spacer

 

ISSN 1678-8419         última atualização em: quinta-feira, 06 de setembro de 2012 20:45:57                                               

 
  Principal
 Agenda
 Artes e Artesanato
 Colunistas
 Cultura
 Crônicas
 Econotas
 Editorial
 Educação
 Em Questão
 Em Rhede
 Entrevistas
 Humor
 Política e Cidadania
 Reportagens
 Mirim
 Notícias
 Outras edições
 Poesia e Contos
 Reflexão
 Expediente
 Sócio Ambiental
 Terceira Idade
 Terceiro Setor
 Turismo
   Participe
 Cartas
 Blog
 Fale Conosco
   Especiais
 Igrejas
 Meio Ambiente
 SP 450 anos
 Memória Sindical
 Assédio Moral
 Vitrine do Giba
 Nosso Dáimon
 O Grito do Ipiranga
 Mirim
 Feiras e Mercados
 Em RHede
 Econotas
 Ambientais
 Agenda
.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
EDUCAÇÃO
Atividades experimentais na escola    

Edina Souza de Melo*

publicado em 10/02/2011

 

RESUMO

Este artigo discute a importância das atividades experimentais na escola e por que apenas algumas instituições ou professores conseguem desenvolver aulas práticas. Apresenta os tipos ou modalidades do trabalho experimental. Fala do laboratório de baixo custo, de aulas práticas com materiais caseiros e do principal papel dessas atividades, que é desenvolver no aluno a reflexão, construção de idéias, conhecimento de procedimentos e atitudes. Finaliza mostrando a necessidade do professor buscar alternativas a falta de laboratório e equipamentos na escola e da importância de se explorar os resultados inesperados.

 

Palavras chaves: Atividades experimentais. Práticas. Laboratório. Aprendizagem

 

 

RESUMEN

 

Este artículo discute la importancia de las actividades experimentales en la escuela y por qué solamente algunas instituiciones o profesores consiguen desarrollar clases prácticas. Presenta los tipos o modalidades del trabajo experimental. Habla del laboratorio de bajo coste, de clases prácticas con materiales caseros y del principal papel de esas actividades, que es desarrollar en el alumno la reflexión, la construcción de ideas, conocimiento de procedimientos y actitudes. Finaliza mostrando la necesidad del profesor buscar alternativas a la falta de laboratorio y equipamientos en la escuela y de  explorar los resultados inesperados.

 

 

Palabras Claves: Actividades experimentales. Prácticas. Laboratorio. Aprendizaje.

 

 

 

 

Introdução

 

Os movimentos de reforma curricular nas últimas décadas deram imenso destaque ao ensino no laboratório. Os professores de ciências e biologia acreditam que a melhoria do ensino está na introdução de aulas práticas no currículo. Há reivindicações permanentes dos professores, para que sejam montados laboratórios nas escolas, e dos alunos, para que sejam ministradas aulas práticas. Para Moraes (1998). As aulas de laboratório podem funcionar como um contraponto das aulas teóricas, como um poderoso catalisador no processo de aquisição de novos conhecimentos, pois a vivência de uma certa experiência facilita a fixação do conteúdo a ela relacionado. Para Jean Piaget apud Gioppo (1998, p. 39).

 

“(...) a incrível falha das escolas tradicionais, até estes últimos anos inclusive, consiste em haver negligenciado quase que  sistematicamente a formação dos alunos no tocante à experimentação. “(...) uma experiência que não seja realizada pela própria pessoa, com plena liberdade de iniciativa, deixa de ser, por definição, uma experiência, transformando-se em simples adestramento, destituído de valor formador por falta da compreensão...”

