spacer

ISSN 1678-8419         última atualização em: quinta-feira, 01 de novembro de 2007 22:50:14                                               

 
  Principal
 Agenda
 Artes e Artesanato
 Colunistas
 Cultura
 Crônicas
 Econotas
 Editorial
 Educação
 Em Questão
 Em Rhede
 Entrevistas
 Humor
 Política e Cidadania
 Reportagens
 Mirim
 Notícias
 Outras edições
 Poesia e Contos
 Reflexão
 Expediente
 Sócio Ambiental
 Terceira Idade
 Terceiro Setor
 Turismo
   Participe
 Cartas
 Blog
 Fale Conosco
   Especiais
 Igrejas
 Meio Ambiente
 SP 450 anos
 Memória Sindical
 Assédio Moral
 Vitrine do Giba
 Nosso Dáimon
 O Grito do Ipiranga
 Mirim
 Feiras e Mercados
 Em RHede
 Econotas
 Ambientais
 Agenda
.
Leia na Revista Partes
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
EDUCAÇÃO

Repensando as práticas pedagógicas: dinâmica dos sujeitos em ação nas novas tecnologias

   
Por José Henrique Manhães Neves

publicado em 30/10/2007

RESUMO

 

Renunciando a um tipo somente de prática pedagógica, pronta a catalogar e classificar conteúdos e métodos pedagógicos, este pesquisador procurou construir saberes e práticas que tentam fazer sentido na contextualização das novas tecnologias e no Aparelho Ideológico do Estado com contribuições de teóricos de relevância.

Em busca destes novos desafios docentes buscaram-se, nesta obra, abordagens que não são únicas para discussão, mas que são de relevância para quem trabalha com as novas tecnologias educacionais, propondo-se redescobrir o lugar do docente e rompendo-se, nesse sentido, com as ditaduras dos espaços escolares e os conteúdos do currículo oficial.

A construção de conhecimento, a socialização e a ultrapassagem pelo currículo pronto são pontos de atenção nesta nova forma de socializar conhecimentos a partir, também, das novas tecnologias. 

Palavras-chaves.  Novas Tecnologias – Formação docente – prática pedagógica.
 

 1.     Novas Dinâmicas do Aparelho Ideológico 

A escola não é a única instituição social que abre seu espaço para as práticas pedagógicas dos docentes em ação. É sabido que com o advento das novas tecnologias e a educação a distância, as novas ferramentas educacionais contribuíram para novas práticas e resignificação de conceitos que, a priori, eram exclusivos para um único espaço social: a escola. 

Dessa forma, o mecanismo de controle e socialização resignificaram-se nos modos de conduta tanto pela parte do educador tanto quanto do outro sujeito que também faz parte do processo em ação. Neste ambiente bilateral, educadores e educandos formam-se a partir de teias e redes que se completam e se constroem a partir das novas tecnologias da educação. 

A esse processo de socialização – não tão simples e nem passível de aplicação mecânica – pode ser denominado, como assim sugere o tema desta obra como o “ repensar na prática pedagógica”. 

É sabido, portanto, que a sociedade contemporânea está inserida numa perspectiva libertadora e não mecânica. Esta tendência  conduz ao aproveitamento das novas tecnologias, inclusive, para uma educação continuada tanto para o docente quanto ao discente. Essa busca, no olhar deste pesquisador, requer duas observações importantes e de relevância: a problemática do acesso e o envolvimento pessoal e científico que esta tecnologia oferece.

 

2.Novas Tecnologias : os desafios para uma educação 

A aceleração do desenvolvimento nos grupos humanos permitiu que tais grupos garantissem a sobrevivência intelectual e de informação  numa perspectiva constituída, sobremaneira, de novas práticas pedagógicas e discursos mais fundamentados a partir de pesquisas e análises. Nesse sentido, o fator decisivo para tal perspectiva são as conquistas e a democratização de informação. 

Nos grupos reduzidos e nas sociedades primitivas, a aprendizagem ainda se dá com a socialização direta dos componentes com a cultura local algo que não pode ser julgado, de forma alguma, como inferior as sociedades urbanas. No entanto, a aceleração da informação nas sociedades industriais provocou uma corrida espetacular a recursos tecnológicos. Tais recursos possibilitaram a socialização de informações entre outras sociedades e continentes. 

A educação, nesse contexto, vincula o professor ao aluno, como mais uma possibilidade de espaço e de troca de informações. Requerem-se assim, nestas relações pedagógicas um repensar de como estas práticas se organizam e se socializam efetivamente. Uma mudança cultural num processo de reconstrução de saberes requer também um olhar  crítico e de observação. Com isso não se trata de inundar escolas e espaços sociais de produção de saberes e conhecimentos com computadores e máquinas magníficas que possibilitam o acesso a todos os tipos de informação em tempo real. 

O mais importante destas tecnologias é reinterpretar conhecimentos próprios em conhecimentos que podem ser coletivos. 

