spacer

 

ISSN 1678-8419         última atualização em: quinta-feira, 06 de setembro de 2012 20:45:05                                               

 
  Principal
 Agenda
 Artes e Artesanato
 Colunistas
 Cultura
 Crônicas
 Econotas
 Editorial
 Educação
 Em Questão
 Em Rhede
 Entrevistas
 Humor
 Política e Cidadania
 Reportagens
 Mirim
 Notícias
 Outras edições
 Poesia e Contos
 Reflexão
 Expediente
 Sócio Ambiental
 Terceira Idade
 Terceiro Setor
 Turismo
   Participe
 Cartas
 Blog
 Fale Conosco
   Especiais
 Igrejas
 Meio Ambiente
 SP 450 anos
 Memória Sindical
 Assédio Moral
 Vitrine do Giba
 Nosso Dáimon
 O Grito do Ipiranga
 Mirim
 Feiras e Mercados
 Em RHede
 Econotas
 Ambientais
 Agenda
.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
EDUCAÇÃO

Mediação Tecnológica - Educacional: Potencialidades do Ambiente Virtual de Ensino -Aprendizagem Moodle

   

DE NARDIN, Ana Claudiai; DE BASTOS, Fábio da Purificaçãoii

publicado em 01/03/2010


 

Resumo: No processo de Ensino-Investigação-Aprendizagem a distância os Ambientes Virtuais de Ensino - Aprendizagem (AVEA) são mediadores tecnológicos das práticas educativas. O Moodle é formado por ferramentas comunicativas, recursos e atividades possuindo caráter hipermidiático. Nesse sentido, busca-se enfatizar as especificidades e características do Moodle como mediação tecnológica livre e suporte a hipermídia educacional no intuito de estimar o potencial desse AVEA ao diálogo-problematizador, atividades de estudo e flexibilidade cognitiva.

Palavras-Chave: Moodle, Hipermídia Educacional, Mediação Tecnológica – Educacional, diálogo-problematizador.

 

Educational Technology Mediation: Virtual Potentialities of Environment for Teaching-Learning Moodle
 

Abstract: In the process of Teaching-Research-Learning the distance of the Virtual Environments for Teaching - Learning (AVEA) are mediators of educational practices. The Moodle is formed by communicative tools, resources and activities which have hypermediatic. In this sense, we seek to emphasize the features and characteristics of technological mediation as Moodle and free educational hypermedia support in order to estimate the potential of AVEA and the dialogical, problem-solving, student activities and cognitive flexibility.


 

Key-words: Moodle, Educational Hypermedia, Technologal Educational Mediation, dialogical, problem-solving.


 

APRESENTAÇÃO

A mediação das Tecnologias de Informação e Comunicação aplicadas a Educação (TIC) livre, concretizadas em redes e ambientes vêm ampliando significativamente as possibilidades de apropriação de conhecimento, a interatividade e a interação.

Os AVEA integram múltiplas mídias, ferramentas e recursos, propiciam interações, produção colaborativa e socialização do conhecimento. Assim, ao se pensar em mediação tecnológica livre na perspectiva da educação dialógico-problematizadora, faz-se necessário associar ambientes e hipermídia no ensino-aprendizagem, propícios para a participação ativa do educando.

Tendo em vista que o Moodle serve de suporte à hipermídia educacional e classifica-se como mediação tecnológica livre, problematizamos: a referida mediação tecnológica-educacional tem propiciado o desenvolvimento de práticas dialógico-problematizadora? A integração de hipermídia oportuniza a interação, a flexibilidade cognitiva, o ensino-aprendizagem colaborativo e a prática cultural da liberdade?

Características da Mediação Tecnológica -Educacional

Os AVEA se constituem como suporte a educação a distância por apresentarem características de conectividade, interface hipertextual de navegação e por integrarem em um mesmo ambiente diversas ferramentas de recursos (como materiais e conteúdos didáticos hipermidiáticos), de comunicação síncronas e assíncronas e de atividades.

Na organização de um AVEA para atividades a distância nos remetemos a ação diretiva docente, no sentido de acompanhar e monitorar as tarefas escolares, mediadas pelas TIC. Nesse sentido, para que um AVEA medie a interação dialógico-problematizadora e, potencialize o componente investigativo, é necessário que o mesmo contenha: interface de identificação do educador e do educando de modo a preparar a interação de acordo com as prioridades de cada um, com o intuito de que o educando possa manusear “as ferramentas e materiais didáticos disponibilizados pelo docente e, que este possa organizar as ferramentas necessárias para o desenvolvimento das atividades de estudo; assim, como formas de avaliação e os mecanismos de interação síncronas e assíncronas” (DE BASTOS et al., 2008, p.4).