 

No entanto apenas algumas instituições ou professores conseguem desenvolver aulas com experiências. Várias escolas dispõem de alguns equipamentos e laboratórios que, no entanto, nunca são utilizados, as razões apontadas são: não existem atividades já preparadas, em ponto de uso para o professor; falta de recursos para compra de componentes e materiais de reposição; falta de tempo do professor para planejar a realização de atividades experimentais; a grande maioria dos professores trabalham sozinhos, de forma isolada, permanecendo na escola apenas durante o período das aulas; laboratório fechado e sem manutenção;. Muitos professores também se sentem inseguros na realização de experimentos, pois não tiveram acesso a laboratórios durante a sua formação em cursos de licenciatura. É isso que Constata Barbieri Santos (1993, p. 2):

 

Embora o Ensino de Ciências através de experiências seja apontado por todos (...) como condição básica para a aprendizagem, o ensino experimental não se viabiliza nas escolas. Os professores têm dificuldades em realizar experimentos principalmente porque, durante a sua formação em cursos de Licenciatura, muitos não têm acesso a laboratórios.

 

Muitos professores preparam aulas práticas com materiais caseiros e de baixo custo. Atividades práticas podem ser desenvolvidas em qualquer sala de aula, sem a necessidade de instrumentos ou aparelhos sofisticados não havendo a necessidade de um ambiente com equipamentos especiais para a realização de trabalhos experimentais. A participação dos alunos é importante e as Feiras de Ciências, programadas com antecedência, funcionam como um grande laboratório, onde crianças têm a oportunidade uma vez no ano de vivenciar a concretização de alguns experimentos.

 

Objetivos das atividades experimentais

 

Para Moraes, Ramos e Galiazzi, (1999) um trabalho de pesquisa pode ser resumido como um processo multicíclico, com três componentes: o questionamento, a construção de argumentos e a validação dos resultados, todos eles mediados pelo diálogo crítico no grupo. Lunetta e Hofstein apud Matos (2001) consideram três os objetivos centrais para as atividades de laboratório: Cognitivo (promover desenvolvimento intelectual, melhorar a aprendizagem de conceitos científicos, desenvolver capacidades de resolução de problemas, aumentar a compreensão da ciência e de métodos científicos), Prático (desenvolver habilidades de desempenho de investigações científicas, de análise de dados de investigação, de comunicação, de trabalho com os outros) e afetivo (melhorar atitudes face à ciência, promover percepções positivas da capacidade de cada um compreender e afetar o seu próprio ambiente).

 

Para os Parâmetros Curriculares Nacionais - PCN (1998), é muito importante que as atividades não se limitem a nomeações e manipulações de vidrarias e reagentes, fora do contexto experimental. É fundamental que as atividades práticas tenham garantido o espaço de reflexão, desenvolvimento e construção de idéias, ao lado de conhecimentos de procedimentos e atitudes. Carraher apud Possobom (2002) defende um modelo alternativo, denominado modelo cognitivo, no qual os educadores levantam problemas do cotidiano (questões reais) para que os alunos busquem as soluções. Mesmo que a resposta não seja satisfatória para o professor, não se deve descartar o fato de que o aluno tenha raciocinado para chegar à conclusão. É preciso tentar conhecer como a criança estava pensando (o que a leva a chegar a conclusões diferentes das nossas), como ela está representando as idéias para si.

O laboratório pode proporcionar excelentes oportunidades para que os estudantes testem suas próprias hipóteses sobre fenômenos particulares, para que planejem suas ações, e as executem, de forma a produzir resultados dignos de confiança. É importante que os professores enfatizem as diferenças entre os experimentos realizados no laboratório escolar, com fins pedagógicos, e a investigação realizada por cientistas. É necessária uma análise mais cuidadosa da relação entre observação, experimento e teoria (CHALMERS, 1993).

 

A experimentação faz parte da vida, na escola ou no cotidiano de todos nós. Assim, a idéia de experimentação como atividade exclusiva das aulas de laboratório, onde os alunos recebem uma receita a ser seguida nos mínimos detalhes e cujos resultados já são previamente conhecidos, não condiz com o ensino atual. As atividades experimentais devem partir de um problema, de uma questão a ser respondida. Cabe ao professor orientar os alunos na busca de respostas. As questões propostas devem propiciar oportunidade para que os alunos elaborem hipóteses, testem-nas, organizem os resultados obtidos, reflitam sobre o significado de resultados esperados e, sobretudo, o dos inesperados e usem as conclusões para a construção do conceito pretendido. Os caminhos podem ser diversos, e a liberdade para descobri-los é uma forte aliada na construção do conhecimento individual (BRASIL, 1999).

