spacer

ISSN 1678-8419         última atualização em: quinta-feira, 06 de setembro de 2012 20:44:27                                               

 
  Principal
 Agenda
 Artes e Artesanato
 Colunistas
 Cultura
 Crônicas
 Econotas
 Editorial
 Educação
 Em Questão
 Em Rhede
 Entrevistas
 Humor
 Política e Cidadania
 Reportagens
 Mirim
 Notícias
 Outras edições
 Poesia e Contos
 Reflexão
 Expediente
 Sócio Ambiental
 Terceira Idade
 Terceiro Setor
 Turismo
   Participe
 Cartas
 Blog
 Fale Conosco
   Especiais
 Igrejas
 Meio Ambiente
 SP 450 anos
 Memória Sindical
 Assédio Moral
 Vitrine do Giba
 Nosso Dáimon
 O Grito do Ipiranga
 Mirim
 Feiras e Mercados
 Em RHede
 Econotas
 Ambientais
 Agenda
.
Leia na Revista Partes
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
EDUCAÇÃO

Repensando a Educação Tradicional

   

Renata Sobrino Porto

 

 

 

     Delineando a educação na condição pós-moderna

O interesse pela compreensão de quem somos no mundo é hoje uma questão constante, em especial por conta das mudanças culturais, sociais, econômicas, políticas e ideológicas características da pós-modernidade. Atualmente, com a globalização, as fronteiras culturais dissolvem-se e o mundo torna-se comunicável por regras e práticas comuns, cuja adoção muitas vezes é inevitável. Deste modo, o mundo se apresenta diante do homem como uma realidade muito mais ampla - e paradoxalmente, fluida - que em qualquer outra época já experimentada e vivenciada.

Com o advento da pós-modernidade, verifica-se uma abstração do espaço e do tempo e o estabelecimento de uma nova articulação entre ambos, ditada pela velocidade, que implica a dissolução de fronteiras – compressão do espaço -, na qual tudo se torna instantâneo – compressão do tempo. A contemporaneidade reflete uma temporalidade efêmera em direção ao futuro, o que é fundamental para os processos educativos, que, por sua vez, tornam-se parcialmente desligados da sua utilidade imediata e da sua aplicação prática, uma vez que, teoricamente, aprende-se agora para aplicar depois. Contudo, essa relevância é cada vez mais problemática, uma vez que se desloca e desatualiza constantemente.

Sabemos que a construção do conhecimento se dá a partir da interação do sujeito com o mundo à sua volta. Entretanto, atualmente o mundo se jorra ao homem, por meio da profusão de questões que não permitem mais soluções fragmentadas que dividem a realidade em domínios e subdomínios do saber. Assim, o currículo escolar, agente principal na construção do saber e na liberdade a ser alcançada através do conhecimento, apresenta-se categoricamente conteudista e fragmentado, o que muitas vezes aprisiona o aluno em aspectos unilaterais de uma realidade que, contraditoriamente, é multifacetada.

Segundo Veiga-Neto (2002), o currículo escolar, por ter uma estrutura disciplinar, funciona como um estruturante disciplinador e também como um dispositivo subjetivante, na medida em que a sociedade se torna cada vez mais disciplinar e seus indivíduos mais autodisciplinados. Lutando contra essa mecanização do saber, Rubem Alves (1995) critica o que ele chama de “pinoquização da educação”. Na história de Pinóquio, a escola transforma um boneco de madeira num menino de carne e osso, com alma de gente. Entretanto, a educação tradicional, em geral, caminha no sentido contrário, “despinoquizando” os estudantes: meninos de carne e osso e alma de gente são transformados pela escola em adultos de madeira, todos iguais, padronizados.

A educação tradicional parece não temer o risco de seguir o modelo das linhas de montagem, quase um adestramento que, como diria Foucault (1987), tem por objetivo normalizar as pessoas. O pensador chamava de normalização da educação a prática de dizer o que é certo ou que é errado, o que se deve fazer ou que se deve pensar, ou seja, transformar as pessoas em “normais”. Sabemos que, etimologicamente, normal é aquilo que segue a norma. Verificamos que arquitetura das escolas no século XVIII, alvo de crítica de Foucault, era, e ainda o é de certo modo hoje em dia, voltada para a vigilância. Esta vigilância e a conseqüente padronização e encapsulamento do saber gera o adestramento na educação, que serve para criar um tipo de sociedade normal. Assim, o aluno sai da escola formado, isto é, de acordo com uma fôrma pré-estabelecida pelo currículo, que se torna envolvido na gênese do próprio sujeito, uma vez que sua estrutura engendra uma nova geometria de espaço e tempo, organizando os saberes e práticas escolares de forma geométrica, reticular, exclusiva e disciplinar.

