spacer

ISSN 1678-8419                                                                                                           

Apresentação
 
Capela da Santa Cruz dos Enforcados
 
Capela de Santa Luzia
 
Catedral da Sé
 
Capela dos Aflitos
 
Igreja da Consolação 
 
Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte
 
Igreja da Ordem Terceira de São Francisco 
 
Igreja e Convento da Luz
 
Igreja do Pátio do Colégio
 
Ordem Terceira do Carmo
 
Os Santos e Suas Devoções São Paulo
 
Santo Antonio
 
São Bento
 
Igreja de São Francisco
 
Igreja de Santa Ifigênia
 
Igreja de São Cristóvão
 
Igreja de Nossa Senhora do Rosário...
 
 Agenda
 Artes e Artesanato
 Colunistas
 Humor
 Cultura
 Econotas
 Editorial
 Educação
 Em Questão
 Em Rhede
 Política e Cidadania
 Entrevistas
 Reportagens
 Mirim
 Notícias
 Outras edições
 Poesia e Crônicas
 Reflexão
 Sócio Ambiental
 Terceira Idade
 Terceiro Setor
 Turismo
 
 
 
 
 
 
 
Visitantes
Hit Counter
 
 
 
ESPECIAL - IGREJAS DE SÃO PAULO
 

Catedral da Sé

   
Lincoln Secco                                                                  
 

 A história do marco zero da cidade de São Paulo, da praça que leva o nome da matriz de todas as nossas igrejas, é a mais triste e acidentada. Desde o século XVI quiseram os moradores da Vila de São Paulo de Piratininga lançar a pedra fundamental da igreja matriz. No início do século XVII, tudo estava ainda por fazer. E assim se fez. Uma capela foi erguida e terminada em 1612, mas em 1746, quando São Paulo preparava-se para receber seu primeiro bispo, Dom Bernardo Rodrigues Nogueira (governou até 1748), ele teve que tomar posse na antiga Igreja de São Pedro, que ficava onde hoje localiza-se o prédio da Caixa Econômica Federal e o edifício Rolim, na Praça da Sé. Isso porque, naquela época, a Sé já estava imprestável, embora São Paulo tivesse se tornado, oficialmente, sede de diocese (1745). Essa informação contrasta com uma carta, datada de 1766, em que o Governador Morgado de Mateus diz ao primeiro ministro de D. José I, o futuro Marquês de Pombal, que a Sé é um dos templos mais suntuosos da cidade. Possivelmente, isso significa que a elevação da cidade a sede de diocese tenha trazido melhorias de vulto para o templo. E também que o governador exagerava um pouco...

Reconstruída, A Sé resistiu por muito tempo. Saint-Hilaire (Viagem à província de São Paulo, p.157), considerou-a muito menos imponente que a Igreja do Carmo. Daniel Kidder, que a conheceu nos tempos da Regência, deixou dela uma pequena descrição: “A catedral diocesana é bastante ampla, e, por ocasião de nossa visita cerca de vinte clérigos cantavam a missa. Era grande a assistência, com acentuada predominância de mulheres” (Reminiscências de viagens e permanências no Brasil, p.191).

Em 1913 definiu-se o terreno para a construção da atual catedral, em área mais extensa que a daquela antiga ermida, demolida em 1911. Pois São Paulo havia sido elevada a sede de arquidiocese por decreto do Papa Pio X e desejava uma catedral de grandes proporções.

Demorou a construção da nova Sé. Somente nos anos 50 pôde estar realmente finda. Seria ocioso descrever aquilo que escapa ao interesse eminentemente histórico desse artigo, a saber: traços arquitetônicos, características das torres, detalhes dos interiores etc. Pode-se observar que seu aspecto é tão sinistro, à noite, particularmente para quem olha da Praça João Mendes, ou mesmo daquele desvão que é a atual Rua Senador Feijó (que já foi Rua da Freira), que dá saudades, em quem conhece a nossa história, da antiga igrejinha que ali havia, simples e singela. Mas uma metrópole tinha que ter... catedral!

A cripta, no subsolo, é o que mais impressiona. Lá estão os mausoléus de Tibiriçá e do Regente Feijó. Além de religiosos de boa cepa ali sepultados.

E a Catedral da Sé também teve a sua importância na vida política recente do país. Em tempos de despotismo militar, assumiu o arcebispado D. Agnelo Rossi (1964-1970), inaugurando a fase da teologia da libertação e da opção preferencial pelos pobres. Desde 1970, sobressaiu-se a figura humana sem par do cardeal arcebispo D. Paulo Evaristo Arns, que dedicou todo o seu tempo e o seu esforço ao combate à ditadura militar, denunciando os crimes, as torturas e cedendo a Sé catedral para as manifestações políticas e ecumênicas pelos desaparecidos políticos e pela anistia. Mobilizou-se por ocasião dos assassinatos do jornalista Vladimir Herzog e do operário Manuel Fiel Filho.

Naquela que foi a maior mobilização popular da história do Brasil, as “Diretas Já”, a Sé foi o local dos grandes comícios, e na porta da catedral ficaram os manifestantes velando a noite inteira pela vitória da emenda Dante de Oliveira. Voltaram tristes e decepcionados...

D. Paulo foi sucedido por D. Claudio que, na época das greves do ABC paulista, de Lula e seus companheiros, vira sua igreja, em São Bernardo do Campo, tornar-se o local das assembléias de trabalhadores, ao abrigo dos helicópteros das forças armadas. D. Claudio tem, hoje, outra tarefa difícil: recuperar o templo da Sé Catedral, que foi interditado e exige reformas.

A Sé teve uma história acidentada. Sua tradição foi demolida duas vezes. Com o templo do século XVII. E com a Igreja do século XVIII. Mas num dos momentos mais trágicos de nossa existência enquanto país, o seu engajamento em prol dos humildes e vencidos desta vida devolveu-lhe todo o seu vigor, toda a sua história.

 

spacer
::Uma foto::
 
::anuncie::


Saiba como anunciar no site clicando aqui.


   ::participe::
 Cartas
 Blog
 Fale Conosco
 
 

::outros textos::

Pescaria na Periferia -alegria matinal-
por
Julio Paupitz 

Como era o nome dele?
Tamar Levi

Aldeia de Carapicuíba
 Por José Afonso de Oliveira

Renovar a face da Terra
 Por Paulo de Abreu Lima

O Santuário do Caraça
Por José Afonso de Oliveira

O Auto da Compadecida

::apoiadores::






© copyright Revista P@rtes 2000-2007
Editor: Gilberto da Silva (Mtb 16.278)
São Paulo - Brasil
spacer