ISSN 1678-8419                                                                                      Revista Partes - Ano IV - maio de 2004 - nº 45
  Principal
 Agenda
 CColunistas
 Cultura e Humor
 Econotas
 Editorial
 Educação
 Em Questão
 Em Rhede
 Entrevistas
 Notícias
 Poesias e Crônicas
 Política e Cidadania
 Reportagens
 Reflexão
 Terceira Idade
 Turismo e Lazer
 
 Outras edições
 
   Participe
 Cartas
 Expediente
 Fale Conosco
   Especiais
 SP 450 anos
 Gilberto Freyre
 Igrejas
 Meio Ambiente
 Assédio Moral
::reportagem::
 
 
::educação::

A forma de avaliação tradicional, que ocorre  na maioria das escolas brasileiras,  em regime de seriação  e no final do processo ensino-aprendizagem, a chamada avaliação com função somativa, é uma  forma perversa de avaliar alunos que apresentam dificuldades de aprendizagem e das principais causas do fracasso escolar no Brasil. leia:
Cola: Justiça, pode. Educação, por que não? Por Vicente Martins
 

::colunistas::

Um jeito único de amar
  Por
Madalena Carvalho

Ventos e velas
  Por Adilson Luiz Gonçalves

::outros artigos::

::política::
Quem são os verdadeiros políticos
  Por Renato Ribeiro Velloso

::cultura::
Oferenda. Cícero Gonçalves. Produção Velas dirigido por Geraldo Vianna.
 Por Jaqueline Novaes


Horizonte Perdido Lost Horizon
  por Jaqueline Novaes

::Nossa Língua::
O caso do AGENTE DE POLÍCIA - Visar (a) - Pego/pegado
  por Maria Tereza de Queiroz Piacentini


::econotas::
Natureza, a prostituta de todos!
  Por Gilberto da Silva



















 

::em questão::

Infelizmente, ainda existem pessoas egoístas e alienadas em nossa sociedade, que vivem de aparências e lucram, ou tiram proveito próprio, fazendo apologia da ostentação. Provavelmente, nunca passaram necessidade ou tiveram que trabalhar para aprender a dar valor ao que é conquistado com esforço e merecimento.
Brioches e a roupa do imperador  por Adilson Luiz Gonçalves

::em rhede::
::turismo::

No Brasil, as histórias mais conhecidas sobre o início do crime organizado, são sobre Lampião e seu bando de cangaceiros, ou seja, bandidos do sertão nordestino, que nos anos 30, andavam fortemente armados pelos sertões nordestinos.
O crime organizado
 Por
Renato Ribeiro Velloso



© copyright Revista P@rtes 2000-2004
Editor: Gilberto da Silva (Mtb 16.278)
São Paulo - Brasil