É instigante que, em nossa sociedade democrática, impere este tipo de filosofia educacional, que tira das pessoas a capacidade de pensar, de ter opiniões próprias, de criticar o que é imposto pelos formuladores das normas – a elite sócio-cultural e econômica. Hoje em dia nos acomodamos ao que nos é imposto e obedecemos porque não temos disposição para pensar. Afinal, não fomos educados para pensar, mas sim, para repetir. Contudo, o sistema educacional não pode estabelecer uma moral ou engessar valores. Uma sociedade democrática tem que estimular a liberdade de pensamento e não nos ensinar a repetir sem questionar, pois ela só cresce com diversidade cultural, com a crítica e com a problematização. Portanto, a questão evidente que se coloca atualmente à pedagogia tradicional é a seguinte: Como lidar com a necessidade de integração dos saberes para a compreensão de problemas reais da sociedade e do ser humano?

 

O professor: Um profeta do conhecimento?

Se acreditamos que o aprendizado na sala de aula vem construindo conhecimentos fragmentados numa sociedade plural, a tarefa dos educadores torna-se buscar alternativas capazes de contornar essa situação e conceber o aluno como sujeito histórico, social e cultural, ou seja, como cidadão no sentido lato do termo. Para isso, é importante que o aluno reconheça a autoria de seu saber, que não o veja como algo transmitido pela figura de um detentor único e onipotente – o professor –, mas sim como resultado de uma construção contínua através de suas próprias relações interpessoais, com o mundo à sua volta e com as informações amplamente difundidas na sociedade. O aluno – etimologicamente, aquele que não tem luz - precisa reconhecer que é um ator social e que seus conhecimentos não lhe serão imbuídos através do professor – etimologicamente, aquele que professa algo.

É claro que uma leitura radical desta idéia far-nos-ia chegar à conclusão equivocada de que o professor deveria deixar de ser um agente necessário na construção do saber. No entanto, uma interpretação consciente destas palavras demonstra que não se trata do descarte da figura do professor, mas sim, do deslocamento de seu papel centralizador e a conseqüente reelaboração da proposta tradicional de “transmissão de conhecimento” para aquela de “co-construção do conhecimento”. Mas o que significa co-construir conhecimento? Significa construir algo conjuntamente, em que o professor passa a ser não mais o detentor do saber, mas aquele que faz a mediação entre este e o aluno. O professor dá as ferramentas para que o aluno, através de erros e acertos, seja autônomo no processo de articulação entre aquilo que conhece e aquilo que aprende. O professor é um orientador e um mediador, e, portanto, não dá respostas prontas, mas incita questões para que o estudante procure seu próprio caminho, suas próprias respostas a perguntas que ele formulará, por si próprio, a partir de algo que o motive.

 

Uma luz no fim do túnel: A interdisciplinaridade e a pedagogia de projetos

No que diz respeito à fragmentação do conhecimento, sabemos que só aprendemos e internalizamos algo que nos toca realmente, algo que nos cativa, e, como disse Saint-Exupéry (1946), deste modo nos tornamos eternamente responsáveis por aquilo que nos cativa e que cativamos. Decorar conteúdos para uma prova é fácil, uma vez que qualquer aluno considerado estudioso pela escola tradicional é capaz de reconhecer fórmulas, repetir exercícios e obter sucesso numa disciplina específica. Mas será que isso realmente aponta para o sucesso no mundo que nos cerca? Será que um indivíduo autônomo, capaz de articular conhecimentos, relacioná-los à sua experiência e refletir criticamente sobre eles não deveria ser considerado mais bem sucedido que o primeiro? E qual o espaço que este indivíduo ocupa hoje na sala de aula, disciplinar e fragmentada, separada por toques de campainhas que berram, insensivelmente, “desliguemos o botão da matemática e acionemos o da geografia”?

A esta questão, os professores do ensino médio (e até mesmo do fundamental) já têm uma resposta pronta, em coro: “Não há como fugir. Somos escravos do vestibular.” Mas o que é um vestibular (que atualmente vem se modificando para atender às demandas da sociedade pós-moderna – vejamos o caso do ENEM), para um aluno que aprendeu a aprender, para um aluno que, mais que decorar palavras de outros, aprendeu a elaborar criticamente suas próprias perguntas e a chegar a suas próprias respostas? Mais ainda, o que é o “decoreba” do vestibular para um estudante que, ao chegar na universidade, se defrontará perante questões ainda sem resposta por parte da academia? Como este estudante, viciado em fórmulas e respostas prontas e mastigadas, lidará com o estudo superior, quando vir que o saber está constante construção?