 

No ensino de ciências as atividades práticas são, na maioria das vezes, planejadas, mas situações inesperadas também desempenham um importante papel na medida em que representam eventos que podem ocorrer dentro do laboratório escolar. Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (BRASIL, 1997) a discussão dos resultados de experimentação é sempre um momento importante. A idéia de experimento que dá certo ou errado, deve ser compreendida dentro dos referenciais que foram especificamente adotados. Quando os resultados diferem do esperado, estabelecido pelo protocolo ou pela suposição do estudante, deve-se investigar a atuação de alguma variável, de algum aspecto ou fator que não foi considerado em princípio, ou que surgiu aleatoriamente, ao acaso. É uma discussão pertinente, afastando-se a idéia de que o experimento que deu errado deve ser descartado da análise. Pelo contrário, no ensino de Ciências Naturais, a discussão de resultados diferentes do esperado pode ser muito rica.

 

 

Tipos de atividades experimentais

 

 

Tamir (1977) distingue dois tipos de trabalho experimental: os de verificação e os de investigação. No primeiro caso é o professor que identifica o problema, que relaciona o trabalho com outros anteriores, que conduz as demonstrações e dá instruções diretas – tipo receita. No segundo caso, tipo investigativo, a experimentação deve ser encarada na sala de aula como: meio para explorar as idéias dos alunos e desenvolver a sua compreensão conceptual; deve ser sustentado por uma base teórica prévia informadora e orientadora da análise dos resultados; deve ser delineada pelos alunos para possibilitar um maior controle sobre a sua própria aprendizagem, sobre as suas dificuldades e de refletir sobre o porquê delas, para as ultrapassar.

 

Para Miguéns (1991) os tipos de atividade ou modalidade de trabalho experimental são diferentes em função da sua natureza e dos objetivos que, com a sua realização, se pretende atingir. Considera que existem seis tipos diferentes (exercícios, experiências, experimentações de descoberta guiada, demonstrações, trabalho de campo e investigações ou projetos). Exercícios - os alunos realizam a atividade sob a orientação de procedimentos e instruções precisas, seguindo os passos indicados nas fichas. Os exercícios de observação, medição e manipulação podem servir o desenvolvimento de habilidades práticas básicos e envolver os alunos no trabalho com algumas técnicas usadas pelos cientistas Experiências - experimentações exploratórias simples, geralmente qualitativas, curtas e rápidas (WOOLNOUGH, ALLSOP apud MATOS 2001). Experimentações de descoberta guiada - os procedimentos são realizados pelos alunos em direção a uma pré-determinada e única resposta certa. Estão ligadas a perspectivas indutivistas da ciência. A natureza convergente destas atividades conduz os alunos ao “jogo de encontrar a resposta certa” (WELLINGTON, 1981). Demonstrações - são realizadas pelo professor envolvendo ou não alguma discussão com os alunos sobre o que vai fazendo e acerca dos conceitos envolvidos. São necessárias e desejáveis quando estão envolvidos custos de realização particularmente elevados, procedimentos perigosos e a manipulação apropriada do equipamento (GARRETT, ROBERTS, 1982). Trabalho de campo - os alunos saem da sala de aula e da própria escola e observam, exploram recolhem material e dados experimentam no terreno tal qual um ecólogo ou geólogo fariam (LOCK apud MATOS 2001). Investigações ou Projetos - os alunos resolvem problemas, pesquisam, experimentam, estudam um problema particular e trabalham as possíveis soluções. São atividades de fim aberto e podem ser realizadas pelos alunos tanto individualmente como em pequenos grupos, podendo ou não estar diretamente ligadas aos conteúdos a ser estudados. Requerem que os alunos assumam e reconheçam os problemas em estudo como problemas reais e permitem que eles se envolvam no planejamento, execução, interpretação e avaliação da evidência e das soluções possíveis, para além de comunicarem os seus resultados tanto verbalmente como por escrito (LOCK apud MATOS 2001). Estão ligadas a uma abordagem investigativa do ensino/aprendizagem das ciências.

