spacer

ISSN 1678-8419                                                                                                           

Apresentação
 
Capela da Santa Cruz dos Enforcados
 
Capela de Santa Luzia
 
Catedral da Sé
 
Capela dos Aflitos
 
Igreja da Consolação 
 
Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte
 
Igreja da Ordem Terceira de São Francisco 
 
Igreja e Convento da Luz
 
Igreja do Pátio do Colégio
 
Ordem Terceira do Carmo
 
Os Santos e Suas Devoções São Paulo
 
Santo Antonio
 
São Bento
 
Igreja de São Francisco
 
Igreja de Santa Ifigênia
 
Igreja de São Cristóvão
 
Igreja de Nossa Senhora do Rosário...
 
 Agenda
 Artes e Artesanato
 Colunistas
 Humor
 Cultura
 Econotas
 Editorial
 Educação
 Em Questão
 Em Rhede
 Política e Cidadania
 Entrevistas
 Reportagens
 Mirim
 Notícias
 Outras edições
 Poesia e Crônicas
 Reflexão
 Sócio Ambiental
 Terceira Idade
 Terceiro Setor
 Turismo
 
 
 
 
 
 
 
Visitantes
Hit Counter
 
 
 
ESPECIAL - IGREJAS DE SÃO PAULO
 

Igreja Nossa senhora da Boa Morte

   
Lincoln Secco                                                                  
 

Datada de 1810, foi esta Igreja construída em terreno adquirido pela Irmandade dos homens pardos de Nossa Senhora da Boa Morte. Diz Paulo Cursino de Moura (São Paulo de outrora, p.60): “por cento e doze mil réis”. Na esquina da rua que vinha do quartel de voluntários reais. Situa-se, hoje, na rua do Carmo. Antiga rua da Boa Morte, em cuja esquina, junto à Tabatinguera, habitou o mestre Chico, dono da sapataria invidiata (invejada) e que tão folclórico foi naquelas bandas pelos fins do oitocentismo, segundo as lembranças de Miguel Milano no seu livro Os fantasmas da São Paulo antiga.

Boa Morte é o que os escravos pediam, subindo da atual Várzea do Glicério pela Tabatingüera, antes de serem enforcados no Largo da Forca, ali na Liberdade, junto à atual Igreja das Almas dos Enforcados. Seus parentes e amigos desciam, então, pela atual rua dos Estudantes e, na igrejinha dos aflitos pediam um bálsamo espiritual para a aflição de suas almas.

Esta igrejinha humilde tem algumas imagens de rara beleza. Beleza encarnada na simplicidade, sem o fausto e a riqueza dos grandes templos de antanho. Uma imagem do Cristo trazida do Pátio do Colégio, e que deve datar do século XVI, está lá, exsudando sua dor por todos os poros. Na entrada está o lendário Santo Expedito, santo mais daquela igreja popular que Antonio Gramsci, certamente, incluiria no senso comum do povo, do que da igreja oficial dos teólogos e estudiosos da história eclesiástica, naturalmente mais exigentes quanto à verdade histórica.

A Nossa Senhora das Dores, a das Lágrimas e da Assunção também ornam as paredes laterais da igreja. Contudo, chama a atenção a Nossa Senhora da Boa Morte ou do sono que espera a assunção de Maria (a Dormitio Mariae), cuja celebração se dá em 14 de agosto, um dia antes da Assunção.

A capela é pequena para os homens grandes de hoje, ricos e poderosos que não realizarão ali seus casamentos e outras exigências espirituais, como no passado. É igreja dos pequeninos. Ali realizam-se muitos batismos. Mas o porte do templo e seu irremediável sabor colonial, com suas paredes muito largas, não convidam às grandes cerimônias. Infiltrações de água, uma pintura descuidada nas paredes e em algumas imagens, que nada têm de originais, mas que também não podem ser restauradas sem a autorização do poder público, dificultam a reforma da igreja. Em 1984 houve uma pequena reforma no forro e em torno de outros detalhes. Insuficiente, como se pode ver.

A parte interna, cujo acesso foi permitido pelo amigo Padre Sergio Bradanini, tem uma ou outra imagem barroca, de pouco valor artístico. Mas um Cristo morto, que é usado na procissão da Semana Santa, esconde-se lá dentro. Partilhando as dependências da igrejinha, reúne-se a pastoral dos negros. Lá situa-se o quilombo central. O que faz dessa igreja da Boa Morte uma espécie de irmã da Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, lá no Largo do Paissandu.

A antiga Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte é humilde. É a igreja mais pobrezinha do centro de São Paulo. Mas é forte. E bonita à sua maneira. Tão sem orgulho e sem vaidade que, às vezes, parece a única a lembrar que Jesus Cristo veio para os pobres e os humildes: “Bem aventurados vós, os pobres, porque vosso é o Reino de Deus” (Lucas, 6:20).

 Endereço: Rua Tabatinguera, 301 – 01020-000 – Centro – SP
Tel.: 3104-0055

 

spacer
::Uma foto::
 
::anuncie::

Saiba como anunciar no site clicando aqui.


   ::participe::
 Cartas
 Blog
 Fale Conosco
 
 

::outros textos::

Pescaria na Periferia -alegria matinal-
por
Julio Paupitz 

Como era o nome dele?
Tamar Levi

Aldeia de Carapicuíba
 Por José Afonso de Oliveira

Renovar a face da Terra
 Por Paulo de Abreu Lima

O Santuário do Caraça
Por José Afonso de Oliveira

O Auto da Compadecida

::apoiadores::






© copyright Revista P@rtes 2000-2007
Editor: Gilberto da Silva (Mtb 16.278)
São Paulo - Brasil
spacer