spacer

 

ISSN 1678-8419         última atualização em: quinta-feira, 06 de setembro de 2012 20:44:36                                               

 
  Principal
 Agenda
 Artes e Artesanato
 Colunistas
 Cultura
 Crônicas
 Econotas
 Editorial
 Educação
 Em Questão
 Em Rhede
 Entrevistas
 Humor
 Política e Cidadania
 Reportagens
 Mirim
 Notícias
 Outras edições
 Poesia e Contos
 Reflexão
 Expediente
 Sócio Ambiental
 Terceira Idade
 Terceiro Setor
 Turismo
   Participe
 Cartas
 Blog
 Fale Conosco
   Especiais
 Igrejas
 Meio Ambiente
 SP 450 anos
 Memória Sindical
 Assédio Moral
 Vitrine do Giba
 Nosso Dáimon
 O Grito do Ipiranga
 Mirim
 Feiras e Mercados
 Em RHede
 Econotas
 Ambientais
 Agenda
.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
EDUCAÇÃO

Reflexões a cerca do processo de leitura e escrita: compreender para transformar o ensino

   

Karine Sefrin Speroni[1]

publicado em 12/07/2010

 

 

 

RESUMO: O processo de leitura é um processo complexo que transcende a simples decodificação da língua escrita. Desse modo é pertinente considerarmos a amplitude desse processo bem como destacar que este se configura desde tempos remotos como ato social. Em outras palavras o processo de lecto-escrita por muito tempo esteve atrelado a uma condição de poder exercida por grupos hegemônicos. A compreensão desse processo, sua historicidade nos permite traçar novos discurso a cerca da importância do ato de ler para processo de ensino-aprendizagem nos dias de hoje.

 

 

INTRODUÇÃO:

 

            A prática da leitura é um processo que transcende a uma decodificação do código escrito da língua. Em outras palavras, o ato de ler conduz a estruturas diferenciadas e organização lexical que provém do contexto e está diretamente relacionada com contexto pelo qual a mensagem se torna significante em dado momento para os indivíduos que a ela tem contato. Dessa forma o presente artigo visa promover uma discussão e conduzir a uma reflexão sobre esse processo e sua importância deste desde seu processo histórico de evolução.

Para que consigamos conceituar o processo de leitura, devemos compreender o processo de linguagem escrita em toda sua complexidade. Isto é, em sua caracterização visual, como ocorre esse processo, também o signo de poder que a linguagem escrita representa e representou com o passar dos anos. Diante dessa perspectiva, procuro demonstrar com embasamento teórico de Jorm (1985), Focaumbert (1994) e Lodi (2004), Orlandi (2006) minha posição frente à referida temática.

Segundo Jorm (1985), o processo de leitura dá-se da seguinte forma: a leitura é vista como um processo de cima para baixo, dessa forma, o leitor é guiado pela expectativa do que está impresso na página. O leitor utiliza seu conhecimento de mundo, seu conhecimento da linguagem e seu conhecimento dos sinais, para prever quais informações estão contidas na página a ser lida. Desta forma, o leitor testa a informação da página, em vez de processar letra por letra e palavra por palavra, ele é capaz de selecionar apenas a informação relativa às suas expectativas. O leitor se fixa na mensagem que o texto traz, e não somente na codificação de símbolos. Portanto, o objetivo final da leitura é determinar o significado do texto que está sendo lido.

Um segundo mecanismo que utilizamos para o processo de leitura é o uso da informação visual da palavra impressa para obter sua pronúncia, talvez utilizando algum tipo de regra para relacionar as letras aos seus sons, usando a pronúncia para chegar ao significado léxico mental. Assim, primeiro se tem a codificação do símbolo  para depois se ter um significado. Por isso dizemos que a linguagem é complexa, pois ela atinge diversas áreas cerebrais. Dessa forma, este processo de repetição da palavra da palavra que não é conhecida em voz alta serve como memória auditiva. Em outras palavras, isso significa que toda vez que a palavra for solicitada logo chegará à memória do som que a mesma possui e se associará ao significado correspondente.