 

Mais recentemente Bonito e Trindade (1998) distinguem cinco tipos de atividades. Onde o Tipo I correspondem as atividades ligadas ao desenvolvimento de habilidades psicomotoras, o Tipo II atividades de verificação de conceitos ou princípios, o Tipo III atividades relacionadas com a descoberta de um conceito ou princípio, o Tipo IV atividades de resolução de problemas (orientada) e o Tipo V atividades de resolução de problemas (autonomamente).

 

 

O laboratório de baixo custo

 

 

Entre os obstáculos para a realização das práticas, está a falta de familiaridade com atividades experimentais simples, que possam ser realizadas em uma sala de aula comum com materiais de fácil obtenção. A maior parte dos professores não realiza atividade experimental por que acredita que são muito trabalhosas, exigem tempo excessivo, espaço e materiais específicos. Isso faz com que não se sintam seguros quanto à forma de incorporar este recurso na dinâmica de suas aulas. A grande maioria das escolas públicas de São Paulo possui espaços físicos destinados a atividades experimentais, mas invariavelmente, estes acabam funcionando como salas de aula comuns, quando não como depósitos. Por outro lado uma série de experiências e atividades práticas que podem perfeitamente ser realizadas dentro das salas de aula, são deixadas de lado pelos professores que acreditam necessitar de salas especiais para esse fim (AXT, MOREIRA, 1991).

 

Ferreira apud Santos, Violin (1985), e muitos outros autores nas últimas décadas propõem que o professor busque alternativas à ausência de laboratórios bem equipados através da utilização de material de baixo custo ou de custo algum. A utilização destes materiais, em geral, permite que se realizem experimentos físicos sem a necessidade de ambientes especiais (laboratórios). Além disso, os fenômenos não ficam escondidos pela “caixa-preta” de equipamentos que o estudante não sabe exatamente como funciona. Para Ribeiro (1955, P.54):

 

“... aparelhos e montagens improvisadas, executadas com os recursos mais modestos laboratórios, deve ser considerada não como uma solução de emergência, mas ao contrário, como uma nova técnica desejável para desenvolver as capacidades construtivas e inventivas do estudante”.

 

Segundo Kaptisa (1985) hoje isso é ainda muito mais importante, a sociedade de consumo nos fornece todas as coisas prontas. As crianças não são mais estimuladas a usar a imaginação para construir seus brinquedos, todas as novidades são compradas e logo esquecidas, pois não lhe interessam mais quando deixam de ser novidade. Quando os brinquedos eram construídos pelas próprias crianças estes tinham para aquelas um maior valor. Da mesma maneira, num laboratório, o aluno se sente muito mais envolvido e entenderá muito melhor se ele mesmo constrói os instrumentos para sua experimentação. A utilização de um instrumento após a sua construção fará com que o aluno aja de uma maneira mais racional, pois ele terá uma idéia clara, a respeito do funcionamento e as limitações do instrumento. Assim sua atuação será menos mecânica e sua aprendizagem, provavelmente, mais eficiente.

 

 

CONCLUSÃO

 

 

         O trabalho experimental é um importante recurso didático, mas pouco utilizado pelos professores. O processo de ensino e aprendizagem não deve ser desenvolvido somente de forma teórica, mas na forma prática também, sempre havendo uma ligação entre a prática e a teoria, entre a escola e a vida. É necessário que o professor busque alternativas a falta de laboratório e de equipamentos. Várias atividades práticas podem ser realizadas na sala de aula. A experimentação, principalmente quando realizada com materiais simples que o aluno tem condições de manipular e controlar, facilita o aprendizado dos conceitos e desperta o interesse do aluno. Também é importante que os professores conscientizem-se da importância dos resultados inesperados e que saibam explorá-los e aproveitá-los da melhor forma possível. Por tudo isso é necessário que durante sua formação, nos cursos de licenciatura, os professores tenham mais acesso aos laboratórios das universidades, para que com mais habilidade e segurança possam introduzir em suas aulas, o trabalho experimental. 

 

 

REFERÊNCIAS

 

 

AXT, R.; MOREIRA, M. A. O ensino experimental e a questão do equipamento de baixo custo. Rev. Bras. Ens. Fís., 13: 97-103. Porto Alegre, 1991.