Com propriedade, Hernandez (2002) surpreende com o seguinte posicionamento: se, na vida cotidiana, o indivíduo aprende reinterpretando os significados da cultura, mediante os contínuos processos de negociação, também na vida escolar o aluno deveria reinterpretar disciplinas acadêmicas mediante processos de intercâmbios e negociação. 

3. Compreendendo os Novos Tempos e Socializando Saberes 

A imposição de cultura na aula como elucida o currículo oficial já não tem mais espaço como única forma de aquisição de conhecimento e socialização de tal conhecimento. A esta mudança cultural, de civilização, possibilita o sujeito da ação a interagir com outras formas de pensamentos, de saberes, de idéias e confrontá-las. Seguindo esta linha de raciocínio, não é apenas a educação que se defronta com as novas tecnologias: estas tecnologias presentes estão gerando impacto em todo o universo social, criando e resignificando dinâmicas onde o conhecimento vai tomando forma mais autônoma e subjetiva. Assim sendo, é substancial que os sujeitos da ação compreendam os novos tempos e anseios desta geração, por que para isso , é necessário “dialogar com a realidade inserindo-se nela como sujeito criativo” (Demo,2000, p.21) 

Tal realidade consiste como o próprio código nos alerta, pensarmos criticamente nos ambientes tecnológicos sem nos afogarmos em toda e qualquer informação em busca, e perceber que tal conectividade pode gerar uma transformação nas relações humanas. A possibilidade de construção de conhecimento e de informação de qualquer ponto pode ser entendida, nesse sentido, numa comunicação planetária e de socialização de conhecimentos. 

Mas o desafio não é simples. Como docentes, precisamos nos preparar para trabalhar com um universo tecnológico no qual nós ainda somos principiantes. Entender o aluno, nesse sentido, é orientá-lo para este universo tecnológico como forma e meio de construção de sentidos. Como diz Mello:

“... todas as atividades nas quais os profissionais se envolvem quando estão em serviço e que são estruturadas para contribuir para a melhoria de seu desempenho é uma atividade que possui objetivo definido e está comprometida com mudanças em indivíduos ou sistemas organizacionais.” (1993,p.38-39) 

 

Em função dessas considerações é possível entender  que uma nova competência pedagógica e um novo olhar na própria prática no que diz respeito as novas tecnologias  é debruçar-se sobre ela, no movimento dialético ação-reflexão-ação. Busca-se escapar da dicotomia entre teoria e prática, evitando a simples justaposição ou associação que encaminharia para uma atitude funcional. Portanto, quando estudamos as formas de educação nos espaços escolares e aproveitando o máximo oferecido por este instrumento, também, de educação – o computador- devemos lembrar que não somos os únicos interessados. Há uma rede que podemos denominar de sociedade de conhecimento que está do outro lado do que se está também esperando a socialização do que temos para falar e compartilhar. Esta interatividade é que impulsiona o docente a repensar suas práticas, a reinventar-se a cada dia em seus discursos educacionais. 

Por fim, nessa teia de relações não podemos mais buscar soluções isoladamente na educação, na comunicação ou em diferentes espaços culturais e sociais É na dimensão do conhecimento e em suas diversas manifestações que se pode encontrar um olhar sobre o que pensamos e sentimos e, neste espaço de juízos transitórios podemos emitir e construir avaliações diferentes em situações aparentemente semelhantes.  

 

        REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

DEMO, Pedro. Desafios modernos da educação. Petrópolis: Vozes, 1999. 

HERNÁNDEZ, Fernando. Transgressão e mudança na educação: os projetos de trabalho. Porto Alegre: Artmed, 1998. 

MELLO, Guiomar N. de. Políticas públicas de Educação. In: Estudos Avançados. São Paulo, v.5, n.13, pp. 7-47. 1999. 

 

 

 

spacer
::sobre o autor::

José Henrique Manhães Neves  é coordenador de Projetos Escolares em Escolas Públicas do Estado da Bahia, pesquisador no campo de Formação de Professores e Educação de Jovens e Adultos, Palestrante, Orientador Educacional e professor dos Programas de Pós Graduação em Educação do Instituto Superior de Instrução e Educação

::contato com o autor::

Fale com o autor clicando aqui.

 
::uma foto::


 
   ::participe::
 Cartas
 Blog
 Fale Conosco
 
 

::outros artigos::

Olhar, imaginar, desenhar, escrever:
Um ensaio investigativo e metodológico que passeia pelo campo simbólico da Educação Artística - Parte II

Por
José Henrique Manhães Neves
publicado em 31/01/2007

Olhar, imaginar, desenhar, escrever:
Um ensaio investigativo e metodológico que passeia pelo campo simbólico da Educação Artística

Por
José Henrique Manhães Neves
publicado em 01/12/2006

Os projetos escolares como propedêutica nos espaços sociais: A epistemologia em face da Subjetividade
Por José Henrique Manhães Neves
Publicado em 30/09/2006

 

 
 

 

 

 
 

 

 

 

 

 

 

 

 

Normas para publicar artigosRevista Virtual Partes.

::apoiadores::






© copyright Revista P@rtes 2000-2007
Editor: Gilberto da Silva (Mtb 16.278)
São Paulo - Brasil
spacer