Ainda, segundo os autores um AVEA precisa conter:

Mecanismos de coordenação para possibilitar agendamentos de eventos e controle do andamento das atividades escolares (quadro de avisos, programação das aulas, tarefas extra-classe, atividades de colaboração, avaliação e relatórios de participação nas atividades de estudo; mecanismos de cooperação para potencializar compartilhamentos (interação mediada pelos objetos escolares virtuais e digitais disponíveis no AVEA) e participação externa ao material didático (por exemplo, bibliotecas virtual e digital temáticas, co-autoria de educadores e educandos na reelaboração escolar) (DE BASTOS et al., 2008, p.4).

 

De acordo com isso, o Moodle apresenta-se como propício para o processo de ensino-investigação-aprendizagem por ter componentes que propiciam a programação, atividades extra-classe e de colaboração que são essenciais para potencializar a interação dialógico-problematizadora.

O Moodle é AVEA livre possuindo, portanto algumas vantagens advindas do respeito à liberdade de cópia, estudo e aperfeiçoamento, propiciando modificações e a possibilidade de ser redistribuído. Assim, apresenta seus códigos-fonte abertos, ou seja, possibilita o aperfeiçoamento constante e apropriação do conhecimento científico-tecnológico por toda comunidade, permitindo a prática da liberdade mediante a interação ativa de seus participantes, de forma que educadores e educandos sejam sujeitos autônomos e críticos no processo, na medida em que não se constituem apenas como usuários e consumidores das tecnologias.

Possui características construcionista, pois permite diálogos e ações (diário de bordo, lição, tarefas e exercícios) e potencializa a colaboração através de ferramentas como a Wiki que possibilita a composição colaborativa, interatuação, formação para a coparticipação ou coautoria. Constitui-se, ainda, como comunicacional tendo em vista as ferramentas de comunicação assíncronas: mensagens e fóruns que criam possibilidades interacionais e potencializam o diálogo-problematizador em torno de uma temática específica; e síncronas através do chat, que propicia a problematização através da associação com materiais bibliográficos e problematização mediante a definição de questões orientadoras.

Apresenta, ainda, características Informacionais, contemplando o agendamento das atividades mediante Calendário, Notícias e Mural. Por sua vez, o potencial investigativo do Moodle permite construir, realizar e disponibilizar pesquisas de Avaliação de forma a orientar a interação e potencializar a reflexão em torno da aprendizagem em determinado curso.

As tarefas consistem na descrição das atividades de estudo que serão desenvolvidas pelos educandos e podem contemplar o envio em formato digital de redações, imagens, solução de problemas, projetos, possibilitando ainda o desenvolvimento de tarefas extraclasse.

O Moodle potencializa a interatividade e a interação. A interatividade se concretiza na ação do sujeito sobre a máquina mediante um controle mais efetivo na manipulação das informações. A interação consiste na comunicação enquanto “ação recíproca entre dois ou mais atores onde ocorre a intersubjetividade; isto é, encontro de dois sujeitos - que pode ser direta ou indireta (mediatizada por algum veículo técnico de comunicação)” (BELLONI, 2008, p. 58).

A interação ocorre quando o educando realiza uma atividade envolvendo a organização e o diálogo em torno de situações-problemas. Pressupõe a participação - intervenção, a “bidirecionalidade” que destaca que a “comunicação é produção conjunta das emissões e recepções, é co-criação de dois polos que codificam e decodificam” e a “permutabilidade-potencialidade” que “supõe múltiplas redes de articulações, conexões e liberdades de ações, associações e significações” (SILVA, 2003, sem paginação).

A interação dialógico-problematizadora torna-se imprescindível, pois, a apropriação dos conhecimentos ocorre através das relações intra e interpessoais estabelecidas de forma que o diálogo, a colaboração e a troca de experiências são significativas para a constituição do sujeito. A interação tem papel decisivo no desenvolvimento cognitivo e se efetiva, no Moodle, através das ferramentas síncronas (chat) e assíncronas (fórum, mensagens) e atividades.

