorama sintético sobre o trabalho voluntário na Brasil, para termos uma idéia de sua evolução e de sua compreensão atual.

  • séc. XVI – primeiras manifestações de assistência social, baseadas em princípios da caridade cristã

  • segunda metade do séc. XIX – "cruzada filantrópica" em vista da disseminação de doenças contagiosas (órfãos, alienados, inválidos, delinqüentes), trabalho essencialmente feminino com enfoque na caridade

  • a partir de 1930 – conceito de filantropia – a partir da transferência do Estado para a sociedade civil da atenção social à grande massa de trabalhadores sem carteira assinada

  • final da década de 50 – movimentos sociais reivindicatórios estruturam organizações, sofrendo retração de 1965 a 1980 por influência do Estado

  • anos 80 – co-responsabilidade das questões sociais entre Estado, sociedade civil (ONG´s, Fundações e empresas)

  • anos 90 – voluntário é o cidadão motivado pela solidariedade e participação em prol de causas de interesse social e comunitário (* Gerenciamento de Voluntários/Centro do Voluntariado de SP)

Importância e significado

Considerando, portanto, o caráter de mudança e ajuste social, que o trabalho voluntário propõe atualmente, não há dúvida de sua importância, pois que esse movimento de pessoas que se dispõem a ajudar, pressupõe um movimento de mudança de atitude e portanto mudança de ética, já que ela – orientadora da conduta individual e social - é o determinante de fato do quadro de exclusão.

Por outro lado cabe uma análise sobre o significado do trabalho voluntário para o voluntário, para o cliente e para a ONG.

Qual o significado do trabalho voluntário para quem é voluntário.

Quem é voluntário? Atualmente todos são voluntários – o trabalho do Betinho (Herbert de Souza), foi um marco na percepção da população no processo de contribuição e participação na mudança e partilha, ainda que muito tímida e sazonal, talvez. Entretanto há uma característica interessante e que acho vale a pena examinar - sobre o trabalho voluntário para o voluntário. Qual é o sentido deste trabalho para ele? É uma forma de reduzir sua culpa pelo quadro de exclusão? Pois uma coisa que chama atenção – e que considero preocupante – é o fato do voluntário, em muitas situações manter uma atitude de superioridade diante do cliente – aquele que recebe a atenção do voluntário. Ora, o trabalho voluntário, normalmente, está associado ao trabalho social - na educação, saúde, creche, abrigos, etc. Mais que nunca, seus clientes – crianças, idosos normalmente em condição de exclusão - além da fragilidade física e material, têm fragilidade emocional e, portanto, de relacionamento. E o voluntário muitas vezes esquece desta carência, pensando talvez mais nele próprio e no sentimento de "missão cumprida", do que o que de fato o cliente este recebendo, e esperando.

Qual o significado, portanto, do trabalho voluntário para o cliente?

Quando penso neste significado lembro de Madre Teresa de Calcutá que tinha em sua atitude uma postura de doação integralmente voltada para a pessoa e não para ela. O significado do trabalho voluntário para o cliente, portanto, é a atenção e a ajuda que deverá resgatar sua dignidade – em ações que vão desde uma ajuda para aprender a escrever ou uma ajuda para alimentar uma criança. Para o cliente, a ajuda, qualquer que seja, não deveria diferenciar-se da condição de quem a fornece – se profissional ou voluntário. Para a ONG, sim. Pois aí há diferenças de condições de relacionamento.

Qual o significado do trabalho voluntário para as Ong’s?

Em princípio, significa estrutura de recursos humanos sem custo. É uma questão delicada e importante que seja discutida. Acho que a primeira questão relacionada a este tema é a característica do terceiro setor (o setor que envolve o trabalho voluntário) como um setor que não produz e não comercializa, ou seja, teoricamente um setor à margem do processo econômico – muitas ONG´s têm atividades produtivas para a geração de receitas, mas sabe-se o quanto é incipiente para a cobertura de seus orçamentos, daí o fortalecimento na área de captação de recursos. Por outro lado, o terceiro setor é produto de um quadro sócio-econômico que gerou a exclusão. Não há dúvida que o significado de trabalho voluntário na Dinamarca é muito diferente do significado para o do Brasil. Trabalho voluntário para as Ong’s significa sim, mão de obra – entretanto é uma questão delicada, pois que a visão de gestão das ONG’s modernizou-se, entendendo que a participação do voluntário pode e deve ser caracterizada por uma conduta de seriedade e responsabilidade tal qual a de um profissional, e que – seja por caridade ou qualquer outra razão mais emocional– esta conduta e o relacionamento do voluntário com a organização à qual ele doa seus serviços devem ser sérios e tão competentes como se fosse um serviço remunerado. Muito se avançou, mas ainda há muito por fazer; e vice-versa. 

Partes / Paulo de Abreu Lima / janeiro-2003

 


paulo_abreu_comportamento.jpg (15099 bytes)


Paulo de Abreu Lima
é psicólogo e especialista em RH (no momento está no mercado... precisando de um emprego).
E-mail: paulo@partes.com.br

Escoreio.gif (6450 bytes)tamos recebendo contribuições dos leitores para a revista. Envie-nos seu artigo, crônica, conto, poesia, ensaio, notícias ou reportagem para publicação.
Envie já a sua contribuição

separador_lateraldireita.jpeg (4768 bytes)


© copyright revista partes 2000-2003