Volte para a página principal

 
Apresentação
Capela da Santa Cruz dos Enforcados
Capela de Santa Luzia
Catedral da Sé
Capela dos Aflitos
Igreja da Consolação 
Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte
Igreja da Ordem Terceira de São Francisco 
Igreja e Convento da Luz
Igreja do Pátio do Colégio
Ordem Terceiras do Carmo
Os Santos e Suas Devoções São Paulod
Santo Antonio
São Bento
Igreja de São Francisco
Igreja de Santa Ifigênia
Igreja de São Cristóvão
Igreja de Nossa Senhora do Rosário...
ESPECIAL - IGREJAS DE SÃO PAULO

Capela de Santa Luzia

 Lincoln Secco

 Esta capelinha, quase escondida num canto da Rua Tabatingüera, fica bem próxima à quadra do Sindicato dos Bancários de São Paulo. Foi erigida, conforme se lê na placa postada bem à frente, por Ana Maria de Almeida Lorena Machado. “Orae por ella” ainda reza a placa! A Capela foi inaugurada em 13 de dezembro de 1901. É a mais nova das igrejinhas que descrevemos. Mas está entre aquelas que tem imagens belas às quais se dedica todo o cuidado.

Por muito tempo foi a capelania dos franceses.

A Santa Luzia protege o olhar dos que vêem e dos que não o fazem. Porque não querem. Ou não podem. Lembremos que Jesus disse a Tomé: “Porque viste, creste. Felizes os que não viram e creram” (João, 20:30). Quantos os que acreditam hoje mesmo vendo?

Seu dia é 13 de dezembro. Dia de festa. De muita comemoração. Mesmo dia de Santa Otília e de Santa Rosa Isabel, aquela que viveu como eremita na cavidade de um carvalho, no século XII.

A Santa Luzia foi mártir. Por obra do impiedoso Diocleciano, imperador dos romanos no século IV. Sua imagem aparece ao lado de outras virgens martirizadas, como a Santa Águeda, de seios cortados e que foi retratada nas esculturas de Minas Gerais e Bahia nos tempos coloniais. Também aparece com um punhal na garganta. Porque ela tinha um pretendente, que lhe deram para que apostatasse, para que não servisse a Cristo Jesus. Condenada, cercada por uma fogueira, as chamas não a atingiram. Até que um carrasco trespassou seu pescoço com um punhal.

A capela é muito bonita por dentro. Embora tenham lhe colocado, do lado de fora, um luminoso fashion para fazê-la mais “moderna”. Na entrada a imagem de Nossa Senhora da Cabeça é muito procurada. Tendo muitos devotos sinceros. Ultimamente a capelinha da Santa Luzia tem sido vítima dos cupins. Que ameaçaram os móveis, o telhado e outras coisas. Uma campanha de doações foi realizada. Não sei se a igrejinha permanecerá. Não sei se os fiéis e outros mais endinheirados e menos cristãos farão sua parte. Santa Luzia já fez a dela. Iluminou os seus devotos para que sua capela resistisse tanto tempo oprimida pelo crescimento desordenado da nossa cidade de São Paulo. Pelo crescimento que não respeitou os rios, os lagos, os humildes, os deserdados. Só os que mandam. Os que são fortes. Sem saber que sua hora também chegará. Eles também, por vontade de Deus ou dos que obedecem, passarão de malho a bigorna: “O homem forte virá a ser estopa, e a sua obra como uma centelha: ambos arderão juntos, e não haverá ninguém que os possa apagar” (Isaías, 1:31).

 Endereço: R. Tabatinguera, 104