Seja parte

 

Iniciar um projeto editorial é um trabalho árduo e penoso, mas com muita vontade e garra iniciamos o processo de edição de uma revista virtual. Partes vem para o debate franco entre seus leitores, amigos e colaboradores, para a troca de idéias em busca de uma reflexão saudável para a melhoria da qualidade de vida das pessoas.

Queremos Partes como um canal sempre aberto para a participação e a colaboração de suas mensagens. Somos Partes de um todo que necessita de democracia, diálogo, transparência, acesso à comunicação e à informação.

Estamos vivendo uma nova fase no desenvolvimento da internet no país, todos- de qualquer idade e nível social, estão descobrindo a rapidez e o dinamismo dessa nova era. Não podemos ficar para trás, quem tem idéias, projetos, conteúdo, não pode ficar sem participar deste meio de comunicação. quer ajudar a pensar, ser o elo, de muitos leitores que podem contribuir com uma reflexão saudável sobre nosso cotidiano. No artigo do Paulo de Abreu Lima há a pergunta: Para onde vamos? com as nossas relações mesquinhas no cotidiano. Muitos poderão perguntar Quem somos?, mas, como diz o educador Paulo Berardi, ao sugerir um nome para a nossa revista: somos “Genom”, pois lembra gênio, genoma, gen, enfim e afinal: PARTES”.

Partes

Sim entre, junte-se a nós, participe e seja uma parte.

Ano I – Nº I – Abril de 2000

Primeiro editorial da Revista Partes publicado em abril de 2000.

 

 

Ano I – Nº 2 Maio de 2000


A parte que nos resta Continuamos o caminhar por uma estrada brasileira borrada por comemorações ridículas, por caminhos sem terra, sem teto, sem nada, passando pelos com tudo, com terra.  Mas, apesar das injustiças, de consciências a serem aperfeiçoadas, da política ser reciclada, podemos avançar e crer na possibilidade do futuro.

Nossos caminhos são múltiplos. A escolha, quase sempre difícil. Como avançar por esses caminhos enfrentando as suas dificuldades? Apenas caminhando…

Mas é bom lembrar uma parte do livro-carta-aberta do jornalista Hamilton Cardoso publicado nesta edição:

“Quando alguém está desorientado e perambulando é chamado de zumbi e quando alguém está zumbi, certamente está perambulando. Então ninguém quer ser zumbi e, conseqüentemente, presumo, no imaginário oficialmente permitido, nos dicionários e, principalmente ensinado às nossas crianças, Zumbi não é um símbolo ideal. …não removemos do caminho a parte que nos atrapalha.”

Cabe a nós cumprir nossa parte, a parte do reclamante, do consumidor, do crítico, a parte que faz “resta deste latifúndio” o pedaço de mim arrancado a ferro, fúria, força e a fibra que nos leva a agüentar e suportar as feridas desta terra.

Nessa edição de P@rtes desejamos a todos a capacidade e a vontade de construir, de construir uma democracia real, verdadeira, concreta. Somos P@rtes de uma sociedade que clama por democracia racial, social e liberdade tanta que cada indivíduo por si só saiba seus limites e os limites dos outros.


Compartilhe esse texto

Share to Google Buzz
Share to Google Plus
Share to LiveJournal
Share to Yandex