 

BARBIERI, M. R. Projeto USP /BID – Formação de professores de ciências .in: Boletim da Filosofia, n.6 , p.4 . São Paulo, 1993 apud SANTOS, Emerson Izidoro dos; PIASSI. Luís Paulo de Carvalho; FERREIRA, Norberto Cardoso. Atividades experimentais de baixo custo como estratégia de construção da autonomia de professores de física: uma experiência em formação continuada. IX  Encontro Nacional em pesquisa em ensino de física, 2004.

 

 

BONITO, J.; TRINDADE, V. (1998). Actividades práticas: Contributos para o ensino das geociências. Workshop realizada no 2º Simpósio Ensino das Ciências e da Matemática.

 

BORGES, Oto Néri et al.  Situações inesperadas no laboratório escolar. Disponível em: http://www.sbf1.sbfisica.org.br/eventos/epef/viii/PDFs/  COCD6_1.pdf. Acesso em: 20 jul. 2010.

 

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais : Ciências Naturais / Secretaria de Educação Fundamental.  Brasília : MEC / SEF, 1998.

 

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental : ciências naturais / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília : MEC/SEF, 1997.

 

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais Ensino Médio: Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília : MEC 1999.

 

CHALMERS, A.F. (1993). O Que é a Ciência Afinal? São Paulo: Brasiliense.

 

FERREIRA, N. C. Proposta de laboratório para a escola brasileira – Um ensaio sobre a instrumentalização no ensino médio de Física. Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências (Modalidade Física). Instituto de Física e Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 1978 apud SANTOS, Emerson Izidoro dos; PIASSI, Luís Paulo de Carvalho; FERREIRA, Norberto Cardoso. Atividades experimentais de baixo custo como estratégia de construção da autonomia de professores de física: uma experiência em formação continuada. IX  Encontro Nacional em pesquisa em ensino de física.

 

GALIAZZI, Maria do Carmo et al. Objetivos das atividades experimentais no ensino médio: a pesquisa coletiva como modo de formação de professores de Ciências. Ciência & Educação, v.7, n.2, p.249-263, 2001.

 

GIOPPO,Christiane, SCHEFFER, Elizabeth Weinhardt O; NEVES, Marcos C. Danhoni.O ensino experimental na escola fundamental: uma reflexão de caso no Paraná. Educar, n. 14, p. 39-57. Ed. da UFPR. 1998.

 

KAPTISA, P. Experimento, Teoria e Prática: artigos e conferências, Moscou, Ed. Mir, 1985.

 

LUNETTA, V. & HOFSTEIN, A. (1991). Simulation and laboratory practical activity. In B. Woolnough (Ed.), Practical science (pp 125-137). Buckingham: Open University Press, apud MATOS, Maria Margarida O. M. F. Trabalho experimental na aula de Ciências Físico-Químicas do 3º Ciclo do Ensino Básico: Teorias e práticas de professores. 2001. Tese (mestrado em Educação) - Faculdade de Ciências, Universidade de Lisboa, Portugal.

 

MIGUÉNS, M. (1991). Atividades práticas na educação em ciência: que modalidades?. Aprender, 14, 39-44.

 

MORAES, R. O significado da experimentação numa abordagem construtivista: O caso do ensino de ciências.  BORGES, R. M. R.; MORAES, R. (Org.) Educação em Ciências nas séries iniciais. Porto Alegre: Sagra Luzzato. 1998. p. 29-45.

 

MORAES, R; RAMOS, M; GALIAZZI, M.C. A pesquisa em sala de aula. 04 a 08 de outubro de 1999, Curitiba. (Módulo temático).

 

PIAGET, Jean. Para onde vai a educação? Tradução de Ivette Braga, 14ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1998 apud GIOPPO, Christiane; SCHEFFER, Elizabeth Weinhardt O.; NEVES, Marcos C. Danhoni. O ensino experimental na escola fundamental: uma reflexão de caso no Paraná. Educar, n. 14, p. 39-57. Ed. da UFPR. 1998.