A leitura em sua complexidade não está limitada apenas ao processo de decodificação de uma língua, mas sim ao contexto  a qual nos referimos ao ler. Segundo Jean Foucambert, entre 1960 e 1970, a escola confrontou-se com um problema de leitura que não conseguiu superar. Até essa data, o saber ler era confundido com a possibilidade de se atribuir um significado ao escrito, transformando-o em oral. Em outras palavras, a leitura não está além da decifração, ela tem outro sentido. Este sentido se refere ao contexto cultural o qual estamos inseridos, ou seja, o ato de ler  nos remete a um mundo desconhecido, bem como a posicionamentos diferenciados. Em suma, este ato sim nos mostrará a importância da leitura no contexto cultural a qual estamos inseridos.

Por conseguinte, ler também significa ser questionado pelo mundo e por si mesmo. Isso quer dizer que certas respostas podem ser encontradas na escrita, signiica, também, a construção e uma resposta que integre partes de novas  informações ao que já se é (Foucambert, 1994). Enfim, o ato de ler nos remete à descoberta de um mundo que antes não havíamos conhecido, é questionar, é emocionar-se com o que representa o mundo do autor. Uma vez que a leitura nos permite uma das melhores formas de interação com o mundo.

Em outras palavras, é um processo que leva à compreensão que há diversidade de idéias e pensamentos, também, através da leitura que podemos mudar nosso pensamento e compreender o pensamento do outro. Neste contexto, controlar a leitura significa obter informação sobre o questionamento inicial, discutir as estratégias de exploração. Por conseguinte, medir o caminho percorrido; significa também formular um juízo sobre o escrito.

Em acordo com Foucambert (1994), o ato dele não consiste em encontrar o oral no escrito. A correspondência aproximativa com o oral é uma característica suplementar, que não afeta, porém, os processos de leitura. A escola, ainda, prefere explorar a língua escrita sem apelar para memória visual, concentrando fogo no domínio de um código de correspondência muito aproximativo; depois se lamenta pelo fato das crianças não saberem ler e cometerem erros de ortografia. Ainda se confunde oralização, leitura e leitura em voz alta (ORLANDI, 2006).

A oralização é a atividade que permite construir uma cadeia oral a partir do escrito. A leitura é atribuição de um significado ao texto escrito: 20¢ de informações visuais, provenientes do texto; 80% de informações que provém do leitor, o resto é informação sonora. Segundo Foucambert (1994) a leitura em voz alta é um comportamento enxertado à leitura, defasado em alguns segundos: é a opção de traduzir oralmente o que já foi compreendido na leitura.

Na história da escrita e sua evolução, atribuíram a este termo um significado que não condizia coma realidade. Com relação ao contexto histórico o qual a linguagem se insere, segundo Barchês & Mauriés (apud LODI, 2002, p. 19), por dois milênios a escrita esteve ligada a uma casta de funcionários ligada ao poder. Ela chegou ao mundo laico apenas no século XIII, determinando o surgimento de uma corporação de escritores dotados de privilégios. Assim, com expansão dos conhecimentos da linguagem escrita, a leitura silenciosa, antes da escrita aos escribas monásticos, chegou a universidade a tal prática estendeu-se, principalmente no século XIV, aos cortesãos aristocratas (LODI, 2004).

Neste contexto, a difusão da prática da leitura silenciosa permitiu o estabelecimento de uma relação com a leitura mais íntima e mais reservada, uma leitura rápida e especializada; conseqüentemente passou-se a ler mais na medida em que esta ocorria mais rapidamente. No entanto, essa prática ainda era restrita a uma minoria de privilegiados da aristocracia européia; poucos tinham acesso a ela e dela faziam uso.

