spacer

ISSN 1678-8419                                                                                                           

Apresentação
 
Capela da Santa Cruz dos Enforcados
 
Capela de Santa Luzia
 
Catedral da Sé
 
Capela dos Aflitos
 
Igreja da Consolação 
 
Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte
 
Igreja da Ordem Terceira de São Francisco 
 
Igreja e Convento da Luz
 
Igreja do Pátio do Colégio
 
Ordem Terceira do Carmo
 
Os Santos e Suas Devoções São Paulo
 
Santo Antonio
 
São Bento
 
Igreja de São Francisco
 
Igreja de Santa Ifigênia
 
Igreja de São Cristóvão
 
Igreja de Nossa Senhora do Rosário...
 Agenda
 Artes e Artesanato
 Colunistas
 Humor
 Cultura
 Econotas
 Editorial
 Educação
 Em Questão
 Em Rhede
 Política e Cidadania
 Entrevistas
 Reportagens
 Mirim
 Notícias
 Outras edições
 Poesia e Crônicas
 Reflexão
 Sócio Ambiental
 Terceira Idade
 Terceiro Setor
 Turismo
 
 
 
 
 
 
 
Visitantes
Hit Counter
 
 
 
ESPECIAL - IGREJAS DE SÃO PAULO
 

Igreja de Santo Antonio

   
Lincoln Secco                                                                  
 

A igreja de Santo Antônio fica no mesmíssimo lugar onde ergueu-se a sua primitiva capela no quinhentismo. Na Praça do Patriarca, ao lado do Viaduto do Chá, defronte a rua Libero Badaró, colada a um grande hotel. O nome dessa praça, como já acentuou mais de um historiador, devia mudar para Praça Santo Antônio, pois já se provou que o patriarca da independência, José Bonifácio, morou um pouco afastado daquele sítio. Além disso, já tem rua que o homenageia. Mas...deixemos esse desassossego para lá. Muito velha é a devoção desse Santo Antonio na cidade de São Paulo. Ainda hoje, com todo o progresso e o espírito laico que predomina, é o casamenteiro preferido de muitas devotas desiludidas do amor. Por isso, a Igreja de Santo Antonio foi uma das primeiras erguidas em São Paulo. Houve antes Capela de Santo Antonio nos lados da Mooca, mas desapareceu (Camargo, A Igreja na história de São Paulo, vol. II, p.17).

Em 1592 fez referência à Igreja de Santo Antonio, já na atual Praça do Patriarca, o testamento de Afonso Sardinha, escrito numa linguagem tão simples e afetuosa que vale a pena transcrever-lhe um trecho: "Em nome de Deus, amen. - Saibam quantos esta cedula de testamento e mando cerrado virem, como no anno do nascimento de Nosso Senhor Jesus Christo de 1592, aos 13 dias do mez de novembro, n'esta villa de S. Paulo do Campo, Capitania de S. Vicente do Brasil etc. Eu Afonso Sardinha, na dita villa morador e capitão da gente de guerra, pelo governador Lopo de Souza etc., estando de caminho para uma guerra, e sendo mortal e não sabendo o que Deus Nosso Senhor de mim fará, estando de saude e em todo o meu juízo e entendimento, ordeno esta cedula e mando em maneira seguinte: primeiro encommendo minha alma a Deus Nosso Senhor, que do nada a fez e com seu sangue precioso a remio e resgatou na arvore da vera-cruz, para que elle haja misericordia quando d'esta vida partir, e a virgem gloriosa N.S. sua mãi e a S. João Baptista, e a S. Gabriel Archanjo e a todos os santos e santas da côrte do céo a aos córos angelicos, os quais invoco para que sejam em minha ajuda e favor ante o consisterio divino". (In: Azevedo Marques, Apontamentos históricos etc, pp.348-9). Nesse mesmo testamento Afonso Sardinha refere-se "à ermida de Santo Antonio", para a qual deixa dois cruzados. Foi essa ermida também a sede da pouco conhecida, e sem grande influência, Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Brancos, esquecida nos tempos coloniais e muito menos significativa que a dos homens pretos.

A Igreja foi reedificada em 1717, em 1747 e ainda em 1899. No atual templo, uma placa sem data indica o agradecimento à família Prates, que ajudou a última reconstrução: "Na pessoa de Eduardo Prates Nogueira o povo de São Paulo agradece à benemérita família Prates o zelo na preservação desse monumento". Ora, sabe-se que moraram ali nas imediações da Igreja, a Baronesa de tatuí e o conde e a condessa Prates. Isso antes do início da construção do Viaduto do Chá, no final do século XIX. Tanto é que, atualmente, um dos prédios da rua Libero Badaró rende homenagens aos Prates (também homenageados lá do outro lado, nas bandas do Bom Retiro). A igreja de Santo Antônio passa, nos dias que correm, por uma nova reforma. Seu interior é apertado. Para quem entra, há à direita, o confessionário, a secretaria da igreja e um quintalzinho ao fundo, único lugar onde o terreno sagrado pode receber a luz do sol e algumas gotas de chuva.

Endereço:

Praça do Patriarca, 49 – 01002-010 – Centro – SP

Telefax: Tel.: 3242-2414

 

 

spacer
::Uma foto::
 
::anuncie::

Saiba como anunciar no site clicando aqui.


   ::participe::
 Cartas
 Blog
 Fale Conosco
 
 

::outros textos::

Pescaria na Periferia -alegria matinal-
por
Julio Paupitz 

Como era o nome dele?
Tamar Levi

Aldeia de Carapicuíba
 Por José Afonso de Oliveira

Renovar a face da Terra
 Por Paulo de Abreu Lima

O Santuário do Caraça
Por José Afonso de Oliveira

O Auto da Compadecida

::apoiadores::






© copyright Revista P@rtes 2000-2007
Editor: Gilberto da Silva (Mtb 16.278)
São Paulo - Brasil
spacer