Partindo do pressuposto que a sociedade nos impõe a necessidade de articular conhecimentos com autonomia, cabe-nos perguntar: Como fazer isso em sala de aula? Podemos propor aqui duas soluções, intrinsecamente relacionadas, uma vez que a segunda pressupõe a primeira: Através da interdisciplinaridade e através da pedagogia de projetos. E o que se entende por cada uma delas?

A interdisciplinaridade é uma forma inteligente de tornar viável a integração entre conhecimentos. Paulo Freire (1987, 1997) já dizia que só aprendemos a partir de nossa própria experiência. Através da interdisciplinaridade, permite-se a interação entre as disciplinas para a integração recíproca de conceitos, finalidades, objetivos e propostas metodológicas. Não se trata de uma categoria de conhecimento, “mas de ação (...) que nos conduz a um exercício de conhecimento: o perguntar e o duvidar” (Fazenda, 1994, p. 28). A interdisciplinaridade favorece uma articulação horizontal entre os conteúdos disciplinares e, ao mesmo tempo, um aprofundamento vertical na identidade de cada disciplina. Longe de uma pasteurização do conhecimento em que cada professor ensina um pouco daquilo que acredita que desconhece, o resultado é profícuo: O professor não se vê mais sozinho no processo de ensino/aprendizagem e se torna, de fato, um educador comprometido com a realidade que se impõe à nossa volta.

A pedagogia de projetos, por sua vez, é uma nova cultura de aprendizagem que permite ao aluno experimentar, pesquisar e ser autônomo no processo de construção do conhecimento. Trata-se de um olhar interdisciplinar – ou mesmo transdisciplinar – em torno de um tema específico, permitindo ao aluno descobrir ativamente – e não mais passivamente – as múltiplas facetas de um objeto de estudo. O projeto interdisciplinar favorece a criatividade, a iniciativa e, principalmente, a problematização. O aluno aprende por meio da elaboração de questões pertinentes, que vão além do conteúdo da história ou da química, por exemplo, e experimenta ativamente o mundo. Através de um projeto interdisciplinar, o aluno torna-se agente do seu processo de produção de ações sociais, de troca de informações, e, como resultado, da construção do conhecimento. O professor, por sua vez, como mediador, orientador, articulador e consultor deste processo, muito aprende através da pesquisa, da seleção de novos conteúdos e da relação com o aluno.

Por fim, devemos ressaltar que a interdisciplinaridade e a pedagogia de projetos não são meras propostas metodológicas para resgatar a educação tradicional do fantasma da “pinoquização”, mas teorias que, se colocadas efetivamente em prática, servem como possíveis caminhos para a construção conjunta de saber, em que professor e aluno encontram-se lado a lado no processo de ensino e aprendizagem. Afinal, como disse o escritor mineiro Guimarães Rosa (1956, p. 271), “Mestre não é quem sempre ensina, mas quem de repente aprende”

 

Referências Bibliográficas

Alves, Rubem. Estórias para quem gosta de ensinar. São Paulo: Ars Poetica, 1995.

Fazenda, Ivani C. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. Campinas, SP: Papirus, 1994.

Foucault, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.

FREIRE, Paulo.  Pedagogia do oprimido.  Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

Rosa, Guimarães. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: José Olympio, 1956.

SAINT-EXUPÉRY, Antoine de. Le petit prince. Paris: Éditions Gallimard, 1944.

Veiga-Neto. Alfredo. De geometrias, currículo e diferenças. Educação e Sociedade, ago 2002, vol. 23, no. 79, p. 163-186.

 

 

spacer
::sobre o autor::

Renata Sobrino Porto é mestre em Estudos da Linguagem pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e atualmente cursa o doutorado na mesma universidade. É professora de Inglês e professora-orientadora de Ética e de Projetos Pedagógicos (Temas transversais dos PCNs - MEC/SEF, 1998) no Colégio Saint John.
 

::contato com o autor::

Fale com o autor clicando aqui.

 
::anuncie::

Saiba como anunciar no site clicando aqui.

 
   ::participe::
 Cartas
 Blog
 Fale Conosco
 
 

::outros textos::

Pescaria na Periferia -alegria matinal-
por
Julio Paupitz 

Como era o nome dele?
Tamar Levi

Aldeia de Carapicuíba
 Por José Afonso de Oliveira

Renovar a face da Terra
 Por Paulo de Abreu Lima

O Santuário do Caraça
Por José Afonso de Oliveira

O Auto da Compadecida

::apoiadores::






© copyright Revista P@rtes 2000-2007
Editor: Gilberto da Silva (Mtb 16.278)
São Paulo - Brasil
spacer