Na época da descoberta dos povos latinos, pelos europeus, a escrita começa a ganhar prestígio em nossas terras, pois, a fim de consolidar a nova ordem política, era necessário que os atos de fundação e as escrituras de posse de terras fossem registrados. Dado o caráter permanente da escrita, esse material ganharia certa autonomia e manter-se-ia livre das vicissitudes das metamorfoses da história (LODI, 2004).

Paralelamente ao projeto de evangelização dos nativos, cabia também aos jesuítas atender ás necessidades de outra parcela da população que aumentava de forma considerável a dos brancos nascidos na nova terra, tidos como aqueles que possuíam maior facilidade e aptidão para a escrita e que representavam as classes de poder. Esse projeto contribui para a formação de um pequeno e novo grupo que, em subordinação direta à metrópole, tornou-s especialista na manipulação da linguagem escrita, passando a desempenhar papel de destaque na administração colonial. Rama (1996) chamou esse novo grupo social que se constituía de cidade letrada. No centro de cada cidade havia uma versão da cidade letrada, cuja função era tratar e cuidar dos mecanismos políticos de poder (LODI, 2004).

As diversas linguagens sociais em circulação em todas as esferas, embora resistissem e fizessem oposição às forças de unificação lingüística e cultural, num processo contínuo de desunificação e de descentralização lingüística e ideológica, eram tidas como inferiores e, portanto, funcionavam como uma forma de exclusão social, pois a hierarquia cristalizada pela língua servia aos processos de centralização sociopolítico e cultural, como forma de perpetuação da ideologia dominante.

 No entanto, absorvendo todos os tipos de contribuições e apesar das resistências dos letrados crescia se desenvolvia uma miríade de variações regionais, uma linguagem própria, nascida nas diversas regiões e países do Continente Americano, aquela da maioria da população. Desse modo, a cidade letrada manteve-se, assim, inalterável quanto á sua posição social, contrariando o desenvolvimento das cidades, cuja existência histórica permitia transformações sociais. Os conflitos entre as duas eram inevitáveis e, dados os conhecimentos adquiridos e transmitidos por seus antecessores pela escrita, os letrados desenvolveram formas de adaptação às transformações sociais, tornando-se uma classe cada vez mais independente. Essa independência deveu-se, principalmente, a dois fatores: ao alto grau de autonomia conseguindo dentro da grande estrutura do poder e sua avaliação intelectual frente às transformações que a ameaçavam; e à percepção quanto às limitações de suas ações associadas à sua dependência ao poder real na regulagem de ordem social hierárquica (LODI, 2004).

Nos dias de hoje, nossas escolas muitas vezes monopolizam ato de ler, ao não conscientizarem seus alunos da importância que este ato tem em suas vidas. Desde pegar um ônibus ao ir ao supermercado, a leitura é importante. Não para decorar códigos, mas sim para que se tenha inteira compreensão do mundo letrado que a sociedade globalizada se encontra. Por fim, a leitura não pode ser confundida como foi no passado, nem usada como símbolo de poder. Mas sim deve ser utilizada como veículo para levar informação em todos os cantos do globo. Tornado os indivíduos conscientes de seu papel em sociedade e agentes construtores de seus processos de aprendizagem.

Ao compreendermos todo processo que demanda o ato de ler e sua significância nos diferentes contextos históricos podemos lançar ancoras a compreensão da amplitude desse ato para práticas educacionais da atualidade. Assim considerando não mais a leitura e escrita como processo de privilégio de uma minoria que detém o poder, mas sim como direito de todos os sujeitos indistintamente. As práticas educacionais da atualidade devem proporcionar a aos educando meios eficazes para que se tornem agentes construtores de suas aprendizagens, enfim, conduzi-los a descobrir na leitura um novo mundo repleto de significações antes nunca descobertas.