Moodle: suporte à Hipermídia Educacional

A modalidade EaD é mais dependente de suportes interativos que propiciem a interação e a comunicação haja visto o distanciamento espaço-temporal que lhe é característico. Diante da essencialidade da mediação tecnológica-educacional cabe enfatizá-la a partir das suas potencialidades, capacidade de coordenar o fazer.

Portanto, deve-se considerar as potencialidades do ambiente e da hipermídia em associação com a ações estabelecidas entre educadores e educando nas atividades de estudo e interações dialógico-problematizadoras.

A incorporação das TIC na mediação tecnológica-educacional a distância nos remete a utilização das hipermídia, com destaque aos conteúdos digitais conhecidos internacionalmente como Learning Objects (LO). Definidos como recursos digitais reutilizáveis, uma vez que se utilizam de um padrão de metadados que possibilita a reutilização, combinação, recuperação dos mesmos e a inserção nos AVEA.

A hipermídia integra vários tipos de mídias. Leão (2005) destaca que a hipermídia é uma tecnologia que integra recursos do hipertexto enquanto composto por informações interconectadas num documento digital, com a multimídia (incorporação de informações diversas como som, textos, imagens, vídeo em uma mesma tecnologia) o que permite ao sujeito a navegação pelas partes do aplicativo na ordem desejada.

A teoria da Flexibilidade Cognitiva (TFC) desenvolvida por Spiro (1992) vem sendo intensamente associada à hipermídia educacional, configurando-se como adequada e propícia aos ambientes hipermídias.

Tal teoria chama atenção ao fato de que o aprendizado não pode ocorrer a partir de uma única perspectiva, necessitando de múltiplas abordagens de apresentação do conteúdo e representações múltiplas do conhecimento de forma a potencializar a transferência do conhecimento para novas situações. Tal perspectiva múltipla de apresentação dos conteúdos contribuiu para o desenvolvimento de estruturas cognitivas flexíveis e, nesse sentido a hipermídia educacional permite a construção de múltiplas e variadas representações mentais.

De acordo com isso, considera-se a hipermídia educacional como “um meio adequado à promoção da flexibilidade cognitiva do educando, porque tornam possíveis a 'navegação' entre vastas quantidades de informação de uma forma não-linear” (MARCHIONINI apud REZENDE, 2002, p.10).

A hipermídia educacional permite que conceitos e temas complexos não sejam tratados de forma sequencial, linear e num só direcionamento, apresentando potencialidades de abordagem sob diferentes perspectivas de forma a flexibilizar a cognição propiciando a transferência do conhecimento para novas situações e contextos diferenciados de utilização.

Os recursos e atividades com características hipermidiáticas no Moodle ao agregar elementos inovadores de grande potencial educativo favorecem o desenvolvimento de variadas formas de flexibilidade e distintas possibilidades de apropriação do conhecimento indo além da mediatização dos conteúdos para desempenhar funções de “mediadores da actividade cognitiva” (DIAS, 2000, p.154).

Nesse sentido, as potencialidades da hipermídia são aumentadas ao serem inseridas como recurso no Moodle. A ferramenta wiki, por exemplo, propicia a inserção da hipermídia como recurso e a produção colaborativa de conteúdos escolares hipermídia.

Atividades de Estudo na concepção dialógica - problematizadora

No processo de ensino-investigação-aprendizagem a distância mediada pelas novas tecnologias há que se considerar “os mecanismos cognitivos e sociocognitivos e as interações e cooperações entre alunos e professores” (FRANCO apud ALBERTI, 2009 ) visando a adequação de conteúdos a melhor forma de organizá-los e disponibilizá-los.

A teoria da Atividade (DAVIDOV, 1998) pressupõe o planejamento de atividades de estudo e o controle diretivo docente no processo de aprendizagem através de um planejamento conceitual do que é necessário ser aprendido pelo educando para desenvolver o pensamento teórico e a apropriação do conhecimento.

A atividade de estudo, de acordo com isso, tem conteúdo e uma estrutura espacial definida e pode ser entendida segundo Alberti (2006, p.63) “como o movimento de formação do pensamento teórico, assentado na reflexão, análise e planejamento, que conduz ao desenvolvimento psíquico”. Assim, encontra-se em tal teoria “uma orientação viável-possível” para o desenvolvimento do processo ensino-investigação-aprendizagem à distância (ALBERTI; DE BASTOS, 2006).

