spacer

ISSN 1678-8419                                                                                                           

Apresentação
 
Capela da Santa Cruz dos Enforcados
 
Capela de Santa Luzia
 
Catedral da Sé
 
Capela dos Aflitos
 
Igreja da Consolação 
 
Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte
 
Igreja da Ordem Terceira de São Francisco 
 
Igreja e Convento da Luz
 
Igreja do Pátio do Colégio
 
Ordem Terceira do Carmo
 
Os Santos e Suas Devoções São Paulo
 
Santo Antonio
 
São Bento
 
Igreja de São Francisco
 
Igreja de Santa Ifigênia
 
Igreja de São Cristóvão
 
Igreja de Nossa Senhora do Rosário...
Leia na Revista Partes
 Agenda
 Artes e Artesanato
 Colunistas
 Humor
 Cultura
 Econotas
 Editorial
 Educação
 Em Questão
 Em Rhede
 Política e Cidadania
 Entrevistas
 Reportagens
 Mirim
 Notícias
 Outras edições
 Poesia e Crônicas
 Reflexão
 Sócio Ambiental
 Terceira Idade
 Terceiro Setor
 Turismo
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
ESPECIAL - IGREJAS DE SÃO PAULO
 

Capela da Santa Cruz dos Enforcados

   
Lincoln Secco                                                                  
 

1821. Vésperas da independência política do Brasil. O Primeiro Batalhão de Caçadores em Santos sublevou-se. Líder da revolta foi o cabo Francisco José das Chagas (o Chaguinhas). Os motivos: aumento do soldo e igualdade no tratamento de soldados brasileiros e portugueses. A sentença do Chaguinhas: a morte pela forca.

São Paulo vivia sob o governo provisório: um acordo que unia desde conservadores, como João Carlos Oeynhausen e Francisco Inácio de Souza Queiroz, até liberais como os Andradas. A sedição de Santos foi duramente reprimida por este governo. A cidade de São Paulo também aproximava-se de um momento histórico que a alçaria à condição de palco da proclamação da independência e da Aclamação do Imperador D. Pedro I, nas dependências do Pátio do Colégio, por obra e voz do Padre Ildefonso Xavier. Um dos motivos que trouxeram o imperador à terra paulista foi a bernarda de Francisco Inácio, conspiração e levantamento da facção conservadora desse membro da família Souza Queiroz.

Mas ainda corria o ano de 1821. O Chaguinhas vivia na lembrança dos paulistanos como o menino querido daquela cidade do início do século XIX. Cidade provinciana. Ensimesmada. Colonial. Crescera o menino na rua das Flores (atual Silveira Martins, pois a atual rua das Flores é a antiga travessa das Flores). Pertinho da Igreja do Carmo. Crescera como menino pobre, sem ofício. Sempre às ordens para pequenos trabalhos. Nadando pelo Anhangabaú. Correndo pelas ruazinhas estreitas, como nos diz Nuto Sant’anna em seu romance histórico, Santa Cruz dos Enforcados. Conseqüência natural para o Chaguinhas (e uma provável oportunidade de vida) foi seu engajamento militar. Em Santos.

Sua condenação chocou a cidade. A forca foi erguida no atual Largo da Liberdade. No dia 20 de setembro de 1821 houve a execução. Primeiro foi o soldado Contindiba, seu companheiro de infortúnio. Depois...a corda arrebentou e o Chaguinhas caiu, lépido e vivente. O povo, que a tudo assistia, gritou: “Liberdade!”. Era o costume, desde priscas eras, perdoar-se o condenado, ou comutar-lhe a pena, em casos semelhantes. Era a vontade de Deus, mais poderosa que a dos homens.

Mas o governo, consultado, foi intolerante. Que se o executasse de novo. E assim se fez. Mas eis que a corda arrebentou de novo. E o povo gritou: “Milagre!”. Mas o Chaguinhas foi enforcado na terceira vez!

Tamanha injustiça, associada ao milagre, gerou uma devoção imediata naquele local. Velas foram acesas e uma cruz foi erguida. Dizem que nem vento, nem chuva apagavam as velas! Depois de muito tempo erigiu-se uma capela, em 1887 (segundo Miguel Milano em seu livro Fantasmas de São Paulo, p.23). Mas a documentação primária diz que sua primeira missa celebrou-se em 1 de maio de 1891, ano de sua fundação. Sua festa passou a se dar no dia 3 de maio, pois em abril de 1911 a Irmandade de Santa Cruz dos Enforcados solicitou ao vigário foral do arcebispado (São Paulo já se tornara sede de Arquidiocese nessa época), a permissão para a procissão e a festa de 3 de maio.

Conforme documentos existentes no Arquivo da Cúria Metropolitana, a capela sofreu reformas de vulto nos anos vinte. No início desse ano jubileu (2000), houve um incêndio provocado por uma quantidade enorme de velas que uma devota ali depositou. O que não é novidade na história dessa capela, pois outros pequenos incêndios ali ocorreram desde o início desse século XX. Felizmente, o templo permaneceu intacto.

A Capela continua sinistra por fora, mas muito simples e acolhedora por dentro. Capela de Santa Cruz das Almas dos Enforcados. Ou simplesmente “Igreja das Almas”.

Endereço: Praça da Liberdade, 238 – 01503-390 – Liberdade – SP
Tel.: 3208-7591

Horários de Missas:
2ª feira: às 7:00h, às 08:00h, às 09:00h, às 10:00h, às 12:00h, às 15:00h, às 17:00h e às 18:30h
3ª feira a 6ª feira: às 08:00h, às 09:00h e às 18:00h
Sábado: às 08:00h e às 9:00h
Domingo: às 08:00h, às 09:30h e às 10:30h

Atendimento de Confissões:
2ª feira: das 18:00h às 18:30h
6ª feira: das 15:00h às 17:30h

 

spacer
::Uma foto::
 
::anuncie::

Saiba como anunciar no site clicando aqui.


   ::participe::
 Cartas
 Blog
 Fale Conosco
 
 

::outros textos::

Pescaria na Periferia -alegria matinal-
por
Julio Paupitz 

Como era o nome dele?
Tamar Levi

Aldeia de Carapicuíba
 Por José Afonso de Oliveira

Renovar a face da Terra
 Por Paulo de Abreu Lima

O Santuário do Caraça
Por José Afonso de Oliveira

O Auto da Compadecida

::apoiadores::






© copyright Revista P@rtes 2000-2007
Editor: Gilberto da Silva (Mtb 16.278)
São Paulo - Brasil
spacer