Em outras palavras ao compreender o mundo os sujeitos tornam-se condutores de informações fruto de uma construção sadia que permeia as construções do imaginário. Ao compreender essa premissa e considerar o processo histórico que o ato de ler abrangeu para a evolução da humanidade, os educadores podem desenvolver novas reflexões a cerca de sua prática educacional e buscar novos discursos, novos conceitos que expliquem, abarque, compreenda esse fenômeno pelo fato de transcender a decodificação de uma língua, ou seja, um processo complexo que conduz ao ato de ler.

 

REFERENCIAS

ORLANDI, E. Discurso e textualidade. Org. Suzi Lagazzi-Rodrigues. Campinas: Pontes, 2006.

FOUCAMBERT, J. A leitura em questão. Trad. Bruno Charles Magne. Porto Alegre: Artmed, 1994, p. 03-27.

LODI, A. C. B. O poder da escrita e a escrita do poder. Lodi ET AL. Leitura  e escrita: no contexto da diversidade. Porto Alegre: Mediação, 2004, p. 19-26.

JORM, A.F. Psicologia das dificuldades em leitura e ortografia. Trad. Maria Cristina R. Gulart. Porto alegre: Artes Médicas, 1985.


 

[1] Graduada em Educação Especial/UFSM; Mestranda em Educação/UFSM; Especializanda em Gestão Educacional/UFSM; Graduanda em Letras Lic. – Hab. Espanhol e Literaturas da Língua Espanhola/UFSM; Integrante do Grupo de Pesquisa em Educação Especial: Interação e Inclusão Social/CNPq (GPESP); e-mail: karinesperoni@gmail.com

Como ser citado:
SPERONI, K. S. Reflexões a cerca do processo de leitura e escrita: compreender para transformar o ensino. P@rtes.V.00 p.eletrônica. Julho de 2010. Disponível em <www.partes.com.br/educacao/processodeleituraeescrita.asp>. Acesso em _/_/_.

 

Pesquisa personalizada
 
  

spacer
::sobre o autor::


 

::contato com o autor::

Fale com o autor clicando aqui.

 
::uma foto::


 
   ::participe::
 Cartas
 Blog
 
::outros artigos::

A Política Nacional de Educação especial na Perspectiva da Educação Inclusiva (2008): considerações sobre as facetas do novo paradigma
Karine Sefrin Speroni
publicado em 03/06/2010

 

 

 

 

 

Sobre o filme “Um homem bom”  e as decisões que tomamos em nossa história de vida
Décio Luciano Squarcieri de Oliveira; Fernanda Gabriela Soares Santos
publicado em 07/05/2009

Para entender o filme “Linha de Passe”
Décio Luciano Squarcieri de Oliveira; Fernanda Gabriela Soares Santos
publicado em 08/04/2009

 

O Curioso Caso de Benjamin Button: o esvaziar da ampulheta
Décio Luciano Squarcieri de Oliveira; Fernanda Gabriela Soares Santos
publicado em 04/04/2009
 

Um outro olhar sobre Avaliação: Alternativas Didáticas – Metodológicas entre História e Filosofia
Fernanda Gabriela Soares dos Santos e Décio Luciano Squarcieri de Oliveira
publicado em 02/03/2009
 

A dor no filme “Última Parada 174”
Fernanda Gabriela Soares dos Santos e Décio Luciano Squarcieri de Oliveira

publicado em 15/01/2009

 

Nota sobre o filme “Um Ensaio Sobre a Cegueira”
Fernanda Gabriela Soares dos Santos e Décio Luciano Squarcieri de Oliveira
publicado em 06/01/2009

 

 

Normas para publicar artigosRevista Virtual Partes

::apoiadores::






© copyright Revista P@rtes 2000-2008
Editor: Gilberto da Silva (Mtb 16.278)
São Paulo - Brasil
spacer
© copyright Revista P@rtes 2000-2010
Editor: Gilberto da Silva (Mtb 16.278)
São Paulo - Brasil