 

POSSOBOM, Clívia Carolina Fiorilo; OKADA, Fátima Kazue; DINIZ, Renato Eugênio da Silva. Atividades práticas de laboratório no ensino de biologia e de ciências: relato de uma experiência. Disponível em:http://www.unesp.br /prograd/PDFNE2002/atividades praticas. pdf. Acesso em: 20 jul. 2009.

 

RIBEIRO, J. C.  O ensino experimental da Física no curso  secundário. II  Curso de aperfeiçoamento para professores de Física do ensino secundário.  Atas do encontro.  Pág.: 49-56. IBECC. MEC-ITA. São Paulo, 1955.

 

SANTOS, Emerson Izidoro dos; PIASSI. Luís Paulo de Carvalho; FERREIRA, Norberto Cardoso. Atividades experimentais de baixo custo como estratégia de construção da autonomia de professores de física: uma experiência em formação continuada. IX  Encontro Nacional em pesquisa em ensino de física.

 

TAMIR, P. How are the laboratories used ? Journal of Research in Science Teaching, v. 14, n. 4, p. 311-316, 1977.

 

VIOLIN, ANTÔNIO G. - Mecânica I - programa para ensino individualizado. 2ª edição. Rio de Janeiro, FAE, 1985.

 

WOOLNOUGH, B. & ALLSOP, T. (1985). Practical work in science. Cambridge:Cambridge University Press apud MATOS, Maria Margarida O. M. F. Portugal de. Trabalho experimental na aula de Ciências Físico-Químicas do 3º Ciclo do Ensino Básico: Teorias e práticas de professores. 2001. Tese (mestrado em Educação) - Faculdade de Ciências, Universidade de Lisboa.

 * Professora de Ciências da Rede Estadual do Rio de Janeiro, Especialista em Ensino de Biologia – UERJ, Especializanda em Ensino de Biociências e Saúde - Fundação Oswaldo Cruz, E-mail: ednamelo@gmail.com

 

 

 

 

Como citar este artigo:
MELO, Edina Souza de.
Atividades experimentais na escola. Revista Virtual P@rtes Fevereiro de 2011. Disponível em:
<
http://www.partes.com.br/educacao/experimentais.asp>

 

 

Pesquisa personalizada
 
  

spacer
::sobre o autor::

Edina Souza de Melo é * Professora de Ciências da Rede Estadual do Rio de Janeiro, Especialista em Ensino de Biologia – UERJ, Especializanda em Ensino de Biociências e Saúde - Fundação Oswaldo Cruz, E-mail: ednamelo@gmail.com
 
::contato com o autor::

Fale com o autor clicando aqui.

 
::uma foto::


 
   ::participe::
 Cartas
 Blog
 
::outros artigos::

Sobre o filme “Um homem bom”  e as decisões que tomamos em nossa história de vida
Décio Luciano Squarcieri de Oliveira; Fernanda Gabriela Soares Santos
publicado em 07/05/2009

Para entender o filme “Linha de Passe”
Décio Luciano Squarcieri de Oliveira; Fernanda Gabriela Soares Santos
publicado em 08/04/2009

 

O Curioso Caso de Benjamin Button: o esvaziar da ampulheta
Décio Luciano Squarcieri de Oliveira; Fernanda Gabriela Soares Santos
publicado em 04/04/2009
 

Um outro olhar sobre Avaliação: Alternativas Didáticas – Metodológicas entre História e Filosofia
Fernanda Gabriela Soares dos Santos e Décio Luciano Squarcieri de Oliveira
publicado em 02/03/2009
 

A dor no filme “Última Parada 174”
Fernanda Gabriela Soares dos Santos e Décio Luciano Squarcieri de Oliveira

publicado em 15/01/2009

 

Nota sobre o filme “Um Ensaio Sobre a Cegueira”
Fernanda Gabriela Soares dos Santos e Décio Luciano Squarcieri de Oliveira
publicado em 06/01/2009

 

 

Normas para publicar artigosRevista Virtual Partes

::apoiadores::






© copyright Revista P@rtes 2000-2008
Editor: Gilberto da Silva (Mtb 16.278)
São Paulo - Brasil
spacer
© copyright Revista P@rtes 2000-2011
Editor: Gilberto da Silva (Mtb 16.278)
São Paulo - Brasil