Na proposição de atividades de estudo mediada por tecnologias pressupõe-se a interação educador-educando nas ações e operações, ação diretiva docente no planejamento do conteúdo mediante situações-problema, no monitoramento (controle) dos avanços e obstáculos na aprendizagem o que envolve a avaliação com vistas ao replanejamento das práticas escolares nos AVEA.

Nesse sentido, a ação relaciona-se com a finalidade e as operações com as condições para a realização das ações, sendo que a atividade de estudo acontece quando o educando realiza ações em torno de um objeto exterior (ALBERTI, 2009). No âmbito do Moodle os conteúdos de tais atividades são os conhecimentos teóricos compreendendo recursos e atividades

Para tanto, a atividade de estudo deve ser planejada de forma a exigir dos educandos uma análise do material didático, buscando relacioná-lo com outros materiais e com os conhecimentos que já possui, num processo de abstração e generalização; a construção dos conceitos ou ideia central para a elaboração da atividade e do “objeto mental concreto” e o “domínio do procedimento geral de construção do objeto estudado, ou seja, entendimento do que precisa ser feito; assim, o aluno vai efetivamente comprovar o que aprendeu realizando a tarefa” (DAVIDOV apud ALBERTI, 2009, p.57).

A proposição de uma atividade de estudo mediada por tecnologias de informação e comunicação pode, assim, “oferecer material cognoscente para satisfazer os interesses cognoscitivos dos alunos, fazendo com que, a partir desses interesses, surjam as necessidades de aprender os conhecimentos teóricos” (DE BASTOS et al.,2008, p. 15) Assim, os conhecimentos teóricos enquanto conteúdo da atividade de estudo são as necessidades, os motivos das ações de estudo mediadas pelas TIC é a aprendizagem dos mesmos.

Alberti (2006, 2008, 2009) associa a teoria da Atividade com a perspectiva freireana denominando-as de “atividades de estudo dialógico-problematizadora” destacando as características de desenvolvimento, as ações e a importância do diálogo no sentido de desencadeá-la na EaD. Tal perspectiva pressupõe um acompanhamento docente capaz de propiciar espaços de interação, colaboração e autoria.

Tal autora destaca que “quanto mais transformadora e dialógica forem às atividades de aprendizagem desenvolvidas através da mediação tecnológicas” mais intensas serão as necessidades e o interesse “para com a atividade proposta” (ALBERTI, 2009, p.37).

Portanto, é preciso considerar a tarefa em si, ações condutoras de aprendizagem e ações como avaliação e controle. As ações de Avaliação e Controle realizadas por ferramentas específicas do Moodle permitem ao professor o acompanhamento e monitoramento do desenvolvimento dos alunos com o intuito de identificar obstáculos e avanços no processo de ensino-aprendizagem bem como o cumprimento das ações por parte dos educandos.

A interação e o diálogo em torno das atividades de estudo mediadas por tecnologias permitem desenvolver maneiras de contextualização e o envolvimento discente na busca de estratégias de resolução. Assim, pressupõe uma atitude crítica dos educandos em diálogo contínuo com o educador.

O diálogo torna possível a problematização do conhecimento científico e o pensar crítico na educação à distância, permite a comunicação que é imprescindível na educação. Portanto, o “diálogo está colocado como articulador para que esse processo aconteça de forma ativa e crie as necessidades e motivos para os alunos desenvolverem a atividade” (ALBERTI, 2009, p.65) não operando mediante a transmissão e repasse de informações e conhecimentos.

Assim, interagir através dos AVEA hipermídia consiste em problematizar (FRANCO apud ALBERTI, 2009). A problematização se potencializa nas relações colaborativas docentes e discentes em torno do objeto de estudo.

Nesse sentido, atividades de estudo hipermidiática podem ser desenvolvidas no Moodle uma vez que este propicia a o planejamento docente em torno da organização conceitual da aula e a estruturação em torno de situações-problemas sustentando o diálogo-problematizador nas ações e operações.

A seguir, apresenta-se uma rede conceitual da mediação tecnológica educacional:


 




 

Figura 01: Rede conceitual sobre mediação tecnológica-educacional



 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O Moodle, ambiente virtual de ensino-aprendizagem, suporte à hipermídia educacional é formado por ferramentas de recursos e atividades que propiciam a interação dialógica-problematizador tendo potencial para gerar e consolidar o ensino-investigação-aprendizagem em EaD.

