Revista Partes - Ano II - janeiro de 2002 - nº 18

Chega de violência: vamos dar um basta! Pela justiça, contra a impunidade e pelo comprometimento de todos os partidos políticos, autoridades governamentais e segmentos sociais na luta contra a violência. 

  Principal
 Agenda
 Comportamento
 Cotidiano
 Cultura
 Econotas
 Editorial
 Educação
 Em Questão
 Esportes
 Humor
 Links
 Nossa Língua
 Notícias
 Outras edições
 Poesia e Crônicas
 Reflexão
 Serviços
 Socio Ambiental
 Terceira Idade
 Turismo
   Participe
 Cartas
 Fórum
 Fale Conosco
   Especiais
 Gilberto Freyre
 Eleições 2000
 Assédio Moral

 Marta Suplicy sanciona lei que pune assédio moral [ler]
 Pelotas lança programa de modernização de gestão [ler]
 São Paulo economiza mais de R$ 11 milhões com novo preço do leite em pó [ler]
 Seminário sobre a biosfera [ler]
 Dourados produz eco-fertilizante a partir de detritos [ler]

::especial meio ambiente::
Leia o especial sobre o meio ambiente e a degradação ambiental.
Um tema que tem preocupado todos os setores da sociedade.

Veja a polêmica entrevista do biólogo Rodolfo Salm.
Leia mais aqui
::livros::

Esmeralda - Por que não dancei é o depoimento de quem esteve nas ruas desde os oito anos, convivendo com a violência, as drogas e a indiferença. É mais ainda: é o roteiro de seu renascimento, da construção de sua auto-estima, da recuperação da dignidade de um ser humano.
A coordenação da obra coube ao jornalista Gilberto Dimenstein.

::outros artigos::
Cotidiano: O Acordo de Alcântara e a Soberania Nacional, por Iara Bernardi
Poesia:
As máximas de quem não é marques, de Ascendino Leite
Educação:
Dislexia e o Projeto Genoma Humano, por Vicente Martins
::em questão::
O grito dos Povos Índigenas, por Eliane Potiguara.

"Porque 500 anos de pretenso reconhecimento de nossa cidadania, não pagam o sangue derramado pelas avós, mães e filhas indígenas deste país"

::turismo::

Aldeia de Carapicuiba: uma volta ao século 16, de José Afonso de Oliveira 
::terceira idade::

Fátima Teixeira mostra um pouco dos direitos que toda pessoa com 60 anos ou mais podem ter na cidade de São Paulo.
Veja também o artigo anterior Velhice e Cidadania