Tal mediação tecnológica livre permite que a educação se constitua enquanto prática de liberdade, bem como potencializa que recursos e atividades sejam constituídos hipermidiaticamente.

Para tanto, deve-se atribuir potencial dialógico-problematizador as ferramentas de atividades do Moodle associando-se referências bibliográficas e recursos hipermidiáticos. Tais ferramentas específicas permitem organizar a tarefa a si, as ações condutoras de aprendizagem e ações de avaliação e controle indispensáveis na proposição de atividades de estudo.

 

REFERÊNCIAS

ALBERTI, T. F. & DE BASTOS, F. da P. A Teoria da Atividade como orientação psicopedagógica na implementação de atividades de estudo em Ambientes Virtuais. Revista Ciências & Cognição, 2008; Vol 13 (2): xxx-xxx http://www.cienciasecognicao.org, acessado em 20/04/2009.

____________; Das Possibilidades da Formação Profissional a Distância: um Estudo na Perspectiva da Teoria da Atividade. Programa de Pós- Graduação em Educação. Doutorado em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul . Projeto de Tese. Porto Alegre, 2009. In Press.

BELLONI, M. L. Educação a distância. 5º ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

DE BASTOS, F.; ABEGG, I.; MALLMANN, E. M.; MÜLLER, F. M. Interação Mediada por Computador. Curso de Especialização em TIC. Universidade Federal de Santa Maria/UFSM/UAB, 2008. Disponível em:http://cead.ufsm.br/moodle/course/view.php?id=32, acessado em 23/04/2009.

____________; Educação Científico-Tecnológica, Ambientes Virtuais de Ensino- Aprendizagem e Objetos Escolares Hipermídias. Relatório Técnico CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, 2007.

DIAS, P. Hipertexto, hipermédia e media do conhecimento: representação distribuída e aprendizagens flexíveis e colaborativas na Web. Revista Portuguesa de Educação, 2000, 13(1), Universidade do Minho, Braga, Portugal, 2000, p. 141-167.

LEÃO, Lúcia. O labirinto da hipermídia: arquitetura e navegação no ciberespaço. São Paulo: Editora Iluminura, 2005.

REZENDE, F. As Novas Tecnologias na Prática Pedagógica sob a Perspectiva Construtivista. ENSAIO – Pesquisa em Educação em Ciências. Volume 02 / Número 1 – Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde, UFRJ, março, 2002.

SILVA, M. Sala de Aula Interativa: A Educação Presencial e a Distância em Sintonia com a Era Digital e com a Cidadania. 2003. Disponível em: http://www.saladeaulainterativa.pro.br/texto_0009.htm, acessado em 18/08/2009.

iNOTAS
 

Graduação em Geografia, Especialista em TIC aplicadas a Educação, Mestranda em Educação pela UFSM/PPGE e Tutora do Curso de Licenciatura em Sociologia a distânica UFSM/UAB. E-mail: anaclaudiadenardin@gmail.com.
 


 

ii Professor, Doutor do Departamento de Metodologia de Ensino e do Programa de Pós-Graduação em Educação – CE/UFSM. E-mail: fbastos@ce.ufsm.br.



 

CITAÇÃO DO ARTIGO

DE NARDIN, A. C.; DE BASTOS, F. da P. Mediação Tecnológica - Educacional: Potencialidades do Ambiente Virtual de Ensino -Aprendizagem Moodle. P@rtes. V.00 p.eletrônica. Março de 2010. Disponível em <www.partes.com.br/educacao/mediacaotecnologica.asp>. Acesso em _/_/_.

 

 

 
  

spacer
::sobre o autor::


 

::contato com o autor::

Fale com o autor clicando aqui.

 
::uma foto::


 
   ::participe::
 Cartas
 Blog
 Fale Conosco
 
 

::outros artigos::

Licenciatura em educação Intercultural na Amazônia: a dimensão de um desafio
Genivaldo Frois Scaramuzza
publicado em 11/11/2009

 
 
 

 

 

 
 

 

Normas para publicar artigosRevista Virtual Partes

::apoiadores::






© copyright Revista P@rtes 2000-2010
Editor: Gilberto da Silva (Mtb 16.278)
São Paulo